Menu
Busca terça, 22 de setembro de 2020
(67) 99647-9098
TJMS setembro20
Geral

Via-Sacra lembra trajetória de doentes no Hospital São Julião

07 abril 2012 - 12h08Fernando da Mata

Um paralelo entre os últimos instantes da vida de Jesus e a trajetória dos doentes. Desta maneira, trabalhadores e pacientes do Hospital São Julião, em Campo Grande, encenaram a Via-Sacra, na manhã desta Sexta-Feira da Paixão de Cristo (6).


Escrita por Lino Vilachá, poeta que ficou internado mais de 30 anos com hanseníase, a peça ‘do doente’ é encenada há 16 anos dentro da unidade hospitalar.

Desde que a obra começou a se encenada, quem organiza é o funcionário Bruno Maddalena, que também atua como músico durante a procissão.

“Cada estação da Via-Sacra faz comparação com momentos da recuperação da saúde do doente. Isso cria reflexão importante dentro do hospital e contribuiu para os funcionários e, principalmente, pacientes”.

No momento em que Jesus é condenado à morte, por exemplo, o escritor fez a comparação com a dor que alguém sente quando recebe a notícia de que está doente e precisa se tratar. Seguindo adiante, o paciente carrega a cruz do tratamento com quedas pelo caminho e se deparando com aflições de familiares e amigos.

Quando Jesus morre, paralelo com os doentes que são abandonados, esquecidos e até considerados mortos por parentes.

O capelão do São Julião, Frei Wanderley Gomes de Figueiredo, enfatizou que a encenação da Via-Sacra tem tudo a ver com a história do hospital.

“Além do sofrimento e abandono dos doentes, lembra também a solidariedade de Deus, que se compadece dos sofredores deste mundo. Olhando o sofrimento de Cristo, vivemos de maneira melhor nossos sofrimentos, sem desespero ou revolta”, afirmou o padre.

A Via-Sacra foi acompanhada também por parentes dos doentes, moradores dos bairros próximos e pessoas de outros lugares. Uma delas é o servidor público Odair Garcia da Silva, 47 anos, que considera importante a reflexão que a Paixão de Cristo proporciona.

“Tantas pessoas reclamam da vida. Ver a Via-Sacra dói e emociona, mas traz a gente à realidade, para tentar melhorar. Hoje, nós abandonamos as pessoas, principalmente os idosos e enfermos. Então temos que tirar Jesus da cruz e a única forma é ajudando o próximo”, relatou Silva.

Voluntário no São Julião, o estudante Junior Fernando Cruz de Souza, 16, destacou que os pacientes gostam de participar. “Eles se integram e se sentem até melhor”.

O Hospital São Julião é referência no tratamento de hanseníase, de doenças infectocontagiosas (como aids e tuberculose) e em cirurgias oftalmológicas (incluindo transplante de córnea). Atualmente, a unidade abriga cerca de 80 pacientes internos.

Via Campograndenews

Deixe seu Comentário

Leia Também

Geral
"O corpo é o de menos”, diz jovem no Dia Nacional da Luta PCD
Geral
“Só sintomas leves”, diz Reinaldo ao JD1
Geral
Solidariedade: Grupo no Facebook incentiva doações
Geral
Encontrada adolescente que estava desaparecida há 4 dias na capital
Geral
Índios invadem fazenda e causam prejuízo de aproximadamente R$ 500 mil
Geral
No Dia da Árvore, Paulo Corrêa reforça a proteção ao Meio Ambiente
Geral
Motorista morre após o carro capotar e arremessa-lo para fora
Geral
Vídeo: Jovem é impedido de entrar no Wallmart por vestir short curto
Geral
Carlito Nahas, o “Papai”, morre de coronavírus
Geral
Eletricitários paralisam e exigem transparência de terceirizada da Energisa

Mais Lidas

Geral
"O corpo é o de menos”, diz jovem no Dia Nacional da Luta PCD
Geral
“Só sintomas leves”, diz Reinaldo ao JD1
Internacional
Vídeo: Mulher dança reggaeton sobre caixão do namorado
Vídeos
Vídeo: Pedagoga leva soco durante abordagem policial racista