Menu
Busca segunda, 13 de julho de 2020
(67) 99647-9098
TJMS julho20
Geral

Via-Sacra lembra trajetória de doentes no Hospital São Julião

07 abril 2012 - 12h08Fernando da Mata

Um paralelo entre os últimos instantes da vida de Jesus e a trajetória dos doentes. Desta maneira, trabalhadores e pacientes do Hospital São Julião, em Campo Grande, encenaram a Via-Sacra, na manhã desta Sexta-Feira da Paixão de Cristo (6).


Escrita por Lino Vilachá, poeta que ficou internado mais de 30 anos com hanseníase, a peça ‘do doente’ é encenada há 16 anos dentro da unidade hospitalar.

Desde que a obra começou a se encenada, quem organiza é o funcionário Bruno Maddalena, que também atua como músico durante a procissão.

“Cada estação da Via-Sacra faz comparação com momentos da recuperação da saúde do doente. Isso cria reflexão importante dentro do hospital e contribuiu para os funcionários e, principalmente, pacientes”.

No momento em que Jesus é condenado à morte, por exemplo, o escritor fez a comparação com a dor que alguém sente quando recebe a notícia de que está doente e precisa se tratar. Seguindo adiante, o paciente carrega a cruz do tratamento com quedas pelo caminho e se deparando com aflições de familiares e amigos.

Quando Jesus morre, paralelo com os doentes que são abandonados, esquecidos e até considerados mortos por parentes.

O capelão do São Julião, Frei Wanderley Gomes de Figueiredo, enfatizou que a encenação da Via-Sacra tem tudo a ver com a história do hospital.

“Além do sofrimento e abandono dos doentes, lembra também a solidariedade de Deus, que se compadece dos sofredores deste mundo. Olhando o sofrimento de Cristo, vivemos de maneira melhor nossos sofrimentos, sem desespero ou revolta”, afirmou o padre.

A Via-Sacra foi acompanhada também por parentes dos doentes, moradores dos bairros próximos e pessoas de outros lugares. Uma delas é o servidor público Odair Garcia da Silva, 47 anos, que considera importante a reflexão que a Paixão de Cristo proporciona.

“Tantas pessoas reclamam da vida. Ver a Via-Sacra dói e emociona, mas traz a gente à realidade, para tentar melhorar. Hoje, nós abandonamos as pessoas, principalmente os idosos e enfermos. Então temos que tirar Jesus da cruz e a única forma é ajudando o próximo”, relatou Silva.

Voluntário no São Julião, o estudante Junior Fernando Cruz de Souza, 16, destacou que os pacientes gostam de participar. “Eles se integram e se sentem até melhor”.

O Hospital São Julião é referência no tratamento de hanseníase, de doenças infectocontagiosas (como aids e tuberculose) e em cirurgias oftalmológicas (incluindo transplante de córnea). Atualmente, a unidade abriga cerca de 80 pacientes internos.

Via Campograndenews

PMCG Refis

Deixe seu Comentário

Leia Também

Geral
Caixa paga 1ª parcela do auxílio emergencial para aprovados em junho
Geral
Procon-MS encontra raio-X a R$ 11 em clínica e a R$ 110 na Ultramedical
Geral
Jovem morre após ser arremessada de veículo durante acidente
Geral
Bloqueio na Bolívia continua e fila de caminhões aumenta na Bioceânica
Geral
Emponderamento que chama? Mulher soca homem que a chamou de delícia
Geral
Mega-Sena não tem ganhador e acumula em R$ 44 milhões
Geral
Famosa, naja que picou estudante ganha ensaio e vira meme na web
Geral
“Imagem de Jesus” é encontrada em tronco de árvore podado no interior
Geral
Mega-Sena pode pagar R$ 40 milhões neste sábado
Geral
“Desafio é permanente”, diz Riedel sobre decisões na pandemia

Mais Lidas

Polícia
Pai mata filho a facada durante briga, espera polícia e se entrega
Polícia
Suspeito de matar Marielle é indiciado por tráfico de armas
Geral
Caixa paga 1ª parcela do auxílio emergencial para aprovados em junho
Polícia
Vídeo mostra homem afirmando que mataria cinco e depois se mataria