Menu
Busca quarta, 22 de maio de 2019
(67) 99647-9098
Geral

Vídeo - Assoreamento causa desespero na região do rio Taquari

Ribeirinhos e produtores rurais dependem do rio para chegar até Corumbá, a cidade mais próxima

09 janeiro 2019 - 15h58Da redação

O assoreamento do rio Taquari é um problema que vem se alastrando há quase três décadas e chegou a um nível “crítico”, é o que diz o presidente do SOS Taquari, Everton José, 37 anos.

Everton procurou o JD1 Notícias para relatar o sofrimento que a população do baixo Taquari, região que abrange aproximadamente 150 km do rio, sofre. “Mais de 200 famílias moram nessa região e dependem do rio para tudo”, disse Everton ao contar o que está acontecendo por lá.

O presidente do SOS é lancheiro, ele transporta produtos e pessoas da comunidade ribeirinha para a cidade mais próxima, Corumbá. A viagem que antes fazia em 12 horas, hoje dura até quatro dias. “São 60 centímetros de profundidade que tenho para passar com minha lancha, são dias de viagem e luta, com empenho até dos passageiros que descem da embarcação para ajudar a empurrar e abrir caminho tirando a areia da frente”, conta. Ele enviou um vídeo que mostra como é toda a viagem até chegar à região, veja:

O problema atinge também os produtores rurais, já que eles dependem do rio para o transporte de gado e produtos produzidos em suas fazendas. Luciano Leite de Barros, 59 anos, proprietário de uma fazenda da região, conta que depende do trânsito das lanchas e com o assoreamento, o número de embarcações disponíveis diminuiu, já que não são todas que conseguem passar, resultando no aumento do frete. “Eu dependo do transporte para trazer produtos para a fazenda e também levar produtos da minha propriedade para comércio na cidade”, relatou.

Luciano conta que o rio, dependendo da altura, torna-se o único caminho para o transporte até a cidade. “Não tem estrada, porque de um lado é o Rio Paraguai, do outro é o Taquari e por causa do assoreamento, o rio está mandando água para fora, está tudo alagado”, relata.

A solução, segundo o produtor, seria o desassoreamento das partes críticas do rio, por parte do poder público. “Só tirando a areia e jogando no barranco, as embarcações poderão circular”, relatou ao lembrar que em anos anteriores, nunca houve um problema tão grave.

Confira algumas imagens cedidas ao JD1:

Fac Feijoada 2019

Deixe seu Comentário

Leia Também

Geral
Após pane em sistema do Detran, atendimento é normalizado
Geral
Parque dos Poderes será interditado no domingo para TAF
Geral
Facebook apaga fake news e contas de extrema-direita
Geral
Raviera lança BMW Z4 hoje na capital
Geral
Agnaldo Timóteo é internado após sofrer um AVC
Geral
Concessionárias poderão ser proibidas de cortar serviços nas sextas-feiras
Geral
Com design de Scalise, Grous Bar será inaugurado quinta-feira
Geral
“Toda manifestação é democrática”, diz Coronel David
Geral
Com falha no sistema, serviços do Detran-MS estão interrompidos
Geral
Prefeitura convoca selecionados em estágio para prova objetiva

Mais Lidas

Internacional
Peão de MS vence rodeio nos EUA
Polícia
Com quatro tiros na cabeça, adolescente morre em escola
Economia
No “Dia Livre de Impostos”, capital terá cerveja com metade do preço
Polícia
Operação no camelódromo termina com um preso e motos apreendidas