Menu
Busca segunda, 18 de março de 2019
(67) 99647-9098
Geral

Vídeo - Assoreamento causa desespero na região do rio Taquari

Ribeirinhos e produtores rurais dependem do rio para chegar até Corumbá, a cidade mais próxima

09 janeiro 2019 - 15h58Da redação

O assoreamento do rio Taquari é um problema que vem se alastrando há quase três décadas e chegou a um nível “crítico”, é o que diz o presidente do SOS Taquari, Everton José, 37 anos.

Everton procurou o JD1 Notícias para relatar o sofrimento que a população do baixo Taquari, região que abrange aproximadamente 150 km do rio, sofre. “Mais de 200 famílias moram nessa região e dependem do rio para tudo”, disse Everton ao contar o que está acontecendo por lá.

O presidente do SOS é lancheiro, ele transporta produtos e pessoas da comunidade ribeirinha para a cidade mais próxima, Corumbá. A viagem que antes fazia em 12 horas, hoje dura até quatro dias. “São 60 centímetros de profundidade que tenho para passar com minha lancha, são dias de viagem e luta, com empenho até dos passageiros que descem da embarcação para ajudar a empurrar e abrir caminho tirando a areia da frente”, conta. Ele enviou um vídeo que mostra como é toda a viagem até chegar à região, veja:

O problema atinge também os produtores rurais, já que eles dependem do rio para o transporte de gado e produtos produzidos em suas fazendas. Luciano Leite de Barros, 59 anos, proprietário de uma fazenda da região, conta que depende do trânsito das lanchas e com o assoreamento, o número de embarcações disponíveis diminuiu, já que não são todas que conseguem passar, resultando no aumento do frete. “Eu dependo do transporte para trazer produtos para a fazenda e também levar produtos da minha propriedade para comércio na cidade”, relatou.

Luciano conta que o rio, dependendo da altura, torna-se o único caminho para o transporte até a cidade. “Não tem estrada, porque de um lado é o Rio Paraguai, do outro é o Taquari e por causa do assoreamento, o rio está mandando água para fora, está tudo alagado”, relata.

A solução, segundo o produtor, seria o desassoreamento das partes críticas do rio, por parte do poder público. “Só tirando a areia e jogando no barranco, as embarcações poderão circular”, relatou ao lembrar que em anos anteriores, nunca houve um problema tão grave.

Confira algumas imagens cedidas ao JD1:

Sesc Novo

Deixe seu Comentário

Leia Também

Geral
Mais de três toneladas de materiais são recolhidos em ação contra o aedes
Geral
Estado “bate o martelo” e oito horas volta em 1º de julho
Geral
IEL e Sesi fazem parceria para atender empresa
Geral
PDV chega amanhã à Assembleia; Conheça os detalhes
Geral
Grupo vai às ruas em protesto contra assassinato de mulheres
Geral
Irmã do deputado Barbosinha morre aos 74 anos
Geral
Fazendeiro morre após bater moto contra placa de sinalização
Geral
Reinaldo assume compromisso de asfaltar toda a cidade de Paranhos
Geral
Em entrevista, Marun fala sobre reforma da Previdência
Geral
Microempreendedores são dispensados de pagar alguns tributos em MS

Mais Lidas

Polícia
Mistério: adolescentes desaparecem a caminho da escola
Polícia
Homem mata ex-esposa com golpes de machadinha
Polícia
Menina de dez anos se mata com arma do pai, em São Paulo
Polícia
Sul-mato-grossense e namorado morrem em acidente em Porto Alegre