Menu
Busca sábado, 24 de agosto de 2019
(67) 99647-9098
Geral

Vídeo - Assoreamento causa desespero na região do rio Taquari

Ribeirinhos e produtores rurais dependem do rio para chegar até Corumbá, a cidade mais próxima

09 janeiro 2019 - 15h58Da redação

O assoreamento do rio Taquari é um problema que vem se alastrando há quase três décadas e chegou a um nível “crítico”, é o que diz o presidente do SOS Taquari, Everton José, 37 anos.

Everton procurou o JD1 Notícias para relatar o sofrimento que a população do baixo Taquari, região que abrange aproximadamente 150 km do rio, sofre. “Mais de 200 famílias moram nessa região e dependem do rio para tudo”, disse Everton ao contar o que está acontecendo por lá.

O presidente do SOS é lancheiro, ele transporta produtos e pessoas da comunidade ribeirinha para a cidade mais próxima, Corumbá. A viagem que antes fazia em 12 horas, hoje dura até quatro dias. “São 60 centímetros de profundidade que tenho para passar com minha lancha, são dias de viagem e luta, com empenho até dos passageiros que descem da embarcação para ajudar a empurrar e abrir caminho tirando a areia da frente”, conta. Ele enviou um vídeo que mostra como é toda a viagem até chegar à região, veja:

O problema atinge também os produtores rurais, já que eles dependem do rio para o transporte de gado e produtos produzidos em suas fazendas. Luciano Leite de Barros, 59 anos, proprietário de uma fazenda da região, conta que depende do trânsito das lanchas e com o assoreamento, o número de embarcações disponíveis diminuiu, já que não são todas que conseguem passar, resultando no aumento do frete. “Eu dependo do transporte para trazer produtos para a fazenda e também levar produtos da minha propriedade para comércio na cidade”, relatou.

Luciano conta que o rio, dependendo da altura, torna-se o único caminho para o transporte até a cidade. “Não tem estrada, porque de um lado é o Rio Paraguai, do outro é o Taquari e por causa do assoreamento, o rio está mandando água para fora, está tudo alagado”, relata.

A solução, segundo o produtor, seria o desassoreamento das partes críticas do rio, por parte do poder público. “Só tirando a areia e jogando no barranco, as embarcações poderão circular”, relatou ao lembrar que em anos anteriores, nunca houve um problema tão grave.

Confira algumas imagens cedidas ao JD1:

Deixe seu Comentário

Leia Também

Geral
Vídeo – Incêndio no Parque dos Poderes
Geral
Confira o que abre e fecha neste feriadão
Geral
Emha recebe prêmio nacional de habitação em Foz do Iguaçu
Geral
Fácil do Aero Rancho passa por reforma e Águas Guariroba reduz atendimento
Geral
Onça é flagrada em rodovia e assusta motociclista
Geral
MS comandará Fórum Nacional de Esportes
Geral
Último dia para recadastramento bancário de servidores nascidos em março/abril
Geral
Vídeo - Temporal e grazino destroem casas e derruba energia no estado
Geral
Aeroporto atua normalmente nesta manhã sem cancelamentos e atrasos
Geral
Sidrolândia proíbe fogos de artifícios de efeitos sonoros

Mais Lidas

Polícia
Família encontra jovem morto e suspeita é de suicídio
Polícia
Polícia apresenta acusado de estupro e roubo no Jardim Carioca
Polícia
Confusão em tabacaria da Moreninha termina em morte
Polícia
Rapaz é contatado por aplicativo para fazer corrida e desaparece