Menu
Busca sexta, 25 de setembro de 2020
(67) 99647-9098
TJMS setembro20
Justiça

Justiça - Empresa de formatura terá que indenizar acadêmica coagida

Funcionário mostrou uma tesoura para vítima alegando que cortaria o álbum caso ela não o comprasse

12 maio 2020 - 13h54Flávio Veras

A 2ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul (TJMS) determinou indenização de R$ 10 mil para um dentista após ser coagida por uma empresa, que tirou as fotografias de sua formatura, a comparar o álbum de formatura. Segundo o órgão, o representante da Brasil Trading Fotografias teria mostrado uma tesoura, demonstrando que se a cliente não adquirisse o material seria cortado.

Ainda conforme o Judiciário, em sua defesa, a ré afirmou que inexistiu qualquer abusividade ou ato ilícito de sua parte, sendo que, ao ser questionado pela autora sobre o que aconteceria com suas fotos caso não aceitasse pagar os valores informados, o representante da empresa demonstrou como se dava o processo de reciclagem, cortando uma foto de um terceiro que havia autorizado o descarte. Com isto, pleiteou pela total improcedência da ação.

Já a autora ingressou no processo afirmando que contratou os serviços para organizar a formatura da turma e fornecer os serviços de foto e filmagem dos eventos realizados. “Relata que, quando o vendedor lhe procurou para vender o álbum, teria adotado conduta abusiva já que, como forma de lhe inibir e pressionar psicologicamente, teria retirado uma tesoura de sua mochila e ameaçado inutilizar o álbum caso não fosse adquirido naquele instante”, diz o TJMS.

Diante da recusa da apelante por não possuir a quantia em dinheiro suficiente, o vendedor levantou-se e passou a cortar fotos do álbum na sua frente. Para o relator do recurso, Des. Fernando Mauro Moreira Marinho, restou comprovado o ato ilícito, com o constrangimento da formanda. Ressalta que não se pode aceitar que, no intuito de realizar ou cobrar dívidas, o fornecedor empregue quaisquer meios abusivos ou constrangedores, como preconizado pelo Código de Defesa do Consumidor.

“Em suma, diante da prova irrefutável da atitude do vendedor perante a consumidora, necessário compreender-se que restou plenamente caracterizada a conduta abusiva da requerida/fornecedora ao tentar vender seus produtos, de forma que plenamente cabível a indenização por danos morais, que tem função preventiva, compensatória e punitiva”, proferiu o desembargador.

A formanda também solicitou no recurso que a empresa ré entregasse o material de fotografia e filmagem, o que foi garantido no recurso de apelação, junto com o valor de indenização, a título de danos morais, no valor de R$ 10 mil.

A decisão foi unânime e realizada pelos desembargadores da 2ª Câmara Cível do TJMS, em sessão permanente e virtual.

Rota do Pantanal

Deixe seu Comentário

Leia Também

Justiça
McDonalds indeniza cliente em R$ 10 mil por produto vencido
Justiça
"Houve uma conspiração", alega advogado de Flordelis
Justiça
Candidatos à eleição podem tirar certidões on-line pelo TJMS
Justiça
Espaço de eventos indenizará em R$ 20 mil casal por falta de água durante casamento
Justiça
Anhanguera deverá indenizar ex-aluna por cobrança indevida
Justiça
Ministério Público move ação contra contrato do Consórcio Guaicurus
Justiça
Mutirão DPVAT: 1.787 processos podem ser finalizados em 2020
Justiça
Judiciário retoma gradativamente as atividades presenciais nesta terça
Justiça
Juiz ouve testemunhas de acusação do assassinato de Carla nesta terça
Justiça
Justiça proíbe Globo de divulgar detalhes da investigação de Flávio Bolsonaro

Mais Lidas

Internacional
Projeto piloto usa cães para detectar coronavírus em aeroporto
Polícia
Homem é encontrado morto dentro de casa com tiro no pescoço no Itamaracá
Polícia
Preso suspeito de estuprar e matar mulher perto do Aeroporto Internacioal
Polícia
Rapaz é morto após troca de tiros com o atual marido da ex-mulher