Menu
Busca sábado, 16 de janeiro de 2021
(67) 99647-9098
Governo Futebol
Justiça

Luísa Sonza é processada por suposto ato racista e nega as acusações

"Gente, tudo isso é MENTIRA! Não acreditem nisso! Eu jamais teria esse tipo de atitude", diz a cantora em suas redes sociais

25 dezembro 2020 - 10h54Brenda Assis, com informações Extra

A cantora e compositora Luísa Sonza está sendo processada por um suposto ato racista cometido em setembro de 2018, durante um festival gastronômico na Pousada Zé Maria, em Fernando de Noronha (PE).

Segundo Extra, a autora da ação, Isabel Macedo de Jesus, alega que, à época, a artista a teria agredido fisicamente com um tapa no braço e mandado que ela lhe servisse água. A cantora nega e diz se tratar de uma “mentira”.

O processo tramita no Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, na 19ª Vara Cível. Isabel Macedo pede R$ 10 mil de indenização por danos morais para Luísa e para a Pousada Zé Maria, assim como retratação pública e a "fixação de cartazes informativos sobre a proibição de práticas racistas no interior do restaurante, a título de medida educativa".

"Ocorre que, durante o festival, houve uma apresentação musical da Primeira Ré (Luísa Sonza), estando a autora (Isabel) em uma mesa próxima ao palco onde a artista se apresentava. Todavia, ao passar pela cantora, enquanto se dirigia ao banheiro, a Autora foi agredida com um tapa no braço pela Primeira Ré e ordenada em tom ríspido a providenciar um copo d'água", diz um trecho do documento.

Segundo o processo, Isabel não entendeu o que estava acontecendo e pediu para que Luísa repetisse, pois “não havia compreendido a abordagem”. Foi quando a artista, novamente, “em tom ríspido”, ordenou que Macedo buscasse um copo de água, pois estava com sede.

“Estarrecida, a Autora ainda se deu ao trabalho de lhe explicar que era uma cliente do estabelecimento e não funcionária do local, como se não fosse crível que uma mulher negra pudesse estar naquele restaurante na qualidade de cliente", justifica o processo.

Ainda de acordo com o texto, Isabel pontua que todos os funcionários da pousada estavam uniformizados, o que eliminaria as chances de um possível equívoco. Com isso, a autora, voltou a questionar Sonza. 

"Ao ser indagada por qual motivo acreditou que a Autora fosse funcionária do local, uma vez que todos os funcionários estavam uniformizados, a Primeira Ré [Luísa] se esquivou, não deixando dúvidas que sabia que havia feito um julgamento preconceituoso em razão dos traços raciais da Autora."

Luísa Sonza nega a acusação

Nas redes sociais, Luísa Sonza falou sobre a acusação, negando o ocorrido. “Gente, tudo isso é MENTIRA! Não acreditem nisso! Eu jamais teria esse tipo de atitude. Vocês me conhecem bem, sabem qual é meu caráter, minha índole. Eu jamais ofenderia outra pessoa por conta da cor de sua pele. Jamais! Essa acusação é absurda”, disse ela no Twitter. “Minha equipe já está tomando todas as providências jurídicas quanto ao caso”, completou.

 

 

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

Justiça
Eleitor tem até esta semana para justificar ausência no 1º turno
Justiça
Dois anos depois, ex-diretor do Hospital Regional é inocentado
Justiça
Sem provas, MPE inocenta Jamil Name e conselheiro do TCE da morte de delegado
Justiça
Consórcio Guaicurus terá que pagar R$ 10 mil a idosa que se machucou no ônibus
Justiça
Empresária acusada de racismo paga R$ 10 mil e "se livra" da cadeia
Justiça
STF decide que amante não tem direito de dividir pensão com viúva
Justiça
Advogados peticionam contra "lentidão" no TJ, que se diz "surpreso"
Justiça
Vice-presidente do TJMS recebe homenagem no COPEJE
Justiça
Assassino do menino Kauan deve pagar R$ 100 mil a outra vítima de abusos
Justiça
Corregedoria Geral de Justiça lança novo Código de Normas

Mais Lidas

Polícia
Jacaré é capturado dando 'rolê' em cidade de MS
Internacional
Estados Unidos inicia vacinação contra a Covid-19 em Nova York
Polícia
Morador de rua tenta matar desafeto a pauladas no interior do Estado
Polícia
Briga por capacete acaba em tentativa de homicídio