Menu
Busca sexta, 23 de abril de 2021
(67) 99647-9098
Governo Balada - topo - abril21
Justiça

Ministro do STF rejeita ação de Bolsonaro contra restrições por covid-19

Marco Aurélio reforçou que União, estados e municípios são responsáveis por ações de combate à pandemia

23 março 2021 - 16h35Matheus Rondon

O ministro Marco Aurélio Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), rejeitou nesta terça-feira (23) o prosseguimento de uma ação aberta pelo presidente Jair Bolsonaro contra decretos da Bahia, do Distrito Federal e do Rio Grande do Sul que impuseram medidas restritivas para conter o avanço da covid-19.

A ação direta de inconstitucionalidade (ADI) em questão foi protocolada na sexta-feira, às 23h03, diretamente pela Presidência da República. A petição inicial é assinada unicamente pelo presidente. As informação são da Agência Brasil.

Sorteado ontem (22) como relator, Marco Aurélio afirmou que a ação não poderia ser aceita por ter "erro grosseiro", impossível de ser corrigido, pois a petição inicial não veio assinada pela Advocacia-Geral da União (AGU). "O Chefe do Executivo personifica a União, atribuindo-se ao Advogado-Geral a representação judicial, a prática de atos em Juízo", escreveu o ministro.

No despacho de quatro páginas, Marco Aurélio ressaltou que o próprio Supremo já decidiu sobre o poder de estados e municípios, junto com a União, implementarem medidas de combate à pandemia de covid-19. "Ante os ares democráticos vivenciados, imprópria, a todos os títulos, é a visão totalitária. Ao Presidente da República cabe a liderança maior, a coordenação de esforços visando o bem-estar dos brasileiros", afirmou o ministro.

Na peça, o presidente Jair Bolsonaro pede que um decreto do DF, um da BA e dois do RS sejam declarados “desproporcionais” e derrubados por liminar (decisão provisória), “a fim de assegurar os valores sociais da livre iniciativa e a liberdade de locomoção”. As normas impõem toques de recolher e fechamento de comércio e serviços não essenciais, por exemplo.

Bolsonaro argumentou que a restrição à circulação só é possível se quem for alvo da medida estiver de fato doente ou com suspeita de doença, não sendo possível “vedações genéricas à locomoção de pessoas presumidamente saudáveis”. Ele também alegou que o fechamento de atividades não essenciais na pandemia não pode ser feito por decreto pelos governantes, mas somente por lei formal aprovada no Legislativo. 

Os decretos estaduais e o distrital foram editados com a justificativa de conter a disseminação da covid-19, num momento de alta expressiva nos números da pandemia. De acordo com a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), a média móvel de mortes atual é de 2.087 por dia, o dobro do observado há um mês (1.036 óbitos).

APP JD1_android

Deixe seu Comentário

Leia Também

Justiça
Em dezembro, a primeira conversa para Fahd se entregar
Justiça
Juiz determina que perícia em Fahd seja realizada em até 5 dias
Justiça
Fahd Jamil passará por audiência de custódia hoje
Justiça
Gaeco investiga fraude na compra de materiais de limpeza na rede de educação
Justiça
Jamilson quer pai solto se Fadh ganhar liberdade por questões de saúde
Justiça
AO VIVO: Tudo sobre a prisão de Fahd Jamil
Justiça
Ministério Público irá fiscalizar suspensão de cirurgias eletivas na capital
Justiça
CPI da Pandemia investigará governo e repasses a estados
Justiça
TJMS anula proibição de condomínio para animal de grande porte
Justiça
Decretos sobre armas que entrariam em vigor nesta terça são anulados no STF

Mais Lidas

Polícia
Jacaré é capturado dando 'rolê' em cidade de MS
Internacional
Estados Unidos inicia vacinação contra a Covid-19 em Nova York
Polícia
Morador de rua tenta matar desafeto a pauladas no interior do Estado
Polícia
Briga por capacete acaba em tentativa de homicídio