Menu
Busca quinta, 09 de julho de 2020
(67) 99647-9098
TJMS julho20
Justiça

MP "vai pra cima" da Energisa contra liminar que suspendeu perícia

Parecer foi enviado à Justiça nesta semana na mesma linha da CPI

26 junho 2020 - 17h45Gabriel Neves

O Ministério Público entrou com um parecer no Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul (TJMS), no processo que integra a CPI da Energisa, pedindo a derrubada da liminar que impedia a pericia de 200 aparelhos medidores de energia da concessionária de energia elétrica do estado.

Como consta no parecer, o pedido foi feito após a Energisa alegar que a pericia só poderia ser realizada por laboratórios credenciados pelo Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro), sustentando que o não credenciamento não retira a capacidade técnica do laboratório em realizar e perícia.

“Só o fato de não ser credenciada pelo INMETRO não significa, em absoluto, que a unidade laboratorial referida se enuncie carente de capacidade científica para a realização da atividade pericial”, descreve o parecer.

Com isso o MP pede a rejeição da liminar deferida à concessionária, “De todo o exposto, o Ministério Público do Estado de Mato Grosso do Sul, por intermédio de seu Procurador-geral Adjunto de Justiça Jurídico, manifesta -se pela rejeição da preliminar suscitada pela Autoridade Impetrada”.

O parecer foi adicionado no processo na ultima quarta-feira (24) e conta com 22 páginas assinadas pelo Procurador- Geral Adjunto de Just iça Jurídico, Humberto De Matos Brittes.

Resposta da Energisa

A Energisa reitera que não é contra a perícia, mas que ainda não foi comprovado nem pela USP São Carlos nem pela CPI que o laboratório é acreditado no Inmetro - órgão que atesta a capacitação para manipular os medidores das distribuidoras de energia elétrica conforme leis brasileiras.

Desta forma, o laudo analisado pela CPI sem acreditação do INMETRO seria apenas convencional, sem valor técnico e legal, o que traria necessidade de um segundo laudo conforme leis metrológicas, e consequentemente mais custos para toda a sociedade.

As acreditações solicitadas pela concessionária são estritamente necessárias para garantir que o processo seja transparente, seguindo os procedimentos metrológicos definidos pelo Inmetro. Sem essa clareza, os testes apresentados podem ser inconclusivos, o que representaria um desperdício de recurso público.

Entenda

A pericia nos 200 aparelhos seria realizada pelo laboratório de São Carlos, da Universidade de São Paulo (USP), mas foi barrada após um recurso encaminhado pela concessionária alegando que a perícia só poderia ser realizada por laboratórios credenciados pelo Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro).

O parecer feito pelo ministério público barra essa liminar deferida em favor da Energisa, de acordo com a assessoria do presidente da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que investiga a Energisa, deputado Felipe Orro (PSDB), agora é aguardado o despacho do desembargador, para manter ou derrubar a liminar.

 

PMCG Refis

Deixe seu Comentário

Leia Também

Justiça
Estácio pagará R$ 194 mil por contratos abusivos e cobranças indevidas
Justiça
Estado seguirá TAC que disciplina licitações de informática
Justiça
TJ faz alerta sobre pandemia em MS
Justiça
TJMS diz que é inconstitucional nome e atribuição de polícia a Guarda da capital
Justiça
Hospital proíbe acompanhantes durante parto, mas Defensoria recorre e reestabelece o direito
Justiça
Aposentadoria computa tempo de trabalho infantil
Justiça
TJ libera 324 milhões durante pandemia e ajuda economia de MS
Justiça
Justiça concede foro especial a Flávio Bolsonaro no caso das “rachadinhas”
Justiça
Justiça proibe tios de visitar sobrinho durante a pandemia
Justiça
Relações trabalhistas mudarão após pandemia, diz advogado

Mais Lidas

Entrevista
AO VIVO – Por que a respiração pode atrapalhar no emagrecimento?
Geral
AO VIVO - V12 e DJ Marcelo Natureza tocam as mais pedidas pelo público
Saúde
Prefeitura garante R$ 9,5 milhões para a Santa Casa
Política
“Estou bem melhor”, diz Paulo Corrêa