Menu
Busca quinta, 06 de agosto de 2020
(67) 99647-9098
Justiça

Odilon culpa Governo Federal por “fuga” do MPF de Ponta Porã

De acordo com o juiz "O Governo Federal virou as costas para os procuradores da República"

15 janeiro 2020 - 10h30Sarah Chaves, com informações da assessoria

O juiz federal aposentado Odilon de Oliveira, criticou a segurança disponibilizada pelo Governo Federal aos agentes do Ministério Público Federal (MPF), após uma das unidades da União sair de Ponta Porã por conta do aumento da violência na região.

A atitude do MPF gerou controvérsia, e foi duramente criticada pela Associação Nacional dos Juízes Federais do Brasil (Ajufe) e a OAB. Porém de acordo com Odilon que atuou por anos na fronteira e foi vítima de ameaças dos narcotraficantes, a falta de segurança que levou à saída do MPF da fronteira “é culpa do governo”.

O juiz comentou que os procuradores trabalhavam sem a devida segurança. "O governo federal virou as costas para os procuradores da República. É evidente que o intenso exercício das atividades do MPF na fronteira, na área criminal, causa risco. Conheço, de perto, a dedicação dos procuradores e é evidente que sua ausência fará falta em Ponta Porã. O que a sociedade e as instituições devem culpar é a União, extremamente omissa com relação à segurança dos membros do MPF na fronteira. Infelizmente, vivi na pele e conheço bem a situação", avaliou.

"Quem combate ao crime organizado, como os integrantes do Ministério Público Federal, não pode ser alvo de desleixo por quem tem o dever de lhe dar segurança. São mães, pais, irmãos, maridos, esposas, que saem para trabalhar com incertezas", comentou Odilon de Oliveira.

Ele ressalta que para o trabalho no órgão, algumas medidas são imprescindíveis. "Uma sede dotada de mecanismos de segurança, carro blindado, deslocamento com escolta e outras medidas são indispensáveis. Garanto que tudo isto foi reivindicado pelos Procuradores da República. Garanto também, e sem medo de errar, que a União, obrigada a tal, virou as costas, como é de sua rotina", ressalta Odilon.

Porém não era o que acontecia com a sede do MPF em Ponta Porã que era localizada em uma residência adaptada para a instalação do órgão público. De acordo com o Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP), também não havia espaço para segurança de bens patrimoniais e armas de fogo, podendo se tornar alvo fácil de ataques.

Odilon também contesta as críticas feitas pela Ajufe, e diz que as instituições deveriam apoiar a melhoria da segurança para os procuradores. "As instituições deveriam refletir melhor e reivindicar da União condições de segurança para o MPF na fronteira. Só criticar, com base em suposições, é fácil, ainda mais quando os críticos nunca estiveram na pele de quem corre risco", conclui Odilon de Oliveira.

O juiz Odilon aposentado em 2017 já foi ameaçado por traficantes e levou à união do PCC, CV e Jorge Raffat pela sua execução, e precisou de escolta, além de ficar longe da família, devido as constantes ameaças que recebia.

Vacinne

Deixe seu Comentário

Leia Também

Justiça
Justiça quer diálogo antes de decidir sobre “fechamento”
Justiça
MPF quer que Valdemiro pague indenização por falsa cura do coronavírus com feijões
Justiça
"Fecha ou não fecha", Justiça dá três dias para Marquinhos se posicionar
Justiça
TJ bate recorde em julho
Justiça
Para não "estimular" mais crimes, Justiça mantém condenação por furto de bicicleta
Justiça
Metalfrio é impedida de demissão coletiva sem negociação com sindicato
Justiça
TJ recua e só 'reabre' dia 23 de agosto
Justiça
MP diz que ação conjunta nas ruas já mostra resultados
Justiça
Casal consegue divórcio por Whatsapp no MS
Justiça
Por decisão do STF, contas de bolsonaristas no Twitter são retiradas do ar

Mais Lidas

Polícia
Vídeo - motociclista cai em bueiro após ser atingida por carro
Geral
Com Covid-19, delegado de MS é transferido para o hospital Albert Einstein em São Paulo
Geral
Serralheria Campo Grande pagará R$178.348,60 por lesar clientes
Polícia
Motociclista bate em placa de sinalização e morre em Campo Grande