Menu
Busca terça, 27 de outubro de 2020
(67) 99647-9098
Governo/Dengue
Justiça

Odilon culpa Governo Federal por “fuga” do MPF de Ponta Porã

De acordo com o juiz "O Governo Federal virou as costas para os procuradores da República"

15 janeiro 2020 - 10h30Sarah Chaves, com informações da assessoria

O juiz federal aposentado Odilon de Oliveira, criticou a segurança disponibilizada pelo Governo Federal aos agentes do Ministério Público Federal (MPF), após uma das unidades da União sair de Ponta Porã por conta do aumento da violência na região.

A atitude do MPF gerou controvérsia, e foi duramente criticada pela Associação Nacional dos Juízes Federais do Brasil (Ajufe) e a OAB. Porém de acordo com Odilon que atuou por anos na fronteira e foi vítima de ameaças dos narcotraficantes, a falta de segurança que levou à saída do MPF da fronteira “é culpa do governo”.

O juiz comentou que os procuradores trabalhavam sem a devida segurança. "O governo federal virou as costas para os procuradores da República. É evidente que o intenso exercício das atividades do MPF na fronteira, na área criminal, causa risco. Conheço, de perto, a dedicação dos procuradores e é evidente que sua ausência fará falta em Ponta Porã. O que a sociedade e as instituições devem culpar é a União, extremamente omissa com relação à segurança dos membros do MPF na fronteira. Infelizmente, vivi na pele e conheço bem a situação", avaliou.

"Quem combate ao crime organizado, como os integrantes do Ministério Público Federal, não pode ser alvo de desleixo por quem tem o dever de lhe dar segurança. São mães, pais, irmãos, maridos, esposas, que saem para trabalhar com incertezas", comentou Odilon de Oliveira.

Ele ressalta que para o trabalho no órgão, algumas medidas são imprescindíveis. "Uma sede dotada de mecanismos de segurança, carro blindado, deslocamento com escolta e outras medidas são indispensáveis. Garanto que tudo isto foi reivindicado pelos Procuradores da República. Garanto também, e sem medo de errar, que a União, obrigada a tal, virou as costas, como é de sua rotina", ressalta Odilon.

Porém não era o que acontecia com a sede do MPF em Ponta Porã que era localizada em uma residência adaptada para a instalação do órgão público. De acordo com o Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP), também não havia espaço para segurança de bens patrimoniais e armas de fogo, podendo se tornar alvo fácil de ataques.

Odilon também contesta as críticas feitas pela Ajufe, e diz que as instituições deveriam apoiar a melhoria da segurança para os procuradores. "As instituições deveriam refletir melhor e reivindicar da União condições de segurança para o MPF na fronteira. Só criticar, com base em suposições, é fácil, ainda mais quando os críticos nunca estiveram na pele de quem corre risco", conclui Odilon de Oliveira.

O juiz Odilon aposentado em 2017 já foi ameaçado por traficantes e levou à união do PCC, CV e Jorge Raffat pela sua execução, e precisou de escolta, além de ficar longe da família, devido as constantes ameaças que recebia.

CertFica

Deixe seu Comentário

Leia Também

Justiça
Andar de ônibus deve ficar mais caro nos próximos dias
Justiça
Funcionária de conveniência é multada em R$ 3 mil por vender vodka a adolescente
Justiça
Fachin julgará recurso de Reinaldo no STF
Justiça
Candidato do PSL terá que pagar multa e retirar vídeo do ar
Justiça
Em sessão "sofrida", MS ganha julgamento do gás boliviano
Justiça
Sobrinho que matou tio com 9 tiros será julgado nesta sexta-feira
Justiça
Dia D para MS, STF decide hoje sobre ICMS do gás
Justiça
Fort Atacadista indenizará mulher e filha por queda de produtos em cima da criança
Justiça
Carlos Contar é eleito presidente do TJ
Justiça
CNJ mantém afastamento da desembargadora Tânia Borges

Mais Lidas

Polícia
Dupla é presa com 1,7 toneladas de maconha
Economia
Hub logístico multiplicará investimentos em Porto Murtinho
Oportunidade
Funtrab oferece 21 vagas para vendedor pracista na capital
Política
Justiça impugna candidatura de Harfouche