Menu
Busca quarta, 13 de novembro de 2019
(67) 99647-9098
Governo - Festival America do Sul
Justiça

Policial que matou colega por ciúmes tem prisão preventiva decretada

Decisão é do juiz da 1ª vara criminal de Aquidauana

27 outubro 2019 - 14h20Sarah Chaves, com informações da assessoria

O juiz Giuliano Máximo Martins, da Vara Criminal de Aquidauana, decretou a prisão preventiva do soldado Izaque Leon Neves, 33 anos, acusado de matar o policial militar Juarandir Miranda.

Ciúmes da ex mulher seria o motivo do soldado Izaque assassinar com sete tiros o colega de farda Jurandir, na noite de quinta-feira (24), em uma lanchonete localizada na Rua Campo Grande, no Bairro Ovídio Campos, em Aquidauana. 

Conforme o boletim de ocorrência da Polícia Civil, a vítima chegou ao estabelecimento em sua moto e Izaque que era proprietário do estabelecimento e estava sentado em uma cadeira se levantou, sacou uma pistola da carga da Polícia Militar e desferiu 7 tiros contra o cabo.

Jurandir ainda estava em cima da moto quando foi atingido pelos primeiros disparos. 

A vítima chegou a ser socorrida, mas morreu momentos após dar entrada no hospital local.

A Polícia Civil apreendeu imagens de câmeras de segurança existentes em um comércio em frente a lanchonete de Izaque, que filmaram toda a ação e mostram que um outro policial militar testemunhou o crime, e teria sido ele quem tirou a arma do acusado e ainda o impediu de esganar a vítima. 
Em depoimento prestado na tarde de hoje na 1ª DP de Aquidauana, o policial confirmou os fatos e disse que não viu nenhuma arma com Jurandir no ato do crime.

O corpo do cabo Jurandir foi encaminhado para necrópsia, sendo que após a perícia foi liberado à família. As armas, utilizadas tanto pelo acusado como pela vítima, teriam sido recolhidas pelo comando local da Polícia Militar, que até o momento não as apresentou a Polícia Civil. Por este motivo, a Polícia Civil encaminhou ofício à corporação requisitando as armas para serem periciadas, no intuito de esclarecer se houve ou não troca de tiros.

Atribuição

Em manifestação favorável à decretação da prisão do acusado, o Ministério Público de Aquidauana foi categórico e afirmou ser atribuição da Polícia Civil a apuração do homicídio, já que tanto a vítima quanto o autor estavam de folga no momento do crime.

Athus Ingles

Deixe seu Comentário

Leia Também

Justiça
STF suspende uso da Taxa Referencial
Justiça
STJ confirma decisão do TJ-MS, em ação de 39 anos
Justiça
Desembargador Ruy Celso mantém milicianos presos
Justiça
Crianças terão espaço especial para testemunhar em tribunais
Justiça
Slimes com bórax é proibido no MS
Justiça
Defesa quer que Name Filho volte para a capital
Justiça
MPMS denuncia suspeitos de assassinar servidora com barra de ferro
Justiça
Em nota, Odilon diz que TRF-3 está “apenas verificando a regularidade”
Justiça
CCJ aprova PEC que torna feminicídio crime imprescritível
Justiça
Por 16 x 2, TRF-3 abre novo procedimento contra Odilon

Mais Lidas

Polícia
Homem morre após ser prensado por rolo compactador
Polícia
Idoso é preso após passar a mão nas partes íntimas de diarista
Polícia
Homem tem 80% do corpo queimado e morre a caminho do hospital
Brasil
Pesquisa revela que 84.20% são a favor da CPI da Energisa