Menu
Busca terça, 27 de julho de 2021
(67) 99647-9098
Senai - EAD_senai_graduação
Justiça

STF nega HC de Lula no caso do tríplex

O pedido de liberdade contestava uma decisão no ministro Felix Fischer

21 fevereiro 2019 - 11h58Da redação com informações da Agência Brasil

O ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), negou seguimento ao habeas corpus em que a defesa de Luiz Inácio Lula da Silva contestava uma decisão monocrática (individual) do ministro Felix Fischer, do Superior Tribunal de Jusitça (STJ), na qual foi rejeitado recurso especial do ex-presidente no caso do tríplex do Guarujá (SP).

Entre os argumentos, com os quais negou a tramitação do recurso especial no STJ, Fischer afirmou que, para verificar as diversas ilegalidades processuais suscitadas pela defesa de Lula, seria necessário reexaminar provas, o que não seria possível nas instâncias superiores, segundo escreveu.

Os advogados recorreram então ao STF, sustentando que Fischer não poderia rejeitar a apelação de forma individual, sendo necessário o exame do caso pelo colegiado competente, no caso a Quinta Turma do STJ, composta por cinco ministros.

Para Fachin, porém, a defesa não poderia entrar com habeas corpus no Supremo enquanto outra contestação da decisão de Fischer, um agravo regimental, não for analisada no próprio STJ, sob pena de haver supressão de instâncias.

Relator do caso no STF, Fachin também argumentou que o regimento interno do STJ “confere ao relator atribuição para negar trânsito a recurso especial que contrarie prévio entendimento firmado por aquele Tribunal”, motivo pelo qual Fischer não violou o princípio da colegialidade, segundo sustentava a defesa.

Ao negar seguimento ao HC, Fachin também afastou a possibilidade da concessão de uma liminar (decisão provisória) pedida pela defesa para que Lula fosse libertado.

Lula está preso na Superintendência da Polícia Federal (PF) em Curitiba desde 7 de abril do ano passado, quando começou a cumprir a pena de 12 anos e um mês imposta pelo Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4) no caso do tríplex do Guarujá (SP).

Neste mês, Lula foi alvo de uma segunda condenação na Lava Jato, desta vez a 12 anos e 11 meses, no caso do sítio em Atibaia, no interior de São Paulo. A responsável pela segunda sentença foi a juíza Gabriela Hardt, que substituía interinamente o juiz Sergio Moro na 13ª Vara Federal de Curitiba.

Vai di Vinho

Deixe seu Comentário

Leia Também

Justiça
STF quer esclarecimento sobre votação do fundo eleitoral
Justiça
INSS não pode interromper auxílio-doença sem nova perícia médica
Justiça
"Balcão Virtual" atendimento judiciário na sua mão
Justiça
Empresa de MS pode ser multada em R$ 1 milhão por não contratar pessoas com deficiência
Justiça
Jairinho é denunciado pelo Ministério Público por estupro e agressões
Justiça
TJ condena Olarte e Bernal, por não licitar cemitérios
Justiça
Paulo Pedra e Igreja "Palácio de Deus" terão que reformar imóvel
Justiça
Contra 'fundão' eleitoral de R$ 5,7 bilhões, parlamentares acionam STF
Justiça
STJ nega pedido de Habeas Corpus de DJ Ivis
Justiça
Resultado final para o Programa Residência Judicial é divulgado

Mais Lidas

Polícia
Homem enforca familiar após piada com derrota do São Paulo para o Flamengo
Polícia
Nem após cometer suicídio jovem escapa de assalto no Jardim Noroeste
Cidade
Foi selecionado? Prefeitura convoca aprovados em dois processos
Geral
Homem fuma maconha, escala montanha e cai de altura de 12 metros; veja vídeo