Menu
Menu
Busca segunda, 22 de abril de 2024
Opinião

A hora e a vez da segurança pública

25 outubro 2014 - 00h00Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves
Os dois candidatos à presidência da República prometem medidas federais para melhorar a segurança pública, que hoje se constitui num dos mais graves problemas do país. Governos fracos e políticas equivocadas nos trouxeram ao estado de guerra civil em que hoje vivemos. O cidadão é acuado dentro de sua casa ou no local de trabalho, cercado por insuficientes sistemas de grades e dispositivos eletrônicos de segurança. Quando sai à rua é presa fácil dos facínoras que assaltam nos cruzamentos, seqüestram na saída de bancos e cometem toda sorte de atrocidades. Nem mesmo o antes sonhado interior está a salvo, pois seus caixas eletrônicos são explodidos tanto quanto os das capitais, suas pequenas unidades policiais são metralhadas e as propriedades rurais frequentemente saqueadas.

Anos e anos de leniência, permissividade e experiências desastrosas – muitas delas erroneamente atribuídas ao restabelecimento da democracia - minaram o poder da autoridade e propiciaram o surgimento e crescimento das facções do crime organizado que diariamente se confronta com o Estado. No governo FHC rolaram propostas de verdadeira desconstrução do poder de polícia como, por exemplo, a eliminação da Justiça Militar. Os candidatos ao Executivo precisam entender que não basta destinar mais recursos ou fazer propaganda. A segurança pública precisa de uma reengenharia completa para funcionar e atender às necessidades do Brasil contemporâneo.

Não bastará aumentar o poder repressivo. É preciso desenvolver políticas preventivas ao crime, executar o devido apenamento (e cumprimento efetivo da pena) quando o crime já ocorreu, e dar oportunidades reais de recuperação ao apenado quando este estiver recolhido ao sistema prisional, que não pode, jamais se parecer com um depósito de homens e mulheres marginalizados.

É uma obra de grande porte que depende do engajamento dos governos, do parlamento, do judiciário e da própria sociedade. Há que se reformar estruturas, conceitos e legislações. Na parte específica das polícias, os governos precisam encontrar uma fórmula de remuneração adequada para evitar que o policial seja obrigado a complementar sua renda fazendo bico, mesmo que seja o bico oficial, hoje chamado função delegada. Esse profissional, que atua numa área crítica e de alto risco, tem de ganhar o suficiente para ter vida normal, dedicação exclusiva e treinamento adequado para a sua nobre missão...

Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves - dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo)

Reportar Erro

Deixe seu Comentário

Leia Também

Rogerio Zanetti
Opinião
OPINIÃO: Jornalista Sérgio Neves morreu na fila de transplante
Delcídio do Amaral, ex-senador e ex-ministro
Opinião
OPINIÃO: 10 anos de Lava Jato: Reflexões de Delcídio do Amaral
Fábio Marchi - Jornalista
Opinião
OPINIÃO: Os bebês que sobrevivem
Urandir Fernandes de Oliveira, empresário, pesquisador e CEO de Dakila
Opinião
OPINIÃO: A cidade perdida Z, ou mito Eldorado, descoberta por um instituto de Mato Grosso do Sul
OPINIÃO: DE MONTEVIDÉU AO CHUÍ, ENCONTRANDO O ESCULTOR
Opinião
OPINIÃO: DE MONTEVIDÉU AO CHUÍ, ENCONTRANDO O ESCULTOR
Rafael Antonio Scaini e Muriel Arantes Machado
Opinião
OPINIÃO: Ato cooperativo na recuperação judicial
Pedrinho Feitosa, jornalista e presidente da Executiva Municipal e Coordenador Político do PRD regional
Opinião
Opinião - Na casa da mãe Joana, quem manda é Tereza

Mais Lidas

AGORA: Capitão do Batalhão de Choque morre na Capital
Polícia
AGORA: Capitão do Batalhão de Choque morre na Capital
Emocionados, vários miliares acompanharam o velório do Capitão
Polícia
Velório de Capitão do Choque arrancou lágrimas até dos mais "durões"
Capitão Leonardo Mense partiu durante a noite de sábado (21)
Polícia
'Imenso legado': Capitão Mense é homenageado por autoridades e instituições de MS
JD1TV: Mulher morre ao ser atropelada várias vezes pelo namorado na Capital
Polícia
JD1TV: Mulher morre ao ser atropelada várias vezes pelo namorado na Capital