Menu
Menu
Busca quarta, 17 de abril de 2024
TJMS Abril24
Opinião

Cegueira deliberada ou “Willful Blindness”

08 julho 2016 - 14h13Cezar José Maksoud

Tenho sido interrogado, frequentemente, por amigos, não afeitos a temas jurídicos, a respeito de expressões divulgadas, com insistência, na mídia, quando do noticiário da Operação “Lava Jato”:  Crimes do Colarinho Branco, Lavagem de Dinheiro, Propinas, Delação Premiada, Acordo de Leniência  e, principalmente, a chamada CEGUEIRA DELIBERADA.

Como o assunto é muito vasto, limito-me, nesta primeira abordagem, com simplicidade e clareza, tratar somente do título acima, - “Cegueira Deliberada”,- numa linguagem de fácil compreensão para os leigos, onde um animal – uma ave – é trazida à tona: a avestruz!

A avestruz, na iminência do perigo, encobre a cabeça, na areia do deserto, deixando todo o seu corpo exposto para fora,  pensando, assim, livrar-se de uma perseguição. É por isso que a Cegueira Deliberada é chamada também de “Teoria das Instruções da Avestruz”!

A pessoa, na “Cegueira Deliberada”, comporta-se como uma avestruz, que enterra sua cabeça na terra, para não tomar conhecimento do ilícito praticado. O indivíduo finge-se de bobo, em determinadas situações, cujas circunstâncias estão a indicar o cometimento de ato reprovável!

A Cegueira Deliberada contempla os casos em que, por exemplo, um indivíduo, ao fazer uma viagem, transporta, em seu veículo, uma caixa, a pedido de um suposto amigo, a fim de entregá-la, no término do percurso, em um determinado endereço. No trajeto, é abordado pela Polícia que, ao revistar o veículo, descobre, nada mais, nada menos do que – droga- , no conteúdo do embrulho!

Entra neste tema o caso de um candidato, em época de eleição, que recebe doações de determinada empresa para, financeiramente, atender sua campanha. Doação que é fruto de algum esquema de propina ou dos superfaturamentos que infestam as obras públicas.  É o que se vê, também, quando do fornecimento de alimentação, material de construção etc., para obtenção de voto.

Segundo a Teoria da “Cegueira Deliberada”, o agente é punido porque se coloca intencionalmente em estado de desconhecimento, para não saber com detalhes as circunstâncias de uma situação temerosa. A justiça o condena porque o indivíduo não se esforçou o bastante para conhecer a verdade sobre os fatos.

O nome em inglês – willful blindness – reporta à origem norte-americana desta teoria. Esta doutrina, criada pela Suprema Corte dos Estados Unidos, originou-se para delimitar aquelas situações em que uma pessoa finge não enxergar a ilicitude da procedência de BENS, DIREITOS E VALORES  com o intuito de auferir vantagens. Por ela, PRESUME-SE o conhecimento do acusado, nos casos em que não há prova concreta do real envolvimento de uma situação suspeita.

É de consenso, finalmente, que a configuração desse crime se enquadra, não como CULPOSO (O agente não tem a intenção de cometer o crime. A aplicação da pena é menor), mas como DOLOSO – Dolo Eventual (A aplicação da pena é maior): o agente prevê o resultado lesivo de sua conduta, mas não se importa com este resultado!

 

(*) Cezar José Maksoud é advogado

Reportar Erro

Deixe seu Comentário

Leia Também

Rogerio Zanetti
Opinião
OPINIÃO: Jornalista Sérgio Neves morreu na fila de transplante
Delcídio do Amaral, ex-senador e ex-ministro
Opinião
OPINIÃO: 10 anos de Lava Jato: Reflexões de Delcídio do Amaral
Fábio Marchi - Jornalista
Opinião
OPINIÃO: Os bebês que sobrevivem
Urandir Fernandes de Oliveira, empresário, pesquisador e CEO de Dakila
Opinião
OPINIÃO: A cidade perdida Z, ou mito Eldorado, descoberta por um instituto de Mato Grosso do Sul
OPINIÃO: DE MONTEVIDÉU AO CHUÍ, ENCONTRANDO O ESCULTOR
Opinião
OPINIÃO: DE MONTEVIDÉU AO CHUÍ, ENCONTRANDO O ESCULTOR
Rafael Antonio Scaini e Muriel Arantes Machado
Opinião
OPINIÃO: Ato cooperativo na recuperação judicial
Pedrinho Feitosa, jornalista e presidente da Executiva Municipal e Coordenador Político do PRD regional
Opinião
Opinião - Na casa da mãe Joana, quem manda é Tereza

Mais Lidas

Acidente aconteceu no Monte Castelo
Polícia
Motociclista que morreu após bater em muro no Monte Castelo pilotava sem CNH
Janaina tinha 40 anos e trabalhava na Semed
Polícia
Identificada motociclista morta que bateu em muro de condomínio no Monte Castelo
Agetran divulga lista de multas aplicadas de 21 a 31 de março
Cidade
Multas de trânsito: saiba se você foi "canetado" entre 21 a 31 de março
Diogo Nantes morreu na hora
Polícia
JD1TV: Jovem morre após carro ser atingido pela haste da lona de um caminhão na MS-164