Menu
Busca sábado, 28 de janeiro de 2023
(67) 99647-9098
Governo - Dengue Jan22
Opinião

OPINIÃO: As chuvas de Campo Grande

"O descaso com o planejamento urbano da Cidade", analisa Fayez

06 janeiro 2023 - 16h30Fayez Rizk

Hoje eu pretendia escrever sobre as chuvas de Campo Grande, mas revendo meus guardados, achei uma série de textos que escrevi sobre o assunto. O primeiro escrito em 2010. Vou republicá-lo, porque o que aumentou foram só as chuvas e o descaso com o planejamento urbano de Campo Grande. Infelizmente.

As águas de Campo Grande na profecia de Lerner. Com a chuvarada que está atingindo a Capital, começam a surgir os comentários sobre a infraestrutura da cidade e os “pitacos” dos políticos e candidatos, quase sempre equivocados.

Balizando o assunto: o problema das enchentes não está no sistema de drenagem, mas sim, no descumprimento da legislação urbanística ou na falta de planejamento urbano. Ocorre que a origem do problema de enchentes remonta a, no mínimo, seis décadas.

Já nos anos 60, baseado no Plano Diretor elaborado pela Hidroservice, à mando do então Prefeito Mendes Canale, e terminado já na administração Plínio Martins, foi executado a primeira grande obra de drenagem da cidade, que é o canal do córrego Maracaju, então sob a administração de Levy Dias.

Depois, veio a retificação e dragagem do córrego Anhanduí, isso nas décadas de 70 e 80. Mas o mais importante nesse cenário vem no final dos anos 70, quando o então Prefeito Marcelo Miranda encomendou um Plano De Complementação Urbana, elaborado pelo Arquiteto e Urbanista Jaime Lerner, que, na minha opinião, formatou a atual cidade.

Nesse Plano, além da visão de estruturação da cidade em torno da Mobilidade Urbana – até hoje desprezada – previa a criação de grandes parques urbanos às margens dos maiores córregos que cortavam à cidade, como o Prosa, o Segredo e o Anhanduí.

Essas áreas, sabidamente de brejos, serviam como bacia de retenção e infiltração de águas pluviais. Outro fator, normalmente desprezado para a drenagem urbana é a arborização urbana e privada, nessa época, ainda farta, tanto é que era a cidade “das mangueiras”.

Também no início da década de 90, foi elaborado a importante (e desprezada) Carta Geotécnica de Campo Grande, que mapeou perfeitamente as áreas mais vulneráveis para erosão e que norteou os Planos Diretores e a Lei de Ocupação e Uso do solo, orientando ou restringindo a ocupação do solo, isto é, o quantidade de área de construção cada terreno poderia ter.

Na maior parte da cidade a taxa de ocupação era de 50%, ou seja, teríamos metade da área do terreno não construída e, portanto, possível de ser usado como área de infiltração de águas pluviais.

O que vimos? Uma gradativa mudança nessas posturas municipais e avanço de construções em áreas extremamente vulneráveis.

Exemplificando: no começo da década de 80, foi iniciada a construção do conjunto habitacional Mata do Jacinto, em área que os urbanistas da época já apontavam como extremamente desfavorável para uma ocupação intensa, com uma solo frágil, arenoso, aliás, mais tarde confirmado pela Carta Geotécnica mencionada.

Resultado: uma grande erosão, com cerca de 6 metros de profundidade, que mais tarde se transformou em um (ex) lago no Parque do Sóter e hoje novamente assoreado! Todo esse material arenoso, foi carreado para os córregos Sóter, Prosa e Anhanduí, diminuindo a vazão desses corpos d’água.

Ao mesmo tempo, as áreas de brejo do Prosa e do Anhanduí, que seriam protegidas pelos parques previstos por Lerner, foram sendo ocupadas com construções.

As construções foram gradativamente impermeabilizando todos os terrenos, isto é, as águas não infiltram no local e são jogadas diretamente na rede, quando não diretamente na rua, sem caixas ou páreas de retenção, como por exemplo, um grande conhecido supermercado fez e faz , jogando toda a água colhida na rua Antônio Maria Coelho ou até mesmo prédio público como a tal Central do Cidadão.

Também simultaneamente, houve a destruição da arborização, muito importante para a retenção de água e a redução do escomento superficial e atraso no pico de vazão das águas pluviais.

Eis a receita para as enchentes: córregos assoreados, com menos vazão, sem áreas de infiltração, sem árvores para reter e diminuir o pico de vazão. A natureza é inexorável, e ainda mais com grandes chuvas, fora dos padrões ditos normais, que são cada dia mais frequentes.

Tudo isso me faz lembrar uma frase do Jaime Lerner em uma reunião que participei em 1978, ainda como estudante de Arquitetura e Urbanismo: se vocês não cuidarem dos fundos de vale, vão ter que acabar construindo túneis para a condução de águas da chuva.

Profético e certeiro.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Opinião
OPINIÃO: Os egos enlouquecidos
Opinião
OPINIÃO: Expectativa e Realidade
Opinião
OPINIÃO: Ah!! A Política!!!
Opinião
OPINIÃO: O afastamento de Ibaneis Rocha
Opinião
Opinião: Os cuidados para uma Black Friday sadia pós-pandemia

Mais Lidas

Brasil
Anitta vira assunto ao ter cenas íntimas vazadas na internet; assista
Polícia
Criança morta com bexiga tinha 7 meses e brincava na sala de casa
Polícia
Mãe ficou 'tranquila' com filha morta em UPA; criança já tinha ido 30 vezes ao hospital
Geral
JD1TV: Policial agride advogada dentro de delegacia da Capital