Menu
Menu
Busca sábado, 25 de maio de 2024
Camara Maio24 - TV camara
Opinião

OPINIÃO: Prints de conversa no Whatsapp tem validade em processos criminais?

10 fevereiro 2023 - 12h05Odilon de Oliveira Júnior    atualizado em 22/02/2023 às 16h19

O uso de prints de conversas de WhatsApp em processos judiciais é um assunto bastante debatido na atualidade. Recentemente, a 5ª Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) se pronunciou a respeito, afirmando que a utilização deste tipo de prova em processos judiciais é válida, desde que não haja prova em contrário de que houve adulteração dos prints.

Legalidade dos Prints de Conversas de WhatsApp

A decisão do STJ foi tomada após o julgamento de um caso envolvendo extorsão por meio do aplicativo de mensagens. O acusado alegou possuir provas de que os prints apresentados como prova eram falsos, mas, ao ser instado a apresentá-las, não conseguiu exibir as provas ou entregar o seu aparelho celular, o que só reforçou a legitimidade da prova (AgRG no HC 752.444).

Cadeia de Custódia

O STJ destacou também que não houve quebra da cadeia de custódia dos prints de conversas, uma vez que não foi apresentado elemento que comprovasse a adulteração da prova ou alteração na ordem cronológica dos diálogos. Além disso, o magistrado que julgou o caso afastou a ocorrência de qualquer indício de alteração dos prints, entendendo que mantiveram uma sequência lógica temporal e continuidade da conversa.

Limitações no Uso dos Prints

Por outro lado, a Sexta Turma do STJ também se pronunciou sobre o uso de prints obtidos por meio do espelhamento de conversas de WhatsApp Web. Neste caso, a turma decidiu que essa prova é inválida, uma vez que não é possível garantir a autenticidade e integridade desses prints (RHC 99.735).

Considerações Finais

Em resumo, a decisão da 5ª Turma do STJ sobre a validade de prints de conversas de WhatsApp como prova em processos judiciais traz um importante entendimento para o meio jurídico. De acordo com a decisão, essas provas são válidas desde que não haja prova em contrário de sua alteração ou quebra da cadeia de custódia.

Ademais, o julgador deve sempre levar em consideração as demais provas no processo, como o interrogatório do acusado, testemunhos e demais elementos.

Por fim, é importante destacar que esses entendimentos são referentes a casos específicos e podem ser avaliados de forma diferente em casos futuros, mas ainda assim servem como guia importante para a validação de provas em processos judiciais envolvendo prints de conversas de WhatsApp.

 

Reportar Erro
Assembleia - Maio24

Deixe seu Comentário

Leia Também

Sasha van Lammeren é jornalista, mestre em Comunicação Política e Doutorando em Ciência Política
Opinião
OPINIÃO: O BOLSONARISMO e o LULISMO
Coleta de doações para o Rio Grande do Sul
Brasil
JD1TV: CTG da Capital envia seis carretas com doações para o RS e prepara mais levas
Juiz Aluízio Pereira dos Santos -
Opinião
OPINIÃO: Reflexão sobre tornozeleira
Rogerio Zanetti
Opinião
OPINIÃO: Jornalista Sérgio Neves morreu na fila de transplante
Delcídio do Amaral, ex-senador e ex-ministro
Opinião
OPINIÃO: 10 anos de Lava Jato: Reflexões de Delcídio do Amaral

Mais Lidas

Amalha trabalhava como corretora de imóveis
Polícia
Corretora foi morta a pauladas por 'amigo' após não entrar em esquema de golpe
Amalha foi vítima de três sessões de espancamento antes de ser morta em Porto Seco
Polícia
Amalha foi vítima de três sessões de espancamento antes de ser morta em Porto Seco
Amalha era corretora de imóveis
Polícia
AGORA: Choque prende um dos autores do assassinato da corretora Amalha Mariano
O caso foi registrado na Depac Cepol em Campo Grande
Polícia
Mulher é ameaçada de morte por agiota na Capital: 'vai pagar por bem ou por mal'