Menu
Busca sábado, 23 de outubro de 2021
(67) 99647-9098
Gov 44 anos
Polícia

Caso Mayara: acusado de matar musicista vai a júri dia 29 de março

A pena prevista para homicídio qualificado varia de 12 a 30 anos de prisão

27 fevereiro 2019 - 12h30Rayani Santa Cruz

O réu Luis Alberto Barros Bastos, 29 anos, acusado pelo assassinato da musicista Mayara Amaral, 27 anos, no dia 27 de julho de 2017, vai a julgamento pronunciado a júri popular no dia 29 de março. 

Luis Alberto escapou de ser julgado no dia 10 de outubro de 2018 e ao final de novembro passado, depois que a defesa recorreu e o júri foi adiado. Como houve o julgamento do recurso, que manteve a decisão de pronúncia, o processo está novamente apto a ser julgado, pela 2ª Vara do Tribunal do Júri de Campo Grande.

De acordo com o Tribunal de Justiça, a sessão de julgamento terá início às 8 horas e Luis será julgado pelos crimes de homicídio qualificado por motivo fútil, meio cruel, recurso que dificultou a defesa da vítima e feminicídio.

A pena prevista para o homicídio qualificado varia de 12 a 30 anos de reclusão. Dentro desse parâmetro de pena, o juiz fixa a condenação de acordo com o grau de culpabilidade (dolo intenso), as circunstâncias, os motivos, antecedentes, entre outros, de acordo com o disposto no art. 59 do Código Penal.

Luis Alberto também será julgado pelos crimes de furto e ocultação/destruição de cadáver, com emprego de fogo.

Também será julgado no dia 29 o corréu Anderson Sanches Pereira (31), acusado do crime de receptação, pois ele teria adquirido o veículo que pertencia a Mayara.

O caso 

De acordo com a denúncia, o crime aconteceu na noite do dia 24 de julho de 2017, em um motel localizado na avenida Euler de Azevedo, em Campo Grande. Os dois teriam discutido e após isso, Luis Alberto  teria matado Mayara com golpes de martelo.

Ao perceber que a vítima estava morta, Luiz Alberto resolveu ocultar o cadáver e roubar seus bens. No outro dia, de posse do veículo da vítima, ele teria ido até a região do “Inferninho”, dispensado o corpo e ateado fogo.

Para a acusação, o acusado praticou o crime por motivo fútil, pois a vítima teria feito um comentário acerca da namorada do acusado. O réu também teria utilizado de meio cruel, pois teria desferido reiterados golpes de martelo em sua cabeça.

O Ministério Público também defende que o acusado usou de recurso que dificultou a defesa da vítima, porque teria sacado o martelo e desferido o golpe subitamente, sem que a vítima pudesse reagir. A denúncia ainda aponta que o crime foi praticado mediante violência contra a mulher, matando a vítima com quem tinha um relacionamento amoroso, logo após o ato sexual, aproveitando-se de sua fragilidade e com menosprezo à sua condição feminina, o que caracteriza a qualificadora de feminicídio.

Segundo a denúncia, o réu teria ocultado e destruído parcialmente o cadáver da vítima, mediante emprego de fogo, e teria subtraído o veículo da vítima e repassado a Anderson. Nas alegações finais, o promotor pediu a pronúncia nos termos da denúncia.

Defesa

A defesa de Luiz requereu a absolvição do delito de furto, o afastamento das quatro qualificadoras, além da absolvição do crime de ocultação de cadáver, com base no princípio da consunção e a aplicação da continuidade delitiva nos crimes de homicídio e ocultação de cadáver.

Por sua vez, a defesa de Anaderson sustentou a absolvição pela aplicação do perdão judicial ou ainda a desclassificação do crime.

Na decisão de pronúncia, o juiz analisou que a materialidade do crime está demonstrada pelo laudo necroscópico, que atesta que a causa da morte de Mayara Amaral foi traumatismo craniano, somado aos laudos periciais do local do crime e residência do acusado e demais laudos, como de imagens das câmeras de segurança do motel e de mercado, além dos objetos encontrados.

Com relação ao laudo de insanidade mental do acusado, o juiz citou que este será devidamente apreciado pelos jurados, por ocasião da realização do julgamento. Nesse ponto, observou que o acusado respondeu aos questionamentos de forma natural, sem qualquer inquietação ou perturbação, mostrando-se plenamente orientado no tempo e no espaço, tendo respondido as questões que lhe foram feitas de forma coerente.

Sobre a autoria do crime, o juiz aponta que os indícios recaem sobre o réu, que confessou tanto na delegacia quanto em juízo que praticou o delito. Sobre as qualificadoras, também apontou que é possível que os fatos narrados tenham ocorrido da forma narrada pelo MP, de modo que caberá ao Conselho de Sentença apreciar cada uma delas, não havendo razões para afastá-las neste momento.

O réu Anderson será levado a júri, uma vez que trata-se de crime conexo, mas apenas pelo delito de receptação.

Em recurso impetrado no Tribunal de Justiça, a defesa de Luis Alberto Barros pediu o afastamento de duas qualificadoras, mas este foi negado.

O processo corre em segredo de Justiça a pedido da família da vítima. O réu está preso preventivamente.

Unica - primavera

Deixe seu Comentário

Leia Também

Polícia
Jovem pede para que cerveja quente seja troca e é expulso a foça de boate LGBT
Polícia
Vítimas de sequestro, idosos são libertados após família pagar R$ 47 mil
Polícia
Gavião é encontrado ferido em córrego da capital
Polícia
Chazinho do capeta: Maconha é encontrada em embalagem de erva mate
Polícia
Após discussão homem é agredido com cabeçada pelo patrão
Polícia
Policia Militar prende criminoso com mandado de prisão por homicídio
Polícia
Homem é encontrado morto na zona rural de Nova Andradina
Polícia
Policia Federal apreende mais de 5t de maconha na fronteira
Polícia
Homem procura delegacia após ser removido de grupo de WhatsApp
Polícia
Mães identificam filhos que morreram em queda de helicóptero em Ponta Porã

Mais Lidas

Clima
Áudio: Atenção - tabela do Inmet é real, não é fake
Clima
Vídeo: Força-tarefa está pronta para novo vendaval
Internacional
Alec Baldwin dispara com arma cenográfica e mata diretora de fotografia
Clima
Previsão de chuva com ventos assusta