Menu
Menu
Busca quarta, 28 de fevereiro de 2024
Polícia

Menina mostrou onde a professora 'pegava', dias antes da 'bomba estourar' na Capital

O primeiro caso foi registrado na segunda-feira (9), na DEPAC

12 maio 2022 - 17h23Brenda Assis     atualizado em 01/06/2022 às 14h00

Dias antes de a ‘bomba’ estourar dentro de uma escola particular do Bairro Santa Fé envolvendo uma professora, uma mãe teria levado a filha até a DEPCA (Delegacia Especializada de Proteção à Criança e ao Adolescente), na tarde de segunda-feira, dia 9 de maio.

Conforme consta na ocorrência, a menina, de apenas três anos, estuda na instituição há apenas sete meses e tudo ia bem. Porém, há pouco tempo a criança passou a não querer mais ir para a aula, mesmo assim, a mãe levava a filha.

Por motivos de saúde, a menina deixou de ir para a escola durante um mês, mas quando melhorou e precisou voltar as aulas demonstrava o mesmo sentimento de não querer ir para a instituição.

A menina passou por atendimento no setor psicosocial, mas não expressou nada com palavras. Através de gestos, ela mostrou e deixou claro que a professora pegou em sua genitália, demonstrando desconforto.

Apenas na quarta-feira (11), outros dos pais procuraram a DEPCA para poder registrar um segundo boletim de ocorrência de estupro de vulnerável e também de agressão.

Sinais

Na frente da delegacia, a mãe de outra menina abusada contou chorando os sinais que a filha passou a apresentar após o caso. 

"Ela chupou meu dedo, reclamava de dor na genitália, não queria que desse banho, passou a ficar retraída. Passei por isso praticamente sozinha. Ao perguntar pra ela quem tinha feito aquilo [chupar o dedo], ela me contou que tinha sido a professora na hora do recreio", disse. 

A mãe relatou ainda que durante reuniões na escola, não foi acolhida e também se sentiu coagida pela diretora. "Na primeira reunião falei com a psicóloga, ela chegou a me dar algumas devolutivas. Já na segunda reunião, tinha mais cinco pais lá e eu me senti coagida. Não era esse o tratamento que eles deveriam dar a uma mãe em um momento como esse", lembrou ela chorando.

A menina atualmente está sendo atendida por uma psicóloga e passando por tratamento com ginecologistas.

O caso

Uma professora de uma escola particular do Bairro Santa Fé, está sendo acusada de abusar sexualmente de seus alunos desde o ano de 2020. O caso foi denunciado pela mãe de um menino de 4 anos a DEPCA (Delegacia Especializada de Proteção à Criança e ao Adolescente), na manhã de quarta-feira (11), em Campo Grande. 

Em um segundo boletim de ocorrência, a mãe de outra aluna, de 3 anos, foi informada pela filha que a professora teria batido nela e em uma amiguinha. A criança contou que um colega de turma teria visto a agressão.

O caso agora segue sendo investigado pela DEPCA.

Reportar Erro

Deixe seu Comentário

Leia Também

Polícia
JD1TV: Tambor de óleo explode e queima funcionário de oficina na Capital
Polícia
Três ficam feridos durante acidente envolvendo motos e ônibus na Gunter Hans
Polícia
Motociclista tem fratura exposta após colisão de motos na Av. das Bandeiras
Justiça
Assassino de Wesner é preso e começa a cumprir 12 anos de prisão na Capital
Polícia
Motorista acerta guard rail da Gunter Hans e fica preso às ferragens
Polícia
Vítima de capotamento, idoso morre um dia antes de fazer aniversário em MS
Polícia
Após queixa da esposa, marido mata e arranca os órgãos dela em São Paulo
Geral
Volume de cabos de telecomunicação furtados em 2023 chegou a 5,4 milhões
Polícia
Mulher é presa ao ser flagrada transportando mais de R$ 500 mil em celulares ilegais
Polícia
Irmãos desaparecem após o pai dizer que sairia de casa em Dourados

Mais Lidas

Vídeos
Vídeo: Travesti bate em jovem e tribunal a pune
Justiça
Ex-secretários de saúde de Glória de Dourados são condenados pelo TCE-MS
Geral
Mulher de 33 anos morre após se queimar fritando ovo em casa
Justiça
Camila Jara enfrenta batalha jurídica no TRE