Menu
Busca sábado, 28 de janeiro de 2023
(67) 99647-9098
Governo - Dengue Jan22
Polícia

Receita Federal, PF e CGU miram fraude em licitações e desvio de dinheiro em MS

Operação tenta desarticular organização atuante em fraude de licitações e desvios de recursos públicos

08 dezembro 2022 - 08h10Vinicius Costa

A Polícia Federal, Receita Federal e a CGU (Controladoria Geral da União) montaram a operação 'Terceirização de Ouro', nesta quinta-feira (8), para desarticular uma organização criminosa, atuante na fraude de licitações e desvios de recursos públicos ainda relacionadas as operações Lama Asfáltica e na Operação Mineração de Ouro.

A operação acontece nas cidades de Campo Grande, Brasília, Miracema (RJ), São Paulo e Porto Alegre. Segundo a Receita Federal, foram expedidos 28 mandados de busca e apreensão, 5 afastamentos do exercício de servidores públicos de suas funções e 5 monitoramento eletrônico, por meio de tornozeleira eletrônica.

As medidas visam apurar a possível ocorrência de favorecimento de terceiros por servidores públicos, enriquecimento ilícito, lavagem de dinheiro, advocacia administrativa e contratação de funcionários “fantasmas”.

As investigações apuram a indevida contratação de empresa por meio de licitações fraudulentas, utilizando-se de conluio prévio entre as pessoas jurídicas vinculadas participantes do certame.

Os investigados utilizavam- se de diversos artifícios para frustrar o caráter competitivo da licitação, como rapidez incomum na tramitação do procedimento, exigência de qualificação técnica desnecessária ao cumprimento do objeto, contratação conjunta de serviços completamente distintos em um mesmo certame e apresentação de atestado de capacidade técnica falsificado.

Através da análise do material apreendido por ocasião da Operação Mineração de Ouro, bem como dos dados obtidos no bojo da investigação com as quebras de sigilos bancários, fiscais e telemáticos, foi possível apurar que, para dissimular a destinação dos recursos debitados nas contas da empresa contratada, foram criados diversos mecanismos de blindagem patrimonial, antes de serem creditados em contas do destinatário final.

O nome da operação faz alusão à forma adotada para o desvio de recursos públicos através da contratação fraudulenta de empresas para prestação de serviços a uma instituição pública do MS.

Participam da operação 30 Auditores-Fiscais e Analistas-Tributários, 114 Policiais Federal e 7 ser-vidores da CGU.

JD1 No Celular

Tenha em seu celular o aplicativo do JD1 e acompanhe em tempo real todas as notícias. Para baixar no IOS, clique aqui. E aqui para Android.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Polícia
Mulher consegue fugir após ser enforcada por ladrão com cinto de segurança na Capital
Polícia
Bebê de 1 ano é resgatado de buraco de dois metros em MS; vídeo
Polícia
Carro colide de frente com caminhonete em ponte de Anastácio
Polícia
Homem se masturba perto de crianças e vai preso em MS
Polícia
Justiça mantém prisão de casal acusado de matar Sophia em Campo Grande
Polícia
Mulher fura sinal vermelho e causa capotamento na Dom Aquino
Polícia
Cadela é resgatada com pescoço quase decepado por corda que a amarrava
Polícia
Homem assedia adolescente e diz que estava "demasiadamente excitado"
Polícia
Assaltante rouba R$ 10 e esfaqueia vítima na Vila Planalto
Polícia
Mais de 1,5 tonelada de maconha é apreendida em caminhão na BR-262

Mais Lidas

Brasil
Anitta vira assunto ao ter cenas íntimas vazadas na internet; assista
Polícia
Criança morta com bexiga tinha 7 meses e brincava na sala de casa
Polícia
Mãe ficou 'tranquila' com filha morta em UPA; criança já tinha ido 30 vezes ao hospital
Geral
JD1TV: Policial agride advogada dentro de delegacia da Capital