Menu
Busca domingo, 24 de janeiro de 2021
(67) 99647-9098
TJMS Janeiro/21 juizado de transito
Política

Nelsinho pede prorrogação da “meia folha” para beneficiar empresas

Programa emergencial, na qual o governo paga metade da folha salarial, acabou em dezembro

14 janeiro 2021 - 10h28Gabrielly Gonzalez

No ano de 2020, devido a pandemia do novo coronavírus, o Governo Federal implantou uma medida provisória que instituiu o Programa Emergencial de Manutenção do Emprego e da Renda — programa previa, dentre outras medidas, a suspensão do contrato de trabalho com o pagamento de parte dos salários dos empregados pelo Governo.

Porém, com o encerramento do estado de calamidade pública em 31 de dezembro de 2020, o programa perdeu a sua vigência, de forma que comprometeu a capacidade financeira dos empresários brasileiros, que encontram dificuldade na quitação da folha salarial do mês de janeiro deste ano.

Com isso, o Senador Nelsinho Trad (PSD-MS) encaminhou ao Governo Federal pedido de prorrogação da medida que ajuda milhões de empresários no Brasil todo. Cerca de 20 milhões de acordos foram firmados entre empregados e empregadores em 2020.

“Quem aderiu ao programa não pode mandar o empregado embora, para não gerar desemprego. O empregado tem estabilidade pelo mesmo tempo que durou a medida”, explicou o senador à reportagem do JD1 Notícias.

Além disso, Nelsinho ressaltou a importância da prorrogação da medida para o setor de festas e eventos, que tem sido um dos mais prejudicados. “Não pode juntar gente porque a vacina ainda não foi aplicada. Os funcionários não foram mandados embora, porque praticamente todos aderiram ao programa do governo. Na minha avaliação, tem essa lacuna, que o Governo precisa reavaliar para que a medida seja válida até ter a vacinação e tudo voltar ao normal”, explanou.

Empresário e dono de três espaços de eventos em Campo Grande, Thiago Zandavalli de Figueiredo falou com a reportagem do JD1 e afirmou que a pandemia afetou diretamente o setor de eventos, no entanto, com a medida provisória estabelecida pelo Governo em março de 2020, o empresário conseguiu manter mais de 50 funcionários que as empresas empregam.

 “A medida acabou e nós ainda não podemos fazer festa de grande porte até as vacinas saírem, então para nós está muito complicado, porque continuamos com mais de 50 funcionários que precisam receber a folha de pagamento. E como vamos fazer, se não temos receita e nem podemos abrir os espaços?”, questionou Thiago.

“Esperamos que a prorrogação [da medida] aconteça por pelo menos três ou seis meses no nosso ramo de eventos, precisamos do apoio do Governo Federal para conseguir manter esse ramo de festas e eventos”, completou o empresário.

De acordo com Zandavalli, cerca de 8 milhões de pessoas são empregadas, direta e indiretamente, no Brasil no setor de festas e eventos todo ano. O faturamento chega a R$ 200 bilhões.

senar janeiro21

Deixe seu Comentário

Leia Também

Política
"Se chegar hoje, vacinas serão entregues amanhã", diz Bolsonaro
Política
Dilma sobre convite de Doria para se Vacinar: "É inaceitável furar a fila"
Política
Senado: Simone Tebet diz que não é momento para falar em impeachment
Política
Com Covid-19, Murilo assume governo na segunda e vai despachar de casa
Política
Em eleição restrita a prefeitos, Assomasul elege nova diretoria nesta sexta
Política
Homem de preto executa jovem com tiros nas costas, cabeça e nuca no Tijuca
Política
Covid-19: PGR diz que cabe ao Legislativo apurar responsabilidades
Política
Bolsonaro destaca papel da Aeronáutica na comemoração de seus 80 anos
Política
Impeachment de Bolsonaro tem 110 deputados a favor, aponta levantamento
Política
Tebet revela sua estratégia para conquistar mais votos no Senado

Mais Lidas

Polícia
Jacaré é capturado dando 'rolê' em cidade de MS
Internacional
Estados Unidos inicia vacinação contra a Covid-19 em Nova York
Polícia
Morador de rua tenta matar desafeto a pauladas no interior do Estado
Polícia
Briga por capacete acaba em tentativa de homicídio