Menu
Busca sábado, 15 de junho de 2019
(67) 99647-9098
Política

"Sem compreensão sobre a Previdência, futuro será apenas uma utopia", diz Riedel

De acordo com o secretário, Mato Grosso do sul é o estado mais enxuto do Brasil

13 junho 2019 - 15h45Rauster Campitelli, com informações da assessoria

"A reforma da Previdência representa muito mais do que um alicerce fundamental para reequilibrar as contas públicas nacionais É o primeiro passo, e decisivo, para que outras reformas possam acontecer e o Brasil encontre uma nova rota de crescimento e recuperação dos empregos". É assim que o secretário de Governo, braço direito do governador Reinaldo Azambuja, Eduardo Riedel, define a importância da aprovação do texto original, com a inclusão de estados e municípios, como condição para a superação da atual crise econômica e de governabilidade que o país amarga. 

“Essa reforma é emblemática, porque, sem ela, não haverá o necessário resgate da confiança. E sem confiança não há investimento; sem investimento, não há crescimento e sem crescimento não tem milagre, não há geração de empregos e renda”, explicou o secretário.

Ele espera que, ao final, prevaleça o bom senso. “Ou se tem um clima de entendimento e de compreensão por parte de todos, de que as reformas não são deste ou daquele ministro, deste ou daquele partido, ou o futuro será apenas uma utopia”. Riedel lembra que a maioria dos governos estaduais está passando por grandes dificuldades para fechar as contas e Mato Grosso do Sul só está entre os estados que pagam os salários em dia porque o governador Azambuja fez as reformas que o Brasil ainda não fez, adotando medidas duras, austeras, mas necessárias para equilibrar receita e despesa.

“Fizemos a lição de casa: enxugamos a estrutura administrativa e hoje somos o estado mais enxuto do Brasil; reformamos a Previdência; aprovamos um teto para os gastos públicos dos três Poderes; revisamos todos os incentivos fiscais; e está em curso um drástico esforço de mais redução do custeio, para garantir a solvência do estado”, afirmou.

Para Riedel, chegou a hora da formação de uma nova consciência sobre os limites dos governos e de suas atribuições: “O governo não pode tudo. E esse estado gigantesco, perdulário e irresponsável e que nos levou ao centro da maior e mais longa recessão da história da República”, apontou o secretário de Governo, que defende um novo modelo de gestão, de qualificação dos gastos públicos e de parceria com os setores produtivos, para remodelar o próprio processo de desenvolvimento nacional.

Prefeitura prestação de contas

Deixe seu Comentário

Leia Também

Política
Parecer da reforma da Previdência é bem recebido pelo mercado financeiro
Política
Nelsinho Trad é eleito presidente do PSD-MS
Política
“Governo é uma usina de crises", diz Rodrigo Maia
Política
Cabo Almi acredita em soltura de Lula e cancelamento da sentença
Política
Bolsonaro demitirá presidente dos Correios
Política
PSD discute planos para 2020 neste sábado
Política
Bolsonaro critica decisão do Senado de parar decreto de armas
Política
STF criminalizará homofobia como forma de racismo
Política
Santos Cruz cai e será substituído por outro general
Política
STF retoma julgamento sobre criminalização da homofobia e transfobia

Mais Lidas

Polícia
Em uma hora, pistoleiros matam três pessoas na fronteira
Polícia
Tio e sobrinho são mortos a golpes de facão
Brasil
Vídeo – Motorista avança em manifestantes e atropela cinco
Geral
Vídeo - Ajude a encontrar a sanfona do “Tchê Gaúcho”