Menu
Busca sábado, 18 de janeiro de 2020
(67) 99647-9098
Perkal Topo - janeiro-20
Política

"Sem compreensão sobre a Previdência, futuro será apenas uma utopia", diz Riedel

De acordo com o secretário, Mato Grosso do sul é o estado mais enxuto do Brasil

13 junho 2019 - 15h45Rauster Campitelli, com informações da assessoria

"A reforma da Previdência representa muito mais do que um alicerce fundamental para reequilibrar as contas públicas nacionais É o primeiro passo, e decisivo, para que outras reformas possam acontecer e o Brasil encontre uma nova rota de crescimento e recuperação dos empregos". É assim que o secretário de Governo, braço direito do governador Reinaldo Azambuja, Eduardo Riedel, define a importância da aprovação do texto original, com a inclusão de estados e municípios, como condição para a superação da atual crise econômica e de governabilidade que o país amarga. 

“Essa reforma é emblemática, porque, sem ela, não haverá o necessário resgate da confiança. E sem confiança não há investimento; sem investimento, não há crescimento e sem crescimento não tem milagre, não há geração de empregos e renda”, explicou o secretário.

Ele espera que, ao final, prevaleça o bom senso. “Ou se tem um clima de entendimento e de compreensão por parte de todos, de que as reformas não são deste ou daquele ministro, deste ou daquele partido, ou o futuro será apenas uma utopia”. Riedel lembra que a maioria dos governos estaduais está passando por grandes dificuldades para fechar as contas e Mato Grosso do Sul só está entre os estados que pagam os salários em dia porque o governador Azambuja fez as reformas que o Brasil ainda não fez, adotando medidas duras, austeras, mas necessárias para equilibrar receita e despesa.

“Fizemos a lição de casa: enxugamos a estrutura administrativa e hoje somos o estado mais enxuto do Brasil; reformamos a Previdência; aprovamos um teto para os gastos públicos dos três Poderes; revisamos todos os incentivos fiscais; e está em curso um drástico esforço de mais redução do custeio, para garantir a solvência do estado”, afirmou.

Para Riedel, chegou a hora da formação de uma nova consciência sobre os limites dos governos e de suas atribuições: “O governo não pode tudo. E esse estado gigantesco, perdulário e irresponsável e que nos levou ao centro da maior e mais longa recessão da história da República”, apontou o secretário de Governo, que defende um novo modelo de gestão, de qualificação dos gastos públicos e de parceria com os setores produtivos, para remodelar o próprio processo de desenvolvimento nacional.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Política
Bolsonaro anuncia aumento de 12% no salário do professor do ensino básico
Política
Após declarações nazistas, Bolsonaro exonera Roberto Alvim
Política
Nelsinho avalia como "um passo a frente", entrada do Brasil na OCDE
Política
Sérgio de Paula desmente expulsão de Rose do PSDB
Política
"Aliança" fará encontro em fevereiro, na capital
Política
''Janela'' para vereadores começa em março
Política
Deputado do PSL defende assédio e polemiza: “Não sejamos hipócritas”
Política
Veja a previsão de líderes de partidos na Câmara dos Deputados em 2020
Política
Mandetta é primeiro em ranking de simpatia no congresso
Política
Zeca “tira os olhos” da capital e poderá disputar a prefeitura de Sidrolândia

Mais Lidas

Cidade
Odilon Júnior participa de ato para regularização fundiária na “Favela do Linhão”
Economia
Campo Grande é campeã em novas empresas em 2019
Polícia
Quatro homens foram autuados em R$16 mil por exploração ilegal de madeira
Cidade
“Precisamos de eficiência para atrair grandes empreendimentos”