Menu
Busca domingo, 31 de maio de 2020
(67) 99647-9098
Política

Senado votará projeto que obriga presos a ressarcirem o Estado

O projeto de lei é de autoria do ex-senador de Mato Grosso do Sul Waldemir Moka

01 julho 2019 - 16h38Mauro Silva, com informações da assessoria

A proposta que obriga o preso a ressarcir os gastos do Estado com sua manutenção pode ser votado pelo Senado na semana que vem. O projeto de lei chegou ao Plenário em maio deste ano, mas retornou à Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa (CDH), onde foi aprovado com alterações.

Havia um receio por parte dos parlamentares de que o projeto pudesse levar o apenado a  trabalhos forçados ou que a situação dos condenados endividados na sua reintegração, já que poderia contrair dívidas elevadas.  Com isso a proposta, a pedido do senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), retornou a CDH.

Mas já na comissão, o projeto, do senador Waldemir Moka (PMDB-MS), foi aprovado com parecer favorável da senadora Soraya Thronicke (PSL-MS). Ela apresentou um substitutivo com várias mudanças. Entre as mudanças estava a ausência de uma sentença definitiva que deve impedir os ressarcimentos.

Assim, as quantias recebidas pelo governo serão depositadas judicialmente e deverão ser para o pagamento das despesas de manutenção somente no caso de condenação final. Em caso de absolvição, os valores depositados serão devolvidos ao preso.

Outras modificações aprovadas trazem também um teto no desconto das despesas com a manutenção do preso, caso ele não tenha condições de arcar com os custos. Dessa forma o abatimento da dívida será de até um quarto da remuneração recebida pelo mesmo. Nos casos dos detentos sem condições financeiras a relatora da CDH, senadora Soraya Thronicke (PSL-MS), sugeriu a suspensão da exigibilidade do débito por até cinco anos, para que haja tempo de mudança na condição econômica do devedor.

Soraya declarou estar ciente de que nem sempre o Estado terá condições de prover oportunidades de trabalho para os encarcerados. Nestes casos, não será exigido que o detento sem recursos financeiros arque com os custos de sua manutenção. O texto também estabelece que o preso que tiver condições financeiras, mas se recusar a pagar ou a trabalhar, será inscrito na dívida ativa da Fazenda Pública.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Política
Coronel David visita novo Comandante da PM e reafirma apoio às forças de segurança
Política
Mansour rebate fala de Bolsonaro que contraria exame da OAB
Política
Paulo Corrêa tem melhor avaliação na Assembleia, diz pesquisa
Política
“Não faltará dinheiro”, afirma Simone sobre ajuda a estados e municípios
Política
“Não entendo o porquê a Energisa questiona a CPI se não existem irregularidades”, diz Orro
Política
Assembleia reconhece mais três municípios em estado de calamidade pública
Política
Reinaldo entrega cestas básicas que beneficiarão 1,6 mil idosos
Política
“Pessoas do interior vem a capital para fugir do surto da pandemia”, diz Marquinhos
Política
Prefeitos querem adiar eleições municipais para 2022
Política
"Fui gado, comi capim", diz deputado ex-bolsonarista

Mais Lidas

Justiça
Justiça obriga empresa a pagar r$ 2 mil à aluno que não recebeu aulas do curso
Polícia
Adolescente é flagrado com drogas e armas
Economia
Estados Unidos anuncia a doação de mais US$ 6 milhões ao Brasil
Internacional
Macacos 'assaltam' laboratório e levam exames de sangue com coronavírus