Menu
Busca quinta, 19 de maio de 2022
(67) 99647-9098
Tjms Maio22
Política

Vereadores aprovam alterações na taxa de lixo de Campo Grande

Em 2019, a prefeitura da capital pretende arrecadar R$ 32,7 milhões com a taxa

14 novembro 2018 - 09h56Da Redação com Assessoria

Aprovado nesta terça-feira (13) no legislativo municipal, o Projeto de Lei Complementar 618/18, de autoria do Executivo Municipal, estabelece as diretrizes para cobrança da taxa do lixo na Capital. 

Após a constatação de equívocos no recolhimento da Taxa de Coleta, Remoção e Destinação de Resíduos Sólidos Domiciliares no início de 2018, os vereadores de Campo Grande se mobilizaram para buscar uma solução para o problema que impactou muitos contribuintes. Em busca de uma solução, a Prefeitura de Campo Grande instituiu uma Comissão Especial para análise da situação e revisão da base do cálculo e da legislação.

Representando a Câmara Municipal, o vereador João César Mattogrosso integrou a comissão, que contou com a participação da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Tribunal de Contas do Estado (TCE), Associação Comercial e Câmara de Dirigentes Lojistas. A situação foi analisada criteriosamente, sob a presidência do secretário de governo do Executivo Municipal, Antônio Carlos Lacerda.

Com as adequações realizadas, os vereadores votaram a nova legislação que isenta os contribuintes que já não pagam o Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU), conforme previsto na Legislação Municipal; os templos de qualquer culto; e as instituições de assistência social sem fins lucrativos, cadastradas como imunes no Município.

“Nós incluímos uma emenda que obriga os órgãos da administração direta, autarquias e fundações municipais a também pagarem a taxa do lixo, pois não é justo somente os cidadãos arcarem com essa despesa”, destaca João César Mattogrosso.

Além disso, o projeto não prevê aumento do tributo para 2019. Como as isenções estabelecidas no projeto já constavam no planejamento tributário da Secretaria Municipal de Finanças e Planejamento (Sefin) para o próximo ano, a matéria não deverá afetar as metas fiscais do Executivo.

Com a aprovação no legislativo, a proposta seguiu para sanção do prefeito Marquinhos Trad.

TAXA DO LIXO - A Taxa de Coleta, Remoção e Destinação de Resíduos Sólidos Domiciliares, popularizada como taxa do lixo, era incorporada ao IPTU desde 1974 e sua existência encontra respaldo na Constituição Federal, mas foi desvinculada para flexibilizar o pagamento e oferecer mais transparência aos contribuintes a partir de 2018.

Energisa

Deixe seu Comentário

Leia Também

Política
Luiz Renato é o novo secretário de Fazenda de MS
Política
No Senado, destaque de Nelsinho Trad garante gratuidade de bagagens
Política
Riedel ouve demandas de comerciantes em Naviraí
Política
Fachin diz que as eleições podem contar com mais de 100 observadores estrangeiros
Política
Nelsinho quer homenagem a Juvêncio
Política
Jair Bolsonaro lamenta alta do preço do diesel e critica Petrobras
Política
Pequenos negócios serão prioridade, diz Marquinhos
Política
Riedel fala em "ensino integral para toda a rede pública"
Política
Edinho Cassuci é eleito novo prefeito de Angélica
Política
Pré-candidatos podem iniciar vaquinha virtual a partir de hoje

Mais Lidas

Polícia
Detento é encontrado morto em cela no presídio da Gameleira
Política
Luiz Renato é o novo secretário de Fazenda de MS
Geral
Mulher pede ajuda em bar e é socorrida com hipotermia na Capital
Interior
Furioso, marido morde e arranca parte de orelha de esposa