Menu
Busca quarta, 20 de março de 2019
(67) 99647-9098
Política

Vereadores de Alcinópolis-MS podem ir a júri por assassinato do presidente da Câmara

16 fevereiro 2012 - 12h19Reprodução

Após a Justiça receber denúncia do Ministério Público Estadual (MPE), três vereadores de Alcinópolis (MS) vão responder pelo assassinato do presidente da Câmara Municipal, o vereador Carlos Antônio Carneiro. Ele foi executado na avenida Afonso Pena, em Campo Grande, no dia 26 de outubro de 2010.

A denúncia dá conta de que os vereadores Eliênio Almeida de Queiroz (PR), Valter Runiz Dias de Souza (PR) e Valdeci Lima de Oliveira (PSDB) foram os responsáveis por "organizar" a morte de Carlos Antônio. Os três chegaram a ser presos em julho deste ano, sendo soltos em 12 de agosto.

O prazo determinado pelo juiz da 2ª Vara do Tribunal do Júri, Aluízio Pereira dos Santos, é de dez dias para apresentação de defesa preliminar. Após, serão realizas as audiências com testemunhas de defesa e acusação, além de interrogatório dos réus. Por fim, o magistrado decide se manda os acusados a júri popular.

Os três vereadores foram denunciados por homicídio com motivo torpe e emboscada. Na denúncia, o promotor Douglas Oldegardo dos Santos cita a disputa política no município, já que a vítima fazia parte do grupo político de oposição.

Com a morte do vereador, Valter foi eleito presidente e o suplente Valdeci assumiu, dando maioria na Câmara ao prefeito.

Prefeito
Manoel Nunes da Silva (PR), que foi afastado da prefeitura de Alcinópolis após ser preso acusado de envolvimento no crime, também responde na Justiça pela morte. Pelo cargo, ele tem foro privilegiado, portanto, todo o processo corre no Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul (TJ/MS).

A denúncia foi aceita no mês passado pelo tribunal. A defesa do prefeito afastado vai recorrer ao Superior Tribunal de Justiça (STJ) para anular a denúncia por envolvimento na morte do vereador. O comando do município foi assumido pelo vice Alcino Carneiro (PDT), que é pai do vereador assassinado.

Assassino
Após o assassinato do vereador, Irineu Maciel foi preso em flagrante por policiais civis que passavam próximo ao local, em Campo Grande. Ele foi levado até a avenida na garupa da moto de Aparecido Souza Fernandes, de 35 anos.

Na delegacia, Maciel relatou que o crime foi intermediado pelo seu cunhado Valdemir Vansan. A morte do vereador teria sido contratada por uma terceira pessoa, cujo nome não foi revelado. Valdemir foi preso horas depois do assassinato.

Ainda na delegacia, o pistoleiro disse que receberia R$ 20 mil, sendo R$ 3 mil adiantados, pelo crime e que o revólver calibre 38 lhe foi entregue pelo cunhado.

Em interrogatório diante do juiz, Irineu deu uma nova versão para o crime. De acordo com ele, o motivo foi vingança porque o vereador o teria humilhado. O pistoleiro também afirmou ser dono da arma utilizada na execução. Irineu e Valdemir vão a júri popular no dia 24 de fevereiro.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Política
João Rocha e Paulo Corrêa visitam Casa da Mulher Brasileira
Política
Fábio Trad é reconduzido à coordenação do PSD na CCJC
Política
Jamilson Name quer corte de ICMS para setor alimentício
Política
Reinaldo promete apoio à reeleição de Marquinhos
Política
Governo entrega PDV a deputados
Política
Maia defende diálogo para aprovar reforma da Previdência
Política
Bolsonaro destaca potencial econômico do Brasil e quer ampliar parceria com EUA
Política
Turistas dos EUA, Austrália, Canadá e Japão poderão entrar no Brasil sem visto
Cidade
Problemas da capital serão discutido em seminário no próximo sábado
Política
Maia diz que é viável aprovar reforma da Previdência no primeiro semestre

Mais Lidas

Polícia
Orgia em motel vira caso de polícia
Polícia
Imagens fortes - Mais um é executado em menos de 24 horas na fronteira
Polícia
Vídeo - Um morre e outro fica ferido em execução na fronteira
Polícia
Adolescente é estuprada por quatro homens em Aquidauana