Menu
Busca quinta, 26 de novembro de 2020
(67) 99647-9098
aguas guariroba - Águas em Ação 3
Saúde

Comunidade LGBTQIA+ deve se atentar ao outubro rosa

Hopsital do amor está preparado para atender todas as pessoas

24 outubro 2020 - 07h00Matheus Rondon com informações da assessoria

Para promover e fortalecer a Política Nacional de Saúde Integral as população Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis, Transexuais e Transgêneros, a equipe da Subsecretaria Estadual de Políticas Públicas LGBT, se reuniu na sexta-feira (23), com representantes do Hospital de Amor, de Campo Grande.

“As pessoas gays, lésbicas, bissexuais e transgêneros apresentam uma vulnerabilidade quanto ao atendimento de seus direitos humanos, incluindo o acesso aos serviços públicos de saúde. E como estamos em pleno Outubro Rosa, iniciamos as tratativas para que essas pessoas possam ter um atendimento qualificado na realização de exames preventivos e de mamografia. E hoje fomos até o hospital para pactuar a forma como serão realizados esses atendimentos e conhecer a estrutura do local”, explica a psicóloga e Coordenadora do Centro de Referência em Direitos Humanos de Prevenção e Combate à Homofobia (CENTRHO), Rebeca de Lima Pompilio.

Para a enfermeira Glauciely do Nascimento Pereira, responsável pela divulgação na parte de educação e saúde do Hospital de Amor, a falta de informação é uma das principais barreiras para detecção do câncer de mama ou de colo de útero. “Nós queremos fazer a inclusão dessas pessoas, pois percebemos que não há tanta procura por parte das pessoas LBT, e nosso objetivo é diminuir os indicadores com a prevenção, fazendo com que se sintam confortáveis e venham buscar o atendimento. Percebemos que há também resistência e talvez até um bloqueio pelo medo da falta do atendimento adequado, mas nós estamos preparados para atender qualquer pessoa dentro das suas especificidades. E eu sempre costumo falar o motivo da mudança do nome do hospital, que anteriormente se chamava Hospital de Câncer de Barretos e hoje é Hospital de Amor, por conta desse propósito de estar trabalhando com amor e humanização. ”, explica.

O Ministério da Saúde sugere que o papanicolau que é um exame simples e rápido que colhe células do colo do útero para análise em laboratório seja realizado por pessoas entre 25 e 64 anos de idade. Já a mamografia é recomendada entre 50 e 69 anos, com intervalos máximos de 2 anos, visando a detecção precoce do câncer de mama.

“Para agilizarmos o atendimento da população LBT, nesse primeiro momento estaremos realizando o agendamento dos exames através do Centro de Referência em Direitos Humanos de Prevenção e Combate à Homofobia (CENTRHO). Reforçando que o atendimento prestado pelo Hospital é totalmente gratuito”, ressalta a psicóloga Rebeca.

Acompanhe mais informações sobre a campanha "Outubro Rosa" destinada ao público LGBT+ nas nossas redes sociais. Facebook: @SubLGBTMS e Instagram: @sublgbt_ms

Deixe seu Comentário

Leia Também

Saúde
MPMS pede que a população atenda às medidas de biossegurança para evitar contágio de Covid-19
Saúde
Taxa de letalidade cai para 1,8%, mas número de infectados continua crescendo
Geral
Amigos lamentam morte de "Bocão" nas redes sociais
Saúde
Confira a escala médica nas UPAs e CRSs nesta quinta
Saúde
Campo Grande passa de 43 mil infectados por coronavírus
Saúde
Hemosul se une a hemocentros do país no Dia Nacional do Doador de Sangue
Saúde
Saiba quais UPAs contam com clínico geral e pediatras nesta quarta
Saúde
Hospital Regional está com 100% dos leitos UTI ocupados
Saúde
Em 24h, MS teve casos de covid-19 em 51 municípios
Saúde
Veja a escala de atendimento nas unidades de saúde da capital

Mais Lidas

Cidade
Paróquia Nossa Senhora Auxiliadora inaugura Cidade do Natal
Saúde
MPMS pede que a população atenda às medidas de biossegurança para evitar contágio de Covid-19
Economia
Mercado de emprego fecha no azul pelo 5° mês consecutivo em MS
Geral
Onça ferida em incêndio no Pantanal melhora com tratamento de ozonioterapia