Menu
Busca quinta, 24 de junho de 2021
(67) 99647-9098
Saúde

Comunidade LGBTQIA+ deve se atentar ao outubro rosa

Hopsital do amor está preparado para atender todas as pessoas

24 outubro 2020 - 07h00Matheus Rondon com informações da assessoria

Para promover e fortalecer a Política Nacional de Saúde Integral as população Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis, Transexuais e Transgêneros, a equipe da Subsecretaria Estadual de Políticas Públicas LGBT, se reuniu na sexta-feira (23), com representantes do Hospital de Amor, de Campo Grande.

“As pessoas gays, lésbicas, bissexuais e transgêneros apresentam uma vulnerabilidade quanto ao atendimento de seus direitos humanos, incluindo o acesso aos serviços públicos de saúde. E como estamos em pleno Outubro Rosa, iniciamos as tratativas para que essas pessoas possam ter um atendimento qualificado na realização de exames preventivos e de mamografia. E hoje fomos até o hospital para pactuar a forma como serão realizados esses atendimentos e conhecer a estrutura do local”, explica a psicóloga e Coordenadora do Centro de Referência em Direitos Humanos de Prevenção e Combate à Homofobia (CENTRHO), Rebeca de Lima Pompilio.

Para a enfermeira Glauciely do Nascimento Pereira, responsável pela divulgação na parte de educação e saúde do Hospital de Amor, a falta de informação é uma das principais barreiras para detecção do câncer de mama ou de colo de útero. “Nós queremos fazer a inclusão dessas pessoas, pois percebemos que não há tanta procura por parte das pessoas LBT, e nosso objetivo é diminuir os indicadores com a prevenção, fazendo com que se sintam confortáveis e venham buscar o atendimento. Percebemos que há também resistência e talvez até um bloqueio pelo medo da falta do atendimento adequado, mas nós estamos preparados para atender qualquer pessoa dentro das suas especificidades. E eu sempre costumo falar o motivo da mudança do nome do hospital, que anteriormente se chamava Hospital de Câncer de Barretos e hoje é Hospital de Amor, por conta desse propósito de estar trabalhando com amor e humanização. ”, explica.

O Ministério da Saúde sugere que o papanicolau que é um exame simples e rápido que colhe células do colo do útero para análise em laboratório seja realizado por pessoas entre 25 e 64 anos de idade. Já a mamografia é recomendada entre 50 e 69 anos, com intervalos máximos de 2 anos, visando a detecção precoce do câncer de mama.

“Para agilizarmos o atendimento da população LBT, nesse primeiro momento estaremos realizando o agendamento dos exames através do Centro de Referência em Direitos Humanos de Prevenção e Combate à Homofobia (CENTRHO). Reforçando que o atendimento prestado pelo Hospital é totalmente gratuito”, ressalta a psicóloga Rebeca.

Acompanhe mais informações sobre a campanha "Outubro Rosa" destinada ao público LGBT+ nas nossas redes sociais. Facebook: @SubLGBTMS e Instagram: @sublgbt_ms

Vai di Vinho

Deixe seu Comentário

Leia Também

Saúde
Vacinação contra gripe segue baixa e não atinge metade da população em MS
Saúde
"Divergência momentânea", diz Marquinhos sobre decretos
Saúde
Com jovem de 26 anos, Capital registra mais 16 óbitos por Covid
Saúde
AO VIVO - Marquinhos abre drive thru de vacinas na UCDB
Saúde
Vídeo: MS recebe 150 mil doses da Janssen no domingo
Saúde
Hospital El Kadri ganha mais 10 novos leitos de UTI
Saúde
Unidades de saúde atendem com 43 clínicos na manhã desta quinta
Saúde
Imunizantes da Janssen, CoronaVac e Pfizer chegam hoje a MS
Saúde
Vacinação de lactantes chega aos 18 anos
Saúde
Butantan deve receber no sábado mais 6 mil litros de IFA

Mais Lidas

Polícia
Mãe confessa que matou bebê de 5 meses afogada, em Campo Grande
Polícia
Bebê de 5 meses foi morta afogada, porque mãe drogada queria tirar 'chip da besta'
Polícia
Bebê de 5 meses morre após suspeitas de violência sexual, em Campo Grande
Polícia
Com câncer em estado avançado, idoso comete suicídio na varanda de casa