Menu
Busca quarta, 28 de setembro de 2022
(67) 99647-9098
TJMS setembro22
Saúde

Projeto para distribuição gratuita de absorventes é aprovado na Capital

A proposta é da vereadora Camila Jara (PT) e deve atingir 72 mil campo-grandenses em situação de vulnerabilidade

15 julho 2021 - 15h36Brenda Assis

Foi aprovado durante a sessão ordinária desta quinta-feira (15), na Câmara dos Vereadores, o Projeto de Lei nº 10.072/2021, de autoria da vereadora Camila Jara (PT). A proposta tem como meta a distribuição gratuita de absorventes na rede SUS e nas escolas da rede municipal. A ação que deve impactar 72 mil campo-grandenses em situação de vulnerabilidade, segue agora para sanção do Executivo Municipal

Com votação unanime, o projeto tem como coautores os vereadores William Maksoud (PTB) e Ronilço Guerreiro (Podemos).

Protocolado no dia 28 de maio, o projeto tramitou normalmente e foi votado em regime de urgência na sessão ordinária desta quinta-feira, quando foi exibido também um documentário retratando a difícil realidade de quem não tem condições de comprar absorvente para seu período menstrual. 

“Precisamos falar de pobreza menstrual porque os dados sobre esse tema são alarmantes no Brasil e porque nós, mulheres, somos punidas por menstruar. Desde novas, aprendemos que algo natural do nosso corpo, que é a menstruação, é classificado como algo nojento. Somos punidas porque absorventes são tratados como produtos supérfluos e 34% de seu valor é de imposto. Isso é mais um reflexo de um país extremamente desigual, um país que sempre penaliza os mais pobres”, discursou a vereadora antes da votação.

Desigualdade e violência - A pobreza menstrual é caracterizada pela falta de acesso a recursos, infraestrutura e até conhecimento para cuidados envolvendo a própria menstruação e afeta principalmente meninas e mulheres cisgênero, como também homens trans, que vivem em condições de pobreza e situação de vulnerabilidade.

Na falta de absorventes, pessoas que menstruam utilizam jornal, papel higiênico, pedaços de pano e até mesmo miolo de pão, materiais inadequados e inseguros que podem causar infecções e graves problemas à saúde. 

Mas os problemas vão além. Pesquisas apontam que uma em cada quatro meninas já faltou à escola enquanto estavam menstruadas por não ter absorventes e que a perda de aula é de até 45 dias por ano letivo. 

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

Saúde
Brasil registra menor média móvel de mortes por Covid desde o início de 2020
Saúde
Caravana da Saúde será prorrogada até novembro em MS
Saúde
Na última semana, mais de 44 mil crianças ainda não vacinaram contra poliomielite
Saúde
Mais de 500 casos de covid são registrados na última semana em MS
Saúde
Brasil registra menor média móvel de mortes por Covid desde abril de 2020
Saúde
Termina nesta semana a campanha de vacinação contra a pólio
Saúde
Confira a escala médica deste sábado na Capital
Saúde
MS tem 87 casos confirmados de varíola dos macacos
Saúde
Semana encerra com escala completa de clínico geral nas unidades de saúde
Saúde
Mortes por Covid continuam diminuindo em todo o mundo, aponta OMS

Mais Lidas

Política
Pesquisa Ranking mostra Riedel perto do segundo turno
Polícia
JD1TV: Homem morre após se despedir da esposa e jogar carro em córrego na BR-163
Interior
Campo-grandense com carga de cigarros na fronteira morre em confronto com a PM
Cidade
Após episódio de 'traição', amante de candidato se diz abalada e passará por IML