Menu
Busca sábado, 24 de julho de 2021
(67) 99647-9098
TJMS julho-21
Saúde

Projeto para distribuição gratuita de absorventes é aprovado na Capital

A proposta é da vereadora Camila Jara (PT) e deve atingir 72 mil campo-grandenses em situação de vulnerabilidade

15 julho 2021 - 15h36Brenda Assis

Foi aprovado durante a sessão ordinária desta quinta-feira (15), na Câmara dos Vereadores, o Projeto de Lei nº 10.072/2021, de autoria da vereadora Camila Jara (PT). A proposta tem como meta a distribuição gratuita de absorventes na rede SUS e nas escolas da rede municipal. A ação que deve impactar 72 mil campo-grandenses em situação de vulnerabilidade, segue agora para sanção do Executivo Municipal

Com votação unanime, o projeto tem como coautores os vereadores William Maksoud (PTB) e Ronilço Guerreiro (Podemos).

Protocolado no dia 28 de maio, o projeto tramitou normalmente e foi votado em regime de urgência na sessão ordinária desta quinta-feira, quando foi exibido também um documentário retratando a difícil realidade de quem não tem condições de comprar absorvente para seu período menstrual. 

“Precisamos falar de pobreza menstrual porque os dados sobre esse tema são alarmantes no Brasil e porque nós, mulheres, somos punidas por menstruar. Desde novas, aprendemos que algo natural do nosso corpo, que é a menstruação, é classificado como algo nojento. Somos punidas porque absorventes são tratados como produtos supérfluos e 34% de seu valor é de imposto. Isso é mais um reflexo de um país extremamente desigual, um país que sempre penaliza os mais pobres”, discursou a vereadora antes da votação.

Desigualdade e violência - A pobreza menstrual é caracterizada pela falta de acesso a recursos, infraestrutura e até conhecimento para cuidados envolvendo a própria menstruação e afeta principalmente meninas e mulheres cisgênero, como também homens trans, que vivem em condições de pobreza e situação de vulnerabilidade.

Na falta de absorventes, pessoas que menstruam utilizam jornal, papel higiênico, pedaços de pano e até mesmo miolo de pão, materiais inadequados e inseguros que podem causar infecções e graves problemas à saúde. 

Mas os problemas vão além. Pesquisas apontam que uma em cada quatro meninas já faltou à escola enquanto estavam menstruadas por não ter absorventes e que a perda de aula é de até 45 dias por ano letivo. 

 

Cruzeiro do Sul - 44 anos

Deixe seu Comentário

Leia Também

Saúde
Mato Grosso do Sul tem 8.442 mil casos ativos da Covid-19
Saúde
Para repor estoques, Hemosul funciona até 17h
Saúde
Geraldo mostra otimismo e admite stress
Saúde
Veja como será a escala médica de plantões neste sábado na capital
Saúde
Covid: Segundo Anvisa, não há estudo conclusivo sobre 3ª dose
Saúde
Vacinação contra a covid-19 é exclusiva para 2ª dose neste sábado
Saúde
Plantão Influenza: Sábado também é dia para vacina contra gripe
Saúde
Sérgio Longen doa capacetes elmo para capital e anuncia volta de testagem em massa
Saúde
Covid: Butantan entrega mais 1 milhão de doses de vacina
Saúde
Covid-19: Campo Grande já registra mais de 125 mil casos

Mais Lidas

Polícia
Corpo encontrado em Maracaju é de homem desaparecido em Campo Grande
Polícia
Mulher vai visitar o namorado e morre atacada por seis pitbulls
Polícia
Ladrão causa curto-circuito ao furtar fios de um poste de energia no centro de Campo Grande
Polícia
Vídeo: Entregador filma dados do cartão de cliente para cometer fraudes