Menu
Busca domingo, 05 de dezembro de 2021
(67) 99647-9098
TJMS Dez21
Tecnologia

Estrela morrendo é observada por telescópios nos EUA

05 outubro 2012 - 10h06Nasa / JPL-Caltech

Uma estrela anã branca que está morrendo foi detectada em uma imagem combinada dos telescópios Spitzer e Wise, da agência espacial americana (Nasa), e Galaxy Evolution Explorer (Galex), do Instituto de Tecnologia da Califórnia (Caltech), em Pasadena.

O astro, chamado Nebulosa da Hélice ou NGC 7293, expele material cósmico e, em enquanto sua vida termina, tem um brilho potencializado pela intensa radiação ultravioleta do núcleo. O objeto fica a 650 anos-luz da Terra, na Constelação de Aquário.

Os dados infravermelhos do Spitzer aparecem, na foto ao lado, na parte central, em verde e vermelho; os do Wise estão em verde e vermelho nas áreas externas; e as informações ultravioleta do Galex, em azul.

O brilhante círculo roxo no centro da imagem é uma combinação de registros do disco de poeira que circula a anã branca. Esse pó foi provavelmente lançado por cometas que sobreviveram à morte de sua estrela original.

A Nebulosa da Hélice é um exemplo típico de nebulosas planetárias, que foram descobertas no século 18 e batizadas assim de forma incorreta, por sua semelhança com planetas gasosos gigantes. Esses corpos celestes são, na verdade, restos de estrelas que um dia se pareceram com o nosso Sol.

Ao longo da vida, astros como esse transformam gás hidrogênio em hélio, em reações de fusão nuclear dentro deles. Esse processo é o mesmo que nos fornece a luz e o calor necessários para a vida na Terra, por exemplo. Assim como a Nebulosa da Hélice, o Sol também deve "agonizar" como uma nebulosa planetária, quando morrer após 5 bilhões de anos.

Quando o combustível de hidrogênio necessário para a reação se esgota, a estrela usa apenas o hélio como fonte de combustível, queimando-o em uma mistura de carbono, nitrogênio e oxigênio.

Finalmente, o hélio também se esgota e a estrela morre, desprendendo suas camadas gasosas externas. Sobra apenas o pequeno, quente e denso núcleo, chamado de anã branca. A anã branca tem mais ou menos o tamanho da Terra, mas uma massa próxima ao da estrela original.

Antes de essa estrela morrer, seus cometas e possivelmente planetas teriam estado em sua órbita de forma ordenada. Quando a estrela deixou de queimar hidrogênio e explodiu suas camadas exteriores, corpos celestes gelados e planetas externos teriam sido jogados uns contra os outros, levantando uma tempestade de poeira cósmica. Qualquer outro planeta dentro do sistema também teria sido queimado ou engolido durante a evolução da estrela.

Via G1

Senar Agrinho dez21

Deixe seu Comentário

Leia Também

Tecnologia
Shopee constrói centro de distribuição no Brasil
Tecnologia
Tecnologia do TJ avança em ranking do CNJ
Internacional
Robôs são testados como assistentes em jardins de infância
Tecnologia
Avião elétrico da Rolls-Royce bate recorde de velocidade
Saúde
Homem recebe primeira prótese ocular feita por impressora 3D
Tecnologia
Twitter proíbe uso não autorizado de fotos e vídeos de pessoas
Tecnologia
Aplicativo do Bradesco cai no dia do pagamento do 13º
Internacional
Paris contará com carros voadores elétricos nas Olimpíadas de 2024
Tecnologia
WhatsApp agora permite criar figurinhas; veja como fazer
Tecnologia
JD1TV: Gestão na pandemia dá mais um prêmio para a Capital

Mais Lidas

Polícia
Jovem morre atropelado por caminhão enquanto dormia embaixo de árvore
Polícia
Tentativa de homicídio: Homem é enterrado vivo em MS
Polícia
Irmãos são esfaqueados em conveniência, um deles está em estado grave
Geral
TJ homenageou personalidades do estado