Menu
Busca sábado, 26 de setembro de 2020
(67) 99647-9098
Tecnologia

Startup criada por jovem aos 15 anos foi comprada pelo Yahoo! por US$ 30 milhões

27 maio 2013 - 11h13LeWeb 2012/Flickr

Nascido em 1996, Nick D’Aloisio, o mais recente membro a ingressar na lista dos multimilionários do mundo tech, estava estudando para sua prova de história quando teve a ideia do aplicativo que o alçou à fama e o fez ser comparado aos, também jovens, criadores do Facebook e do Tumblr. Navegando no Google, o adolescente estava perdido em meio a tantos artigos compridos. Nas férias escolares, desenvolveu o algoritmo inteligente que transforma sozinho longas notícias em curtos parágrafos na tela de smartphones. Há algumas semanas, o rapaz de 17 anos tornou-se funcionário do gigante Yahoo!, após vender o Summly por US$ 30 milhões. Diante dele (além dos dois anos antes de se formar no colégio): a possibilidade de mudar o modo como o jornalismo é consumido e produzido.

“O que eu queria era uma espécie de prévia do conteúdo das páginas”, explica o inglês D’Aloisio. Sua busca é por algo que evite cliques desnecessários em links que depois vão provar serem inadequados ao que o usuário precisa. O Summly inverte essas etapas: ao resumir os pontos mais relevantes de uma página inteira em 400 caracteres, o aplicativo torna a aposta do leitor mais segura. Para D’Aloisio, o app é a salvação diante do que ele chama de “perda de tempo” por ser obrigado a clicar no link sem saber se o conteúdo vai ou não ser aproveitado.

Com seu algoritmo, D’Aloisio faz com que o aplicativo prometa, nos sumários gerados, ser capaz de selecionar o que o usuário quer saber. Valendo-se do campo da ciência da computação chamado de Processamento de Linguagem Natural (NLP, na abreviação em inglês), a máquina pensa como um ser humano, passa-se por editor e sintetiza o texto para o leitor. Se ele quiser saber mais, basta navegar adiante.

Desde o lançamento, em novembro de 2011, o aplicativo acumulou meio milhão de usuários, responsáveis pela leitura de mais de 30 milhões de resumos. Diante do volume de uso que seu aplicativo gerou — captando a atenção de investidores de peso, como o bilionário Li Ka-Shing, de Hong Kong —, D’Aloisio afirma não ter a pretensão de pôr fim ao jornalismo. “Summly não se coloca como uma nova forma de mídia, já que nossos resumos não vão substituir as boas reportagens. A nossa tecnologia reinventa a maneira como o conteúdo é apresentado”, diz.

Mathew Ingram, blogueiro e especialista em tecnologia não vê muita diferença entre os resumos do Summly e do Circa — app que faz a mesma coisa só que por meio de uma equipe editorial, sem tem quer ficar à mercê de um algoritmo — em relação aos boletins de notícia transmitidos pelo rádio e pela TV. “Muitas pessoas ainda não são consumidoras de notícias, então qualquer coisa já é um avanço”, disse Ingram ao site American Journalism Review.

Por enquanto, o mundo não decidiu se sua invenção é a reinvenção do jornalismo tradicional ou apenas mais uma ferramenta para que a geração atual — cutucada em capa recente da revista norte-americana TIME — acesse mais facilmente o conteúdo estratosférico disponível na rede. Nesse meio tempo, o ex-startup Nick D’Aloisio parece seguir sem se dar conta da pressão e da expectativa em torno do seu algoritmo. Ele continua fazendo aulas de russo e mandarim. Fã de críquete e rugby, agora tem que conciliar o tempo dedicado à namorada com as frequentes pontes aéreas para São Francisco, Nova York e Ásia.

Via Uol

Rota do Pantanal

Deixe seu Comentário

Leia Também

Tecnologia
INSS começara a notificar beneficiários por meio digital
Tecnologia
Celulares Androids terão sensores de terremotos em nova tecnologia do Google

Mais Lidas

Cidade
Prefeitura libera apresentação de artistas de outros estados, na capital
Geral
Sexta-feira terá live de Gusttavo Lima e Daniel, Duda Beat e Nando Reis
Cidade
Mais de 5 mil aulas para 1º CNH foram realizadas de forma online em MS
Política
Chapa do PSDB quer “dar voz” a sociedade