Menu
Busca sábado, 11 de julho de 2020
(67) 99647-9098
Governo - dengue 01 - dor
Agronegócio

Tereza Cristina estuda dar apoio financeiro a produtores

Ministra da Agricultura afirmou que abastecimento é prioridade da pasta durante a pandemia

23 março 2020 - 17h35

A ministra da Agricultura, Tereza Cristina, afirmou nesta segunda-feira (23) que a pasta tem estudado a viabilidade para atender aos pedidos de apoio econômico para o agronegócio brasileiro, como refinanciamento e disponibilização de crédito. Segundo a ministra, o objetivo é priorizar o abastecimento durante a pandemia do novo coronavírus (Covid-19).

A declaração foi feito durante entrevista nesta segunda no Canal Rural. “Estamos avaliando caso a caso. Por exemplo, está sobrando dinheiro de custeio. Temos que ver por que está sobrando e se podemos usar em outra utilidade. Estamos em contato com o Banco Central e com o Ministério da Economia para tomarmos providências antes que ocorra alguma descontinuidade. Com certeza, a agricultura é prioridade nesse governo”, disse Tereza Cristina.

Questionada sobre quando medidas concretas devem ser anunciadas, a ministra disse não ter um prazo definido. Mas relembrou que os pequenos produtores, que fazem parte do Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE), seguirão entregando frutas e hortaliças nas escolas. O governo, que garantiu o pagamento desses agricultores na última semana, estuda agora meios de fazer com que esse alimento chegue até as famílias das crianças que estão sem aulas.

Por enquanto, segundo a ministra, a prioridade do ministério é o abastecimento. “Estamos trabalhando diuturnamente para isso. Todos estão colhendo e esse produto precisa ser escoado. Precisa ser tirado da propriedade, ir para o ponto de processamento e então ir para a prateleira do supermercado. Não podemos deixar de fornecer o alimento que também previne que essa doença mate pessoas”.

Sobre o funcionamento dos portos, Tereza Cristina esclareceu que está em contato com o ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes. Ciente de que alguns trabalhadores de portos pedem a interrupção dos trabalhos, a ministra comentou que “se realmente chegarmos ao ponto das pessoas não quererem trabalhar, algumas medidas terão que ser tomadas”. Para evitar o fechamento, não está descartada a possibilidade de diminuir a intensidade dos serviços portuários.

Na entrevista, a ministra também reforçou que, à exceção das pessoas que integram os grupos de risco, todos os funcionários do ministério seguem trabalhando. Inclusive os servidores que realizam fiscalização sanitária em frigoríficos.

Por fim, a ministra da Agricultura pediu aos produtores rurais que tenham cuidado com a saúde. “Mantenham as distâncias necessárias e lavem as mãos. Nós temos uma missão importantíssima. Agricultores, motoristas de caminhão, transportadoras, pescadores, processadores de alimentos: a nossa missão é fornecer comida”, finalizou.

PMCG Refis

Deixe seu Comentário

Leia Também

Agronegócio
Exportação de carne de aves dispara em MS
Agronegócio
Brasil participa de reunião para definir estratégia contra nuvem de gafanhotos
Agronegócio
Estado cria comitê para monitorar nuvem de gafanhotos da Argentina
Agronegócio
Frente fria muda direção de nuvem de gafanhotos que se aproximava do Brasil
Agronegócio
Tereza Cristina diz que Ministério monitora "nuvem de gafanhotos"
Agronegócio
Nuvem de gafanhotos chega à Argentina e se aproxima do Brasil
Agronegócio
Em MS, vazio sanitário da soja tem início nesta segunda
Agronegócio
Segundo produtor de grãos do país, Paraná tem pior seca em 30 anos
Agronegócio
Rios de MS estão com baixos índices de navegação", alerta Verruck
Agronegócio
Riedel participa de videoconferência sobre agronegócio internacional

Mais Lidas

Geral
Jovem morre após ser atingido na cabeça por peça de 20kg
Acidente aconteceu em um armazém de grão na cidade de Rio Brilhante
Política
Simone e Nelsinho avaliam como positiva escolha do novo ministro da Educação
Esportes
Botafogo de Ribeirão vê ilegalidade na volta do Campeonato Paulista
Geral
Sindicato do Detran alerta: terceirização vai encarecer vistorias