Menu
Busca domingo, 20 de setembro de 2020
(67) 99647-9098
TJMS setembro20
Brasil

Após perder 64 kg, Renata Celidônio recebe críticas de fãs: 'não era feliz?'

20 janeiro 2014 - 11h14Via Terra
“Eu não quero estrelar uma capa de revista de malhação, não quero ser mulher de coxa grande, barriga tanquinho ou negativa. Quero só ter formas mais harmônicas”. Este é um dos objetivos que a atriz Renata Celidônio está perto de alcançar desde que se submeteu a uma cirurgia bariátrica em junho de 2012. De lá para cá, ela perdeu 64 dos 154 quilos que pesava na época em que interpretava a modelo plus size Marieta na novela global Aquele Beijo. Atualmente, Renata faz parte do elenco do musical Todos os Musicais de Chico Buarque em 90 Minutos, uma homenagem aos 70 anos do artista.

Hoje, aos 36 anos, a atriz pesa 90 kg e continua com rotina regrada de malhação e alimentação balanceada para chegar aos 74 kg, número que representa outro objetivo, a conquista do IMC 25, o que, para os médicos, significa uma pessoa saudável, fora dos índices que caracterizam obesidade.

Engordando nos bastidores
Desde que se entende por gente, Renata vive na luta contra o efeito sanfona. Na adolescência, se achava “gostosona” demais perto das amigas e vivia pulando de dieta em dieta, academia em academia, mas via o peso aumentar e diminuir sem parar: “Por questões emocionais engordei muito, uns 60 quilos, na fase adulta”, contou em entrevista ao site Terra.

Renata viu os números da balança aumentarem ainda mais quando foi contratada para estrelar o núcleo “de gordos” da novela Aquele Beijo. Para o papel, a única exigência da direção é que continuasse com curvas generosas durante o período de gravações. “Fiquei tão confortável quando falaram que não precisava emagrecer que relaxei e comi demais, engordei muito. Fui contratada pesando 120 kg e terminei a novela com quase 154 kg”, contou.

No fim da trama, o excesso de peso começou a dificultar as atividades do dia a dia e a saúde. “Ia para praia fazer caminhada, quando chegava lá, já queria voltar para casa, já estava cansada”, relembra. Além de dores nas pernas e joelhos, cansaço exagerado e inchaço nos pés, ações corriqueiras também começavam a incomodar. Segundo a atriz, era difícil ir ao cinema ou ao teatro porque não cabia mais na cadeira e viagens de avião se tornaram mais complicadas: “sempre tinha que pedir extensor”, lembra.

A cirurgia
Insatisfeita com os limites que a obesidade começava a impor em sua rotina, Renata decidiu fazer a cirurgia de redução de estômago. “Cheguei em um ponto que era muito difícil emagrecer sozinha, era difícil me locomover. Então, a cirurgia foi a melhor coisa que fiz na minha vida nos últimos tempos. Foi fundamental para ter uma vida mais saudável e mais inserção social”, conta.

Depois do procedimento, o pós-operatório de 10 dias foi complicado: dores, excesso de gases e água de coco ao invés de água mineral, já que a bebida tradicional não era aceita pelo organismo. No mês seguinte, a alimentação à base de líquidos passou a ser pastosa e, gradativamente, foram sendo incluídos alimentos sólidos. Atualmente, Renata não tem nenhuma restrição alimentar - como pode acontecer com pacientes que passam por esta cirurgia -, mas decidiu deixar completamente de fora do cardápio alimentos como refrigerante e fritura. Bebidas alcoólicas, chocolate e alimentos gordurosos são consumidos esporadicamente e em quantidades mínimas.

“Tenho um cardápio normal de qualquer pessoa que esteja de dieta e meu prato nunca pesa mais que 250g”. Comer de três em três horas é praticamente uma religião, pois como as porções são muito pequenas, precisa garantir ter energia suficiente para suar a camisa na academia.

Queimando a ansiedade
Uma rotina acelerada de exercícios passou a ser fundamental para a atriz há pouco mais de seis meses e a malhação tomou o lugar das caixas de bombons como válvula de escape para a ansiedade. “Mudei meu nível de compulsão, quando me sinto muito ansiosa, vou malhar, produzir endorfina. Tem que mudar o foco”, conta.

?Com cargas horárias de, no mínimo, duas horas por dia na academia, Renata aposta na variação de treinos para manter o estímulo. Musculação, aulas aeróbicas, caminhadas na praia, alongamento e esteira são práticas que já viraram regra, além de atividades ao ar livre, como escalada e trilhas, que têm aumentado ainda mais as possibilidades da atriz.

“Outro dia consegui ir a uma cachoeira que não conseguiria jamais se tivesse 150 kg. Subi a trilha até lá sem cansar e foi incrível. Meus amigos exaustos e eu no pique ainda, podia ter mais uma hora que não teria problema para mim. Eu achava que estaria muito cansada quando chegasse lá, mas estou descobrindo meu corpo e minhas capacidades”.

Além da recuperação da mobilidade, fazer compras também se tornou uma alegria na vida da atriz. Se antes, tinha dificuldades em encontrar roupas plus size no Rio de Janeiro, agora não tira os olhos das vitrines atrás de peças que valorizem suas novas curvas. “Entrar em qualquer loja e encontrar um vestido que eu olhe, goste e entre em mim é recompensador”, diz.

Gordinhas felizes?
Mesmo com tantas mudanças recentes na vida, às vezes Renata precisa dar um gás na inspiração para manter tudo nos eixos e, nestas horas, recorre à internet e suas histórias. Ela é seguidora assídua de blogueiras e mulheres comuns que dividem suas experiências de perda de peso na rede. “Vejo que é possível, sim, mudar o corpo e o estilo de vida”, diz.

O resultado de tantos esforços deixou Renata se sentindo “muito mais bonita e mais jovem hoje”, mas as mudanças no corpo da atriz não agradaram muitos fãs acostumados a verem a plus size Marieta na televisão. Ela conta que recebeu diversos e-mails de pessoas que não entendiam porque ela queria emagrecer. “Eles me perguntavam ‘mas você não era feliz gorda?’. Eu nunca fui infeliz, na verdade, eu era feliz gorda e sou mais feliz ainda agora porque não tenho mais nenhuma limitação que tinha, me deu uma liberdade de viver bem”, afirma.

Por mais dias de praia

E, entre todas as chances de viver melhor, uma delas é aproveitar mais o que o Rio de Janeiro pode oferecer, por isso, caminhadas à beira-mar e as tardes de sol na praia também acontecem com mais frequência. Se antes Renata evitava se expor e preferia praias mais afastadas para curtir o sol, agora divide opiniões nas areias cariocas. Elogios e apoio são muito benvindos e agradecidos, mas o olhar crítico, infelizmente, é mais comum do que deveria.

“É óbvio que não fiquei toda pelancuda porque malhei muito, mas tenho um excesso de gordura concentrado da cintura para baixo, bem no quadril, então esta parte ainda é menos rígida e também tenho culote crônico. É engraçado ver a reação das pessoas a algo que é diferente, o meu quadril avantajado e a cintura muito fina. Sempre tem um grupinho que aponta, ri, comenta alguma coisa”, diz. A reação? Depende do dia. Mas, a melhor técnica adotada pela atriz é fingir que não escuta. “Minha irmã que fala que tem vontade de bater nas pessoas quando escuta alguma coisa, fica com vontade de me defender. Mas deixo para lá e curto minha praia”, diz.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Brasil
PF e órgãos estaduais apuram causas de incêndios no Pantanal
Brasil
Vídeo: Travesti "pega" short da amiga e acaba dando em briga
Brasil
Ostentação: participante de festa em barcos de luxo joga notas de R$ 50 no mar
Brasil
Vídeo: Homem é assassinado ao som de funk e tem olhos perfurados por galho
Brasil
Vídeo: travesti é chicoteada por gravar vídeo tomando cerveja
Brasil
Covid-19: Governo anuncia imposto zero para importação de vacinas
Brasil
AO VIVO - Posse do ministro da Saúde, Eduardo Pazuello
Brasil
Adolescente acusada de matar a amiga será solta em menos de 24h após a internação
Brasil
Ao tentar defenter pitbull, adolescente é mordida e agredida por companheiro
Brasil
Rodrigo Maia testa positivo para o coronavírus

Mais Lidas

Geral
MS aumenta rigor e autuações contra queimadas já superam ano de 2019
Polícia
Queda de árvore queimada em rodovia causa acidente que deixa 12 mortos
Clima
Chuva foi pequena, mas ocorreu em 21 municípios de MS
Vídeos
AO VIVO: Acompanhe a 1ª Parada online da Cidadania e do Orgulho LGBTQIA+/MS