Menu
Busca quarta, 20 de março de 2019
(67) 99647-9098
Brasil

Fronteira terá Exército de volta para evitar contrabando de gado paraguaio

04 janeiro 2012 - 11h49João Garrigó

O Ministério da Defesa autorizou ontem (03) que os militares do Exército reforcem a vigilância na fronteira do Mato Grosso do Sul com o Paraguai, onde foi descoberto outro foto da aftosa no Departamento de San Pedro, a 150 quilômetros do estado. A primeira ocorrência foi em setembro do ano passado

De acordo com a secretária estadual de Produção, Tereza Christina Côrrea da Costa, o objetivo é coibir o contrabando de animais. Como é proibida a entrada de animais vivos, são as transações irregulares de compra e venda do gado que deixam as autoridades em alerta. A fiscalização deve ser redobrada em Porto Murtinho, Bela Vista, Paranhos e Mundo Novo.

Atualmente, a região de fronteira tem 14 barreiras fixas e dez móveis para fiscalizar. Nas barreiras, ficam funcionários da Iagro (Agência de Defesa Sanitária Animal e Vegetal) e policiais militares. “O DOF [Departamento de Operações de Fronteira] permanece desde setembro, com um trabalho superatuante”, salienta a secretária.

No ano passado, a descoberta da aftosa no país vizinho coincidiu com a operação Ágata 2, quando o Exército “fechou” a fronteira no combate ao tráfico de drogas e armas. À época a ordem era clara: abater animais sem identificação.

Conforme a secretária, agora a operação será com efetivo menor. A logística será definida na manhã desta quarta-feira, em reunião no CMO (Comando Militar do Oeste).

Desvio

Outra medida para evitar que a aftosa chegue ao Estado, será o pedido de que o tráfego de carretas com carne seja desviado de Ponta Porã para o Paraná. A mudança deve ser autorizada pelo Ministério da Agricultura. Ontem, nove caminhões passaram por Ponta Porã.

Em setembro, quando foi proibido a entrada de produtos vegetal e subprodutos - para evitar que o vírus da aftosa “pegasse carona” nos veículos – foi autorizado o desvio dos caminhões para o estado vizinho.

Controle

Ontem, o Ministério da Agricultura suspendeu as importações de carne de bovinos oriundos do Departamento de San Pedro. As ações também incluem a retomada da desinfecção dos veículos procedentes do Paraguai, a suspensão de todos os eventos agropecuários em Mato Grosso do Sul, nas proximidades com o país vizinho, o reforço nas ações de vigilância e de educação sanitária na região, com a identificação e fiscalização a cada 30 dias de fazendas com maior risco de vulnerabilidade.

Retrospecto

Mato Grosso do Sul registrou foco da doença em 2005, nos municípios de Eldorado, Mundo Novo e Japorã, região de fronteira com o Paraguai, e só retomou em 2008 o status de área livre de febre aftosa com vacinação.

Para “blindar” a fronteira com o Paraguai, o Estado criou a ZAV (Zona de Alta Vigilância). Só em março do ano passado caíram as restrições e o Ministério da Agricultura reconheceu a área como livre de aftosa, uniformizando a classificação sanitária de Mato Grosso do Sul.

 

Sesc Novo

Deixe seu Comentário

Leia Também

Brasil
“Lava Toga”, vai ou não vai? Saiba detalhes
Brasil
Bolsonaro viaja ao Chile para se reunir com líderes da América do Sul
Brasil
"Tem falado bobagem", diz Malafaia sobre Eduardo Bolsonaro
Brasil
Suspeito de atentado em Suzano é apreendido novamente
Brasil
Bolsonaro e Trump se reúnem hoje na Casa Branca
Brasil
Governo deve dialogar com partidos para aprovar reforma, diz Alcolumbre
Brasil
Após massacre, escola planeja acolhimento de alunos
Brasil
EUA: Bolsonaro tem reuniões com ex-secretário do Tesouro e empresários
Brasil
Suspeito de massacre em Suzano é liberado após prestar depoimento
Brasil
Netflix aumenta preços de assinaturas

Mais Lidas

Polícia
Orgia em motel vira caso de polícia
Polícia
Imagens fortes - Mais um é executado em menos de 24 horas na fronteira
Polícia
Vídeo - Um morre e outro fica ferido em execução na fronteira
Polícia
Adolescente é estuprada por quatro homens em Aquidauana