Menu
Busca terça, 21 de janeiro de 2020
(67) 99647-9098
Perkal Topo - janeiro-20
Cultura

Brasileiros fazem descoberta que pode mudar história da humanidade

Eles encontraram junto com talianos materiais que teriam 2,4 milhões de anos em um sítio arqueológico na Jordânia

08 julho 2019 - 12h12Priscilla Porangaba, com informações da Agência Brasil

Uma equipe de pesquisadores brasileiros e italianos encontrou materiais que teriam 2,4 milhões de anos em um sítio arqueológico na Jordânia. O resultado do estudo foi divulgado na revista científica Quaternary Science Reviews.

A descoberta coloca novos elementos que podem mudar o conhecimento consolidado sobre o desenvolvimento da humanidade e das dinâmicas de migração do gênero homo a partir da África para outras regiões do planeta.

Os pesquisadores não identificaram fósseis, mas material de pedra lascada no sítio da Jordânia.

Nos debates acadêmicos, a tese predominante, dá conta que o gênero homo surgiu há cerca de 2,4 milhões de anos na África, tendo como primeiro representante o homo habilis. Há 2 milhões de anos, teria surgido o homo erectus.

As primeiras evidências da presença de homo erectus fora do continente africano ocorreu em um sítio arqueológico da Geórgia, datada de 1,8 milhão de anos.

O pesquisador do Museu de Arqueologia e Etnologia da Universidade de São Paulo (USP), Astolfo Araújo conta que as escavações ocorreram entre 2013 e 2015. “Na hora que um homíneo lascou. Isso quer dizer um evento de lascamento. Elas estavam localizadas em algum ponto a 20 cm uma da outra. É muito possível que a gente não só tenha encontrado um sítio antigo, mas que ele tenha significado comportamental”, disse.

As primeiras amostras foram pegas em 2013, sendo submetidas a um método segundo o qual pedras teriam cerca de cinco milhões e o basalto mais baixo teria 2,5 milhões.

Lâminas coletadas

Segundo Giancarlo Scardia, da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), outros dois métodos de datação foram aplicados em lâminas coletadas. “Tivemos cuidado para ter uma idade mais confiável. Os dados convergem para um modelo que não tem incongruências”, afirmou o pesquisador.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Cultura
Autoridades abominam "declarações nazistas" de secretário de Cultura
Cultura
Secretário de Cultura parafraseia nazista e gera polêmica nas redes sociais
Economia
Mega-Sena acumula e próximo sorteio pode pagar R$ 14 milhões
Cultura
Morre aos 92 anos o artista plástico Francisco Brennand
Cultura
“Falta Um” apresenta espetáculo no teatro de Arena Helena Meireles neste fim de semana
Cultura
Confira a Programação Especial 2020 da TVE Cultura MS
Cultura
Mãos que Criam terá 4 dias de evento e show de Chicão Castro
Cultura
Período de adoção das cartas da campanha Papai Noel dos Correios foi prorrogado
Cultura
Interessados em se apresentar na Cidade do Natal devem se inscrever até hoje
Cultura
Do gospel a MPB, Arte no Meu Bairro será no Tiradentes neste sábado

Mais Lidas

Brasil
Embraer mantém férias coletivas de funcionários por mais três dias
Geral
Nova diretoria do Sindifisco define metas
Geral
Homem procura por familiares em Mato Grosso do Sul
Cidade
Programa da prefeitura se destaca no país após premiação