Menu
Busca terça, 27 de julho de 2021
(67) 99647-9098
Senai - EAD_senai_graduação
Economia

Brasil vai liderar ranking dos países que mais tributam empresas, em 2019

A França que hoje é líder do ranking, planeja queda, abrindo espaço para o Brasil

31 dezembro 2018 - 08h21Da redação com informações do Estadão

Em 2019, o Brasil vai liderar a lista dos países com maior alíquota de impostos sobre o lucro das empresas, em todo o mundo, com o percentual de 34%. O ranking hoje é liderado pela França, que já planeja queda de 34,4% para 25%, até 2020.

De acordo com o Estadão, a redução da carga tributária ganhou velocidade ao longo de 2018, com a adoção de uma política mais agressiva pelos Estados Unidos, Bélgica e França. Aqui no Brasil, a equipe de Jair Bolsonaro que toma posse nesta terça-feira (1º), já adiantou que mudanças nessa área estão em estudo par aumentar a produtividade e o crescimento da economia.

O diretor executivo da Instituição Fiscal Independente (IFI), Felipe Salto, considera que o Brasil tem um sistema tributário muito complexo, com carga elevada, o que dificulta a vida de quem produz.

Em função da competição entre países por investimentos internacionais, a queda das alíquotas vem sofrendo queda histórica desde as décadas de 70 e 80. Desta forma, os países começaram a lidar com o movimento das multinacionais de “mover lucros” para paraísos fiscais, o que reduz a arrecadação.

Em razão da crise internacional e a necessidade de ajustes fiscais, os países que adotaram essa prática entre 2008 e 2015, compensaram a redução da carga tributária nas empresas com o aumento da tributação nas pessoas físicas para não terem grande perda de arrecadação.

Rodrigo Orair, especialista no tema e diretor da IFI, muitos países já resolveram o problema fiscal em 2016 e passaram a se preocupar com o crescimento econômico, adotando um política mais agressiva de queda.

Para o especialista, os países estão reduzindo  alíquota chamada estatutária, mas ao mesmo tempo estão limitando algumas deduções do IR das pessoas jurídicas, ampliando a base de incidência ou fazendo uma série de revisão dos benefícios tributários. Segundo Rodrigo, a reforma tributária do presidente dos EUA, Donaldo Trump, reduziu um volume grande de deduções que as empresas podiam fazer. A expectativa de Rodrigo é que o Brasil siga a política do presidente americano. “A grande dúvida é a equipe de Paulo Guedes vai compensar total ou parcialmente tributando dividendos na pessoa física ou imitando os juros sobre o capital próprio”, diz.

Confira o ranking:

Vai di Vinho

Deixe seu Comentário

Leia Também

Economia
Governo destina R$ 25,2 milhões de emendas parlamentares para saúde
Economia
Nascidos em setembro recebem auxílio emergencial nesta terça
Economia
Auxílio emergencial é pago a beneficiários do Bolsa Família com NIS 6
Economia
Preços de itens de cesta básica tem diferença de até 80,20%
Economia
Caixa paga hoje auxílio emergencial a nascidos em junho
Economia
Caixa paga hoje auxílio emergencial a nascidos em maio
Economia
Caminhoneiros avaliam paralisação nacional a partir de domingo
Economia
Auxílio Emergencial: Nascidos em abril recebem hoje
Economia
Dia dos Pais: mais pessoas pretendem presentear este ano
Economia
Caixa paga quarta parcela do auxílio emergencial para nascidos em março

Mais Lidas

Polícia
Homem enforca familiar após piada com derrota do São Paulo para o Flamengo
Polícia
Nem após cometer suicídio jovem escapa de assalto no Jardim Noroeste
Cidade
Foi selecionado? Prefeitura convoca aprovados em dois processos
Geral
Homem fuma maconha, escala montanha e cai de altura de 12 metros; veja vídeo