Menu
Busca terça, 07 de abril de 2020
(67) 99647-9098
TJMS Topo
Economia

Previsão do Banco Central aponta crescimento zero no PIB brasileiro

A previsão para este ano, antes da pandemia do coronavírus, era de 2,2%

26 março 2020 - 12h31Mauro Silva, com informações da Veja

De acordo com o Relatório de Inflação do Banco Central, divulgado nesta quinta-feira (26), o Brasil não vai registrar crescimento econômico este ano devido a pandemia do coronavírus que atinge todo o mundo. A instituição revisou sua previsão do Produto Interno Bruto (PIB) de 2,2% para zero.

O Ministério da Economia já havia, na semana passada, revisado suas previsões macroeconômicas, projetando um PIB a 0,02% neste ano, abaixo dos 2,1% de anteriormente. O governo federal decretou estado de calamidade pública para enfrentar a epidemia do covid-19, assim o governo não precisa obedecer as metas fiscais. Também houve a  medida de flexibilizações trabalhistas, para tentar preservar postos de trabalho, antecipação do 13º salário para aposentados e pensionistas, e também medidas paliativas de auxílio a trabalhadores informais, Esta, embora anunciada, ainda não teve a medida provisória decretada.  estipuladas anteriormente.

Mesmo assim as revisões tanto da autoridade monetária quanto do governo federal são mais otimistas que algumas instituições internacionais. Como é o caso do Bank of America, que prevê a economia brasileira recuando 0,5%, o Goldman Sachs, -0,9% e o JPMorgan, 0,9%. No início da semana, o mercado financeiro brasileiro estimava crescimento de 1,48%, segundo o Boletim Focus.

“A economia mundial, incluindo a brasileira, passa por momento de elevado grau de incerteza em decorrência da pandemia de coronavírus, que está provocando desaceleração significativa da atividade econômica, queda nos preços das commodities e aumento da volatilidade nos preços de ativos financeiros”, informou o BC no relatório em que reviu sua estimativa de crescimento.

No ano passado, o Produto Interno Bruto (PIB), que é a soma de todos os bens e serviços finais produzidos numa determinada região, durante um período determinado, cresceu 1,1%. Este percentual é o desempenho mais fraco em três anos, com o resultado afetado principalmente pela perda de ritmo do consumo das famílias. Em 2017 e 2018 o crescimento foi de 1,3%.

Brasil registrava, até quarta-feira, 57 mortes devido a doença e mais de 2.400 casos.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Economia
Restrições cadastrais devem dificultar capilaridade de crédito a empresas
Economia
FCO - Nova linha de crédito especial é aberta para empresários
Economia
Reinaldo vê “Plano Mansueto” como alternativa financeira para MS
Economia
Mãe contesta pagamento de mensalidade integral com escola fechada
Economia
Guedes quer congelar salários de servidores por dois anos
Economia
Empresas reclamam de dificuldades para prorrogar dívidas
Economia
Governo vai usar aplicativo para cadastro do auxílio de R$ 600
Economia
BC fará empréstimos visando injetar R$ 650 bi na economia
Economia
Prazo para pagamento das parcelas do FCO é prorrogado
Economia
Guedes conversa com Gilmar Mendes e deve acelerar pagamento dos R$ 600

Mais Lidas

Saúde
SES realiza a distribuição de testes rápidos para coronavírus
Cidade
Com regras de higiene e distanciamento, feiras voltam a funcionar na capital
Internacional
Boris Johnson segue na UTI, mas sem uso de respirador
Polícia
Homem é preso transportando 450 mil maços de cigarros contrabandeados