Menu
Busca terça, 18 de maio de 2021
(67) 99647-9098
TJMS - maio21
Esportes

Parte do dinheiro de amistosos da seleção era desviado, diz jornal

15 agosto 2013 - 11h40Via Uol
A realização de amistosos da seleção brasileira é uma das principais fontes de renda da CBF. Mas, em vez de o dinheiro ganho com estes jogos ser depositado em contas no Brasil, parte dos cachês pagos pelos times ia diretamente para o exterior. A denúncia é do jornal O Estado de S. Paulo, desta quinta-feira, e acusa o presidente do Barcelona Sandro Rosell, em práticas que teriam acontecido na gestão de Ricardo Teixeira, a partir de 2006.

A cobrança da CBF por amistosos com a seleção brasileira varia, mas desde rivais pequenos como Gabão e Estônia, paga-se pelo menos US$ 1 milhão por partida. A ISE, empresa com sede nas Ilhas Cayman, tem o direito de organizar os jogos.

De acordo com as fontes ouvidas pela publicação, "nem todo o dinheiro que saía das federações estrangeiras, direitos de imagem ou governos de outros países era enviado ao Brasil. O destino eram contas nos EUA".

Um documento obtido pelo jornal mostra que a ISE recebia como lucros da partida cerca de US$ 1,6 milhão. Deste total, US$ 1,1 milhão retornava à CBF como pagamento. O restante não era contabilizado pela entidade.

Em um contrato obtido pelo O Estado de S. Paulo, o restante de cerca de US$ 450 mil seria mandado para contas nos EUA em nome de uma empresa com assinatura de Alexandre R. Feliu, nome oficial de Sandro Rosell Feliu, ex-representante da Nike no Brasil, presidente do Barcelona e amigo de Ricardo Teixeira.

O esquema de ganho de dinheiro por meio dos amistosos teria começado na Argentina, quando Julio Grondona comandava a confederação local. O Brasil copiou o modelo de trabalho e, com Rosell, buscou acordos amplos para fechar os amistosos e aumentar o lucro. À ISE cabe garantir rivais, estádios e condições para o jogo, e em troca a empresa ganha com as receitas de bilheteria e vendas de pacote de transmissão para outros países.

O atual presidente do Barcelona foi investigado no Brasil por conta do amistoso Brasil x Portual de 2008, em Brasília.

Questionado sobre os depósitos em contas no exterior, o atual presidente da CBF, José Maria Marin, afirmou que desconhece detalhes sobre os pagamentos feitos antes de sua ascensão ao comando da entidade.
Girafa

Deixe seu Comentário

Leia Também

Esportes
Prefeitura retoma gradualmente as oficinas de esportes coletivos
Esportes
Tite volta a chamar Gabigol e Daniel Alves para a Seleção
Esportes
Nesta terça, Libertadores tem rodada com Palmeiras, Flamengo Internacional e Santos
Esportes
Morre o jornalista esportivo Fernando Caetano, ex-Fox Sports e ESPN
Esportes
Em busca da Champions League, Neymar renova contrato com o PSG até 2025
Esportes
AGORA É LEI: Atividade física é serviço essencial em MS
Esportes
Times brasileiros voltam a campo nesta quarta pela Libertadores e Sul-americana
Esportes
Atual campeão da Libertadores, Palmeiras recebe Del Valle pela 2ª rodada da competição
Esportes
Pista de skate improvisada por garotos do Aero Rancho é destruída
Esportes
Aos 16 anos, ciclista Chapadense assina contrato com Portugal

Mais Lidas

Polícia
Jacaré é capturado dando 'rolê' em cidade de MS
Internacional
Estados Unidos inicia vacinação contra a Covid-19 em Nova York
Polícia
Morador de rua tenta matar desafeto a pauladas no interior do Estado
Polícia
Briga por capacete acaba em tentativa de homicídio