Menu
Menu
Busca sexta, 01 de março de 2024
Geral

10 anos após matar marido, Elize Matsunaga escreve livro para filha

Condenada a 19 anos de prisão, Elize pretende contar à filha sua vida e por que matou Matsunaga

19 maio 2022 - 15h53Brenda Leitte, com G1 Notícias

Dez anos após matar e esquartejar o marido, Elize Matsunaga quer publicar o livro autobiográfico "Piquenique no Inferno", que escreveu à mão na prisão, para pedir perdão à filha, que está impedida de ver desde 2012. Ela quer contar à garota que cometeu sozinha o crime contra o pai dela, Marcos Matsunaga, para se proteger das ofensas e agressões do marido.

A expectativa dela é de que a menina, atualmente com 11 anos, possa ler a obra um dia, quando estiver adulta, e conhecer a versão da mãe para o que aconteceu: desde sua origem humilde até os relatos de ter sido vítima de violência sexual na adolescência e doméstica quando se casou.

Por decisão da Justiça, a guarda da filha está com os avós paternos, que proíbem o contato da criança com a mãe.

O crime foi cometido em 19 de maio de 2012 no apartamento do casal, na Zona Oeste de São Paulo, e teve repercussão na imprensa por envolver uma bacharel de direito casada com um empresário herdeiro da indústrias de alimentos Yoki. Ele tinha 42 anos à época; ela, 30.

“Minha amada [filha], não sei quando você lerá essa carta ou se um dia isso irá acontecer. Sei o quão complicada é nossa história, mas o que eu escrevo aqui não se apagará tão fácil”, escreve Elize, atualmente com 40 anos, numa carta incluída na obra.

Segundo g1, que teve acesso com exclusividade a trechos das 178 páginas do livro, no manuscrito, feito num caderno com o desenho de crianças na frente de uma escola, ela conta sua vida antes, durante e depois de ter sido presa e julgada pelo crime.

Essa versão de Elize para o crime já era conhecida da polícia e da Justiça, mas é a primeira vez que ela mesma decide transformar o relato em um livro. As informações chegaram até a ser usadas por sua defesa no seu julgamento para sensibilizar os jurados. Numa das passagens, por exemplo, a bacharel conta ter sido estuprada pelo padrasto quando tinha 15 anos.

“Quando a penetrava, Elize sentia uma dor cortante com a sensação quente de seu sangue e a reação inútil de seu corpo. Cedeu sua virgindade à violência”, escreve.

Relembre o caso.

Reportar Erro

Deixe seu Comentário

Leia Também

Justiça
Banco é responsável por transações após roubo de celular, decide STJ
Geral
Alerta: Após denúncia de moradores, Energisa esclarece conta duplicada e reforça cuidados
Geral
Hemocentro de Dourados passará por reforma geral
Brasil
Eleições 2024: Eleitores têm até 8 de maio para regularização com a Justiça Eleitoral
Justiça
MPMS investiga hospital de câncer por carência de especialistas em cabeça e pescoço
Geral
Mega-Sena acumula novamente e 'bolada' sobe para R$ 185 milhões
Política
JD1TV: Vereador pede saída de presidente da Câmara após denúncias de corrupção em Terenos
Geral
Procon na Rua estará no bairro Caiobá amanhã
Geral
BBB 24: Lucas Buda é líder pela 3ª vez na edição
Geral
Horóscopo do dia - Veja a previsão para o seu signo 01/03/2024

Mais Lidas

Geral
Aposentado viaja de motor home com a esposa e já percorreu mais de 120 mil km
Polícia
JD1TV AGORA: Rapaz é assassinado com vários tiros no Aero Rancho
Polícia
Polícia 'estoura' galpão cheio de contrabando na Guaicurus, em Campo Grande
Polícia
Bêbadas, mulheres dizem ter sido abandonadas pela PM na BR-163 após suposta abordagem