Menu
Busca quarta, 20 de março de 2019
(67) 99647-9098
Geral

Com tuberculose rara, homem vive drama que envolve toda família

01 janeiro 2011 - 09h22
Augusto tem 33 anos e há dois faz tratamento contra um tipo de tuberculose identificada pelos médicos como sendo resistente. Ele mora com a esposa Juliana, de 26 anos, que está grávida de oito meses e mais quatro filhas pequenas, de cinco, quatro e as gêmeas de dois anos. Desde que descobriu que tinha tuberculose, Augusto precisou deixar o emprego no comércio, devido à debilitação que o levou a uma magreza expressiva. Depois de seis meses tomando os medicamentos via oral, o rapaz não sentia melhoras e decidiu fazer novos exames. Com novos resultados, o paciente foi informado que possui um tipo raro de tuberculose, que é do tipo resistente. “Agora, todos os dias tomo remédio na veia porque comprimidos não fazem efeito. Não posso deixar um dia sequer sem tomar porque posso ter uma recaída”, diz. Por um período de seis meses Augusto recebeu auxílio doença do INSS, mas não foi renovado e ele também não conseguiu o benefício Loas. Para “complicar” a situação financeira, a esposa está grávida de oito meses e o bebê ainda não tem nada para esperá-lo como, por exemplo, roupinhas, fraldas, carrinho, berço. A família também passa por privações alimentares e leite para as quatro meninas. A pouca comida que tem foi doada por familiares ou vizinhos que ficaram sabendo da situação. “Minha família não tem muitas condições e também, não pode nos adotar para a vida inteira.”, diz Augusto. Adoção Sem condições de sustentar as quatro filhas, o casal chegou a pensar na possibilidade de abrir mão do filho que está para nascer, para alguém que pudesse cuidar melhor dele. A atitude foi repensada e descartada. Enquanto Augusto ainda se recupera da tuberculose, a família está contando com a ajuda de todos. “Como já temos quatro filhas, que mesmo doente vou ter que cuidar enquanto minha esposa se recupera do parto, um carrinho para colocar o bebê seria muito bem vindo”, diz Augusto. Doações Quem puder colaborar, pode ligar no telefone: 9274-1653. A família mora no bairro Ouro Verde, em Campo Grande. (O nome completo do casal não foi colocado porque Augusto diz sofrer muito preconceito por conta da doença. Sua foto também está com efeito pelo mesmo motivo). Fonte: Midia Max

Deixe seu Comentário

Leia Também

Geral
Fumacê passa por 12 bairros nesta quarta
Geral
Reinaldo quer solução definitiva para assoreamento no Parque das Nações
Geral
"5º Costelão do Cotolengo Sul-Mato-Grossense" acontece em abril
Geral
Massacre em Suzano completa uma semana
Geral
Prefeito e governador entregam moradias no loteamento Bom Retiro
Geral
Drogasil e Drogaria São Leopoldo são autuadas pelo Procon
Geral
Superlua poderá ser vista hoje nas américas do Sul e Norte
Geral
Representantes de TV aberta discutem novas tecnologias na Fertel
Geral
DeMolay’s serão homenageados quinta-feira, na Assembleia
Geral
PSDB Mulher cobra posição da bancada feminina no Congresso

Mais Lidas

Polícia
Orgia em motel vira caso de polícia
Polícia
Imagens fortes - Mais um é executado em menos de 24 horas na fronteira
Polícia
Vídeo - Um morre e outro fica ferido em execução na fronteira
Polícia
Adolescente é estuprada por quatro homens em Aquidauana