Menu
Busca quinta, 21 de fevereiro de 2019
(67) 99647-9098
Geral

“Grito de Socorro”: agentes realizam manifesto para pedir proteção

Diante das ameças e atentados organizados pelo PCC, Sinsap pede uma atitude do governo

12 setembro 2017 - 14h48Da redação

Depois das noticias de ameaças feitas pelo crime organizado, o PCC (Primeiro Comando da Capital), agentes penitenciários realizarão uma manifestação na tarde desta terça-feira (12) às 16h30 em frente a  Governadoria - no Parque do Poderes. De acordo com o presidente do Sinsap (Sindicato dos Servidores da Administração Penitenciária de Mato Grosso do Sul), André Luiz Santiago, a classe pede mais valorização aos trabalhadores, além de uma atitude do governo em relação as ameaças e atentados que vem ocorrendo contra os agentes. 

Conforme Santiago, em Mato Grosso do Sul existem 1.600 agentes para uma população carcerária de 15 mil presos, uma média de 1 para 66. O CNPCP (Conselho Nacional de Política Criminal e Penitenciária), determina que esse número seja de 1 agente para cada 5 detentos, número muito distante da realidade do Estado. Ainda de acordo com André, este ano foram preenchidas 435 vagas, mas ainda falta preencher 91. 

No manifesto dessa tarde os agentes pedirão uma atitude do governo em relação as ameaças do crime organizado, mais valorização a classe e  um reajuste salarial. Segundo o sindicato, pelo menos 400 pessoas estarão presentes no encontro. 

“A categoria grita por socorro. Pedimos que a classe seja mais bem remunerada, o governo prometeu um aumento de 2,94% o que não é justo. Queremos também que o governo tome uma atitude em relação as ameaças que estamos sofrendo por parte do PCC”, disse Santiago. 

“A situação está piorando, antes não tínhamos atentado em nosso Estado, agora estamos  sofrendo com isso. A situação está ruim, no Presídio de Segurança Máxima de Campo Grande em  cada turno temos dez agentes para 2.500 presos, isso é perigoso”, protestou.
Segundo sindicalista, os agentes não podem usar armas e combatem o crime com apitos. O que é um risco em caso de rebelião. 

Atentados

No ano passado o agente, Enderson Antonio Bogas Severi, 34, de Naviraí, levou quatro tiros enquanto conduzia sua moto. No início deste mês outro agente foi espancado em sua casa na cidade de Coxim. Conforme o dirigente do Sinsap essas ações  são ordenadas pelo PCC

Outro caso, que aconteceu no ano passado, também mostra que os trabalhadores da classe estão expostos aos riscos dos criminosos. Em abril de 2016 no Presídio de Segurança Máxima da Capital cinco agentes foram  envenenados durante o café da manhã feitos por dois detentos. 

 

Sesc Novo

Deixe seu Comentário

Leia Também

Geral
Em audiência, Energisa diz "que não houve aumento de tarifa e sim de consumo"
Geral
Deputados voltam a debater "cota zero"
Geral
Reinaldo será entrevistado na Globo News nesta quinta
Geral
Prefeitura entra na luta pela causa animal
Geral
Reforma pode sofrer alterações no Congresso, diz Major Vitor Hugo
Geral
Lei Anticrime será debatida em audiência na OAB/MS
Geral
Sistema do Detran-MS está fora do ar nesta quarta-feira
Geral
Em entrevista, Longen se diz "a disposição de qualquer controle"
Geral
Maior superlua do ano poderá ser vista esta noite
Geral
UPA Coronel Antonino recebe novas cadeiras e macas

Mais Lidas

Polícia
Depois de sair de festa, jovem morre ao capotar veículo no centro
Cidade
Evite ser multado, saiba onde estão os radares nas ruas da capital
Polícia
Dupla em motocicleta atira e acerta rosto de policial, na fronteira
Cidade
Prefeitura convoca aprovados em processo seletivo para merendeiro