Menu
Busca quarta, 15 de julho de 2020
(67) 99647-9098
TJMS julho20
Geral

Integrantes do MST invadem sede do Incra e reivindicam reforma agrária

24 novembro 2010 - 16h00
A entrada da sede da Superintendência do Incra de Campo Grande (Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária) foi tomada, na manhã de hoje, por aproximadamente 400 Integrantes do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra (MST), de vários assentamentos e acampamentos. Manifestantes reivindicam os créditos parados assim como a reforma agrária. No período da tarde o número de ocupantes já é bem menor. Conforme informou a assessoria do Incra, o superintendente do Instituto de Mato Grosso do Sul, Manuel Neves, foi para Brasília, e neste momento se encontra em reunião junto ao presidente nacional do Incra, Rolf Hackbart, porém, não sabem dizer o tema do assunto em questão. Ainda segundo a assessoria de imprensa do órgão, os manifestantes disseram na manhã de hoje que iriam entregar uma pauta, porém, até o momento os trabalhadores não receberam tal documento. Apesar do grande número de ocupantes a manifestação foi tranquila. Fonte: Capital News
Vacinne

Deixe seu Comentário

Leia Também

Geral
Prefeitura multa Consórcio Guaicurus em R$ 12 milhões
Geral
Carnaval no Rio pode acontecer só em junho
Geral
Governo amplia prazo de redução de jornada e suspensões de contratos
Geral
Orro quer proibir atos públicos para evitar aglomerações
Geral
Aos 27 anos, Adalberto perde a luta contra o coronavírus
Geral
Saque de auxílio emergencial é liberado para beneficiários do 3º lote
Geral
Mãe pede leite, remédio ou dinheiro para salvar bebê com anomalia
Geral
Funsat encaminha mulheres vítimas de violência ao mercado de trabalho
Geral
Licenciamento de veículos pode ser emitido online
Geral
Blogueira de MS afirma estar com Covid-19 e faz “recebidos” de vitaminas

Mais Lidas

Polícia
“Encontraram o monstro”, diz primo de Carla sobre assassino
Polícia
Ex-patroa é denunciada por abandono de incapaz que resultou em morte
Saúde
MP solicita inspeção em frigoríficos no interior
Polícia
Comerciante foi morta porque reconheceu voz de ex-funcionário, diz investigação