Menu
Busca sexta, 24 de janeiro de 2020
(67) 99647-9098
Perkal Topo - janeiro-20
Geral

Limpeza da AL pode chegar a R$ 500 mil; valores das diárias e pregão são mistério

03 junho 2010 - 10h00Liziane Berrocal
O primeiro dia de “pregão” para a contratação de serviços terceirizados da Assembleia Legislativa terminou confuso e com valores ainda não revelados. Na tarde de ontem (2), no “plenarinho” foi realizado o pregão para contratação de serviços de limpeza e conservação da Casa de Leis. De acordo com o edital, o lance inicial seria R$ 77 mil mensais para a limpeza no turno matutino e ‘eventuais diárias’ (pagas à parte, porém não especificado o valor no edital). Entre as nove empresas presentes, apenas quatro foram classificadas como habilitadas para participarem da fase de lances. Com o certame iniciando às 15h20, o presidente da CLPP (Comissão Permanente de Licitação), Paulo Rodrigo Caobianco, e o pregoeiro, Marcos Antonio Silva, analisaram a documentação e, após 40 minutos, foram abertos os envelopes com os valores de lance global (valor anual do serviço). Entre as empresas habilitadas o menor lance ofertado foi de R$ 514.843,61, pela empresa Morhena Limpeza e Conservação, o segundo menor foi da Tersul Terceirização de Serviços, com lance de R$ 566.318,07, que ficou na margem de 10% acima do valor, e também as empresas Joana Darc – lance de R$ 740.000,00, e Planalto, com lance no valor R$ 823.493,52. Às 16h 30, as empresas habilitadas puderam participar da fase de lances abertos, mas somente a Morhena e a Tersul disputaram - essa fase durou pouco mais de uma hora. Com o lance inicial de R$ 514 mil, os representantes davam os lances e foram baixando os valores pouco a pouco. Ao final do pregão, a empresa Morhena “ganhou” a licitação com um valor global de R$ 473.400,00 anual. Porém, neste momento começaram os mistérios. Mistérios O valor inicial “sugerido” pelo edital de licitação, de R$ 77 mil mensais, e o lance ofertado pela vencedora fez despencar o valor do serviço R$ 39.450,00, fato que gerou revolta entre alguns participantes e contestação oficial da licitação. Não ficou claro o item diárias. Os representantes da empresa Joana Darc, José Augusto Reis e José Isidório da Silva, entraram com recurso, pois acharam o valor proposto pela concorrente como impraticável. “Aqui são necessários de 28 a 35 pessoas para fazer a limpeza, e o edital rege que forneçamos o material e equipamentos, ou seja, é um valor impraticável. Claro que vão precisar de mais diárias”. Segundo Reis, no edital não consta quantas pessoas são necessárias para cumprir o serviço, o que não deixa claro quantas diárias serão necessárias. “O valor de referência para as diárias, conforme o edital é de R$ 2.544,00, mas isso depende do valor global e da necessidade”, explicou Reis. Já Hudson Campos, representante da empresa Morhena, disse que o valor foi baixo porque é preciso “ler e entender o edital e só participamos porque foi um pregão presencial”, disse. Sobre os valores das diárias que podem vir a ser necessárias, Campos declarou que os valores precisam ser refeitos. “Devido ao lance, o valor terá que ser recalculado, agora temos que avaliar”. Ele preferiu não dizer qual era o valor levantado inicialmente antes do lance. Dicorel Hoje, na estreia da série de pregões que acontecem este mês na AL, a Dicorel, única empresa presente, foi a vencedora do certame para alugar e cuidar do sistema de telefonia interno usado pelos deputados. Porém o valor do contrato não foi revelado pela Casa. Procurado pela reportagem, o pregoeiro e os demais membros da mesa da CLPP declararam que o site da Assembleia em breve irá disponibilizar o resultado do certame, ou seja, o valor do contrato não foi informado à imprensa. Segundo a LRF (Lei de Responsabilidade Fiscal), todos os dados referentes a dinheiro público devem ser repassados a qualquer cidadão brasileiro e no caso, aos veículos de comunicação. Imprensa O clima entre o pessoal da AL e a imprensa não é dos melhores, a ponto de alguns funcionários quando veem a reportagem questionarem qual o papel da imprensa. “O que esse povo do Midiamax quer aqui? Tudo eles querem saber, tudo eles querem falar!”, reclamou uma funcionária. Vale ressaltar que toda a receita da Assembleia Legislativa é oriunda de dinheiro público e a partir do dia 27 de maio passou a vigorar no país a “Lei da Transparência”, garantindo que todo brasileiro tem o direito de saber onde e como é gasto o dinheiro da população.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Geral
Sedhast abre inscrição para capacitar novos conselheiros tutelares
Geral
CCZ anuncia primeira feira de adoções de pets de 2020
Geral
Vivo lidera número de reclamações entre serviços de telefonia
Geral
Mega Sena de Verão deve sortear R$35 milhões
Geral
INSS da 26 de Agosto está fechado por falta de luz
Geral
"Tempo de espera abusivo", diz Procon-MS sobre agências bancárias
Geral
Andreia Rios grava DVD com atração nacional nesta quarta
Geral
Nova diretoria do Sindifisco define metas
Geral
Homem procura por familiares em Mato Grosso do Sul
Geral
Engenheiro morre em acidente com caminhonete e locomotiva

Mais Lidas

Oportunidade
Funtrab fecha a semana com diversas vagas na capital
Brasil
Bolsonaro não recriará Ministério da Segurança
Polícia
Bebê de um ano é estuprada pelo primo de 15 anos e passa por cirurgia
Polícia
Casal sul-mato-grossense é vítima de latrocínio no Mato Grosso