Menu
Busca quarta, 20 de fevereiro de 2019
(67) 99647-9098
Geral

Ministro Mandetta defende educação sexual nas escolas

Ministérios assinaram parceria para traçar ações conjuntas até 2022 para reduzir a gravidez precoce

10 fevereiro 2019 - 13h45Da redação com Agência Brasil

O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, defendeu a educação sexual nas escolas. “Acho que tem que fazer, não dá para não fazer”, disse à Agência Brasil após cerimônia de assinatura de parceria entre ministérios para prevenção da gravidez na adolescência.

Segundo o Ministério da Saúde, a taxa de gravidez na adolescência no Brasil é de cerca de 56 adolescentes a cada grupo de 1 mil. Número maior que a taxa internacional, que é de cerca de 49 a cada 1 mil. Segundo a pasta, embora esse número esteja alto, houve, entre 2010 e 2017, redução de 13% de bebês de mães adolescentes. Meninas negras representam a maior proporção entre essas mães: 19,7% pardas e 15,3% pretas, seguindo a classificação do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Para o ministro da Saúde, a educação tem um papel importante na redução desses indicadores. Ele disse que a gravidez está relacionada ao abandono escolar, que, por sua vez, leva a um aumento da mortalidade infantil.  “A evasão escolar é problema para a saúde pública”, disse. 
Saúde na Escola 

Também presente na cerimônia, o ministro da Educação, Ricardo Vélez, disse que o programa Saúde na Escola poderá ser atualizado. “No contexto do Ministério da Educação, temos as pautas de formação, de educação de nossos adolescentes, [que] serão mantidas. No entanto, no contexto desse acordo, veremos o que será necessário atualizar. No momento ficam as pautas conforme estão estabelecidas e, em diálogo, sobretudo, com as famílias”. 

Vélez acrescentou que serão levados em consideração “novas demandas da sociedade e novos conhecimentos científicos que sempre estão aparecendo”. 

O Programa Saúde na Escola foi instituído em 2007 com o objetivo de levar às escolas públicas ações de promoção, prevenção e atenção à saúde, para enfrentar vulnerabilidades que comprometem o pleno desenvolvimento de crianças e jovens. Entre as ações do programa estão a promoção da saúde sexual e da saúde reprodutiva, em conformidade com os princípios e diretrizes do Sistema Único de Saúde. 

Parceria 

Na sexta-feira (8), os Ministérios da Saúde, da Mulher, Família e Direitos Humanos, da Educação e da Cidadania assinaram parceria para traçar ações conjuntas até 2022 para reduzir a gravidez precoce. 

Dentre os objetivos estão promover apoio profissional qualificado em prevenção à gravidez na adolescência, ampliar e qualificar o acesso da população adolescente aos serviços de atenção básica, fomentar ações educativas voltadas para adolescentes, famílias, sociedade civil e toda a comunidade. Além disso, estão entre os objetivos disseminar informações sobre o cenário brasileiro de gravidez na adolescência e avaliações que gerem evidências de melhores práticas para subsidiar o aperfeiçoamento das ações públicas sobre o tema. 

A carta de compromisso foi assinada no âmbito da Semana Nacional de Prevenção da Gravidez na Adolescência, estipulada do dia 1º de fevereiro até esta sexta-feira. A semana foi instituída pela Lei 13.798/2019, uma das primeiras sancionadas pelo presidente Jair Bolsonaro. 

Deixe seu Comentário

Leia Também

Geral
Em entrevista, Longen se diz "a disposição de qualquer controle"
Geral
Maior superlua do ano poderá ser vista esta noite
Geral
UPA Coronel Antonino recebe novas cadeiras e macas
Geral
Catan pede investigação sobre furtos de gado em MS
Geral
Imagens fortes: Mulher perde 80% do lábio inferior após ser mordida em briga
Geral
Loja da capital faz desfile beneficente para ajudar instituto
Política
"Questão caixa 2" é retirado de pacote de Moro, diz Estadão
Geral
FIEMS diz que serviços investigados foram licitados
Cidade
Audiência vai discutir altas taxas em contas de energia expedidas no mês de janeiro
Geral
OAB/MS debate “Cota Zero” em audiência nesta quarta

Mais Lidas

Geral
Imagens fortes: Mulher perde 80% do lábio inferior após ser mordida em briga
Polícia
No centro, homem tenta fotografar partes íntimas de mulher
Polícia
Mulher é espancada após negar manter relações sexuais com marido
Polícia
Em briga na cela, presidiário fura olho de outro