Menu
Busca segunda, 20 de maio de 2019
(67) 99647-9098
Geral

“Não vamos mudar isso com lei”, afirma Rinaldo sobre violência contra mulher

Parlamentar defendeu ações na área da educação pra solucionar problema

03 março 2019 - 14h47Da redação com assessoria

O deputado Professor Rinaldo (PSDB) defendeu, na tribuna da Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul na quinta-feira(28), ações educacionais para mudança sobre a cultura do machismo e violência contra mulher. Com base em dados apresentados em pesquisa sobre o assunto, o parlamentar – membro da Comissão de Defesa dos Direitos da Mulher e Combate à Violência Doméstica e Familiar –, chamou a atenção para a gravidade do problema na sociedade.

“Não vamos mudar isso com lei. Se resolvesse não teríamos mais nenhum crime. Cada vez mais, está certo que vamos mudar por meio da educação. Quando aprovamos a Lei Maria da Penha nas escolas, objetivamos permitir que o jovem entendesse o princípio da tolerância e do amor ao próximo. É nessa fase importante da vida que esse garoto tem que entender a convivência de forma pacífica e que se cometer agressão sofrerá sanções”, explicou o deputado.

Rinaldo apresentou as estatísticas levantadas em pesquisa. “Os números da pesquisa do Datafolha nos deixa estarrecidos. A cada uma hora, no Brasil, 1.830 mulheres são agredidas pelo companheiro. Cerca de 27% das mulheres sofrem alguma violência, 76,4% foram agredidas por conhecidos, 42% tiveram agressões dento lar e 52% decidem não denunciar por medo de perderem vida ou a subsistência, tornando-se reféns de seu algoz”,  destacou.

Outros deputados apoiaram o pronunciamento de Rinaldo. “Essa questão passa por um processo educacional, não é de pena, é de cultura. O menino perpetua o que vê em casa. Não podemos tratar violência contra mulher só do ponto de vista Legislativo. Temos que investir em educação e chamar outros atores para mostrar aos meninos e meninas que é mais muito mais atrativo ser sério e trabalhador do que adentrar no crime”, reforçou Barbosinha (DEM).

“Lembro a frase de uma promotora. Ela dizia que cada vez que acontece violência contra mulher, é o retrato de que a sociedade está doente. Têm homens que não aceitam a progressão da mulher na sociedade e através da violência quer manter a mulher submissa. Com cultura e educação, vamos passar esse momento difícil”, refletiu o deputado Coronel David (PSL).

O deputado Marçal Filho (PSDB) falou sobre a importância da ênfase ao tema. “Esse pronunciamento é mais atual que nunca. Existem milhares de casos em que as mulheres não denunciam, por várias razões. Precisamos reivindicar que iniciativas como a implantação da Casa da Mulher Brasileira se amplie para outros municípios. Essa não é uma luta de agora. Precisamos de respeito acima de tudo e muito amor”, disse.

Fac Feijoada 2019

Deixe seu Comentário

Leia Também

Geral
Compadre Washigton está internado após assalto
Geral
Onze pessoas morrem e uma fica ferida em chacina
Geral
Motociclista morre em acidente na BR-163
Geral
Ativistas pelos direitos humanos e LGBT são homenageados na capital
Geral
Após investigação, diretor de presídio é dispensado em Dourados
Geral
Reservatório no Distrito Federal chega a 100% de capacidade
Geral
Universidade leva serviços gratuitos à comunidade no próximo dia 25
Geral
CapacitaSUAS avança em MS e estado reforça pioneirismo na Assistência Social
Geral
Mega-Sena pode pagar 7 milhões neste sábado
Geral
Novas medidas deixarão banda larga mais acessível, segundo Anatel

Mais Lidas

Polícia
Travesti é encontrada morta na madrugada deste domingo
Cidade
Inscrições para sorteio de apartamentos na capital encerram terça-feira
Polícia
Troca de tiros termina com homem morto e PM ferido
Educação
Estão abertas as Inscrições para o Encceja