Menu
Busca quinta, 23 de setembro de 2021
(67) 99647-9098
TJMS setembro21
Geral

Operação do MP prendeu grupo acusado de falsificar CNHs em Mato Grosso do Sul

10 abril 2013 - 11h26Reprodução

A Operação Nacional contra a Corrupção deflagrada nesta terça-feira (09) pelo Ministério Público em todo o país também teve desdobramentos em Mato Grosso do Sul e Mato Grosso, estados onde foram presos seis integrantes de um grupo acusado de falsificar carteiras nacionais de Habilitação (CNHs). Dos sete mandados de prisão expedidos, seis já foram cumpridos.

A operação foi deflagrada pelo Ministério Público, em parceria com diversos órgãos, e cumpre mandados de prisão, busca e apreensão, bloqueio de bens e afastamento das funções públicas em pelo menos 12 estados. Os mandados foram executados em Cuiabá, capital mato-grossense, e nos municípios de Anastácio, Aquidauana, Nioaque, Sidrolândia e Jateí, em Mato Grosso do Sul.

Segundo a assessoria do Ministério Público de Mato Grosso do Sul (MP-MS), foram presos Elcilande Serafim de Souza, Elcimar Serafim de Souza, Edinaldo Francisco de Lima, Gilmar Rabelo Ferreira, Adélio Paulino e Ivan Costa do Reis, preso em Cuiabá (MT). A polícia ainda está procurando por Elcivar Serafim de Souza.

A operação é um desdobramento de investigação iniciada em outubro de 2012 para apurar as ações de uma quadrilha responsável pela emissão fraudulenta de CNHs e de certificados de cursos de transporte de cargas perigosas, transporte de passageiros e coletivos. Em Cuiabá (MT) a polícia apreendeu documentos, já em Anastácio (MS), um dos presos também foi autuado por porte ilegal de arma.

De acordo com o MP-MS, cada CNH era vendida pelo grupo por valores  entre R$ 1,5 mil e R$ 3 mil. Em menos de três meses, os investigados venderam cerca de 50 habilitações. Os certificados custavam cerca de R$ 400.

Os suspeitos eram ligados ao comércio de autoescolas e centros de formação de condutores. Todos vão responder pelos crimes de falsificação de documento público, falsidade ideológica e formação de quadrilha. Com a soma dos crimes, as penas podem ultrapassar dez anos de prisão.

Os presos serão levados para Campo Grande, sede do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) do Ministério Público de Mato Grosso do Sul, responsável pela operação juntamente com a Polícia Rodoviária Federal (PRF), para serem ouvidos.

Via Agência Brasil

Unica - inverno

Deixe seu Comentário

Leia Também

Geral
SMS de pesquisa de satisfação da empresa Energisa deixa usuários em dúvida
Geral
Surdos defendem Libras como segundo idioma oficial do Brasil
Geral
Mulher com doença rara, morre após receber diagnósticos errados
Geral
'Zé Calango' tem mal súbito e morre enquanto pilotava moto
Geral
Empresa de limpeza conserta moto após homem alegar que funcionários danificaram veículo
Geral
Motociclista morre após bater em uma capivara morta na pista
Geral
Você viu o Noah? Família procura por gato desaparecido há 60 dias
Geral
Homem alega ter moto danificada por empresa de limpeza em Campo Grande
Geral
Seis meses depois da morte do filho, Armando Anache morre aos 91 anos
Geral
Prefeitura de Campo Grande inicia campanha para inibir a doação de esmolas

Mais Lidas

Geral
Vídeo: "Peixe de bosteiro", morador de rua engana população de Paranaíba
Polícia
Menino de 2 anos mata prima atropelada após dar partida em carro
Polícia
Funcionários da Energisa ficam sob mira de arma ao tentar podar árvores na Vila Olinda
Polícia
Operação “Dark Money” investiga desvio de R$ 23 milhões no esquema de corrupção em Maracaju