Menu
Menu
Busca sábado, 25 de maio de 2024
Secovi
Geral

Advogado vai à justiça por Uber

07 dezembro 2016 - 18h06Fernanda Palheta

O advogado João Henrique Catan entrou com ação popular na Justiça, nesta segunda-feira (5), pedindo explicação da Prefeitura Municipal de Campo Grande sobre as fiscalizações abusivas com os motoristas do aplicativo Uber.

Um usuário ativo do aplicativo, o advogado explicou que a ação busca reprimir e conter as fiscalizações que vem ocorrendo “O que motivou o ajuizamento da ação são os abusos cometidos pelo Município, essas atitudes recentes impedem o direito do consumidor do Uber escolher o serviço, porque pode sofrer impedimentos para terminar o percurso, lhe atrasar ou ainda constranger”, relatou.

João Henrique esclarece que existe uma distinção na definição do táxi e do Uber. “Algumas pessoas dizem que o Uber não tem regulamentação, isso é uma inverdade. A Lei de Política Nacional de Mobilidade Urbana, que é uma Lei Federal, regulamenta tanto o Uber quanto o sistema de Táxi, a diferença é que ela classifica o taxi como sendo transporte público individual e o Uber como sendo transporte motorizado privado”, ressalta.

Os taxistas possuem uma lei que regulamenta a profissão, é o que explica o advogado. “A Lei de 1974 que estabelecia garantias aos taxistas e a nova Lei n°12.468 que regulamentou a profissão de taxista deu exclusividade para estes explorarem o transporte público individual até sete pessoas”, explica João Henrique. 

Já os motoristas de Uber não possuem uma lei federal que dá exclusividade para explorar o serviço em que está categorizado. “O Uber apesar de estar devidamente regulamentada, não possui é uma Lei Federal que lhe dê exclusividade da exploração do serviço de transporte motorizado particular”, destaca o advogado. 

“Diferente do táxi, que o Município detém influencia como a expedição de alvará, o Uber não é competência da Prefeitura”, relata João Henrique. O advogado ainda esclarece que as regulamentações sobre o transito e informática são de responsabilidade as União. “A Prefeitura não possui competência para legislar sobre a matéria”, explica. 

Para João Henrique a chegada do aplicativo em Campo Grande representa um avanço. “O Uber chegou em Campo Grande antes mesmo de chegar em Cuiabá, isso para mim é um sinal de desenvolvimento. Agora que temos um sistema novo, mais moderno, oferecendo um serviço melhor ao consumidor”, concluiu. 

A Justiça aguarda uma manifestação legal da Prefeitura, que tem um prazo de 72 horas para se manifestar em casos que a gente pede liminar. 

 

Reportar Erro
Assembleia - Maio24

Deixe seu Comentário

Leia Também

Campanha do Agasalho
Geral
Areias da Esperança promove 'Campanha do Agasalho' para arrecadar roupas de frio
Mutirão para emissão de RG de PCDs
Geral
Prefeitura de Campo Grande realiza mutirão para emissão do novo RG de PCDs
Bilhete de aposta da Mega-Sena
Geral
Mega-Sena sorteia prêmio acumulado de R$ 47 milhões neste sábado
Vai pagar? Netflix aumenta preços de assinaturas no Brasil; confira os valores
Geral
Vai pagar? Netflix aumenta preços de assinaturas no Brasil; confira os valores
Atendentes na nova sede do Procon-MS
Geral
Após suspensão, Procon-MS retoma atendimentos por telefone e adota tecnologia VoIP
Tony Ramos deixa o hospital após passar por duas cirurgias cerebrais
Geral
Tony Ramos deixa o hospital após passar por duas cirurgias cerebrais
Sérgio Longen, presidente da FIEMS
Geral
Dia da Indústria: Longen destaca avanço do setor em Mato Grosso do Sul
Energisa abre turmas exclusiva para mulheres em curso de eletricista
Geral
Energisa abre turmas exclusiva para mulheres em curso de eletricista
Mega-Sena promoveu mais um sorteio
Geral
Mega-Sena acumula e prêmio salta para R$ 47 milhões
Corregedoria deve verificar in loco o funcionamento do TJMS
Justiça
Juiz do Amapá é investigado e afastado cautelarmente por ligações com facções

Mais Lidas

Amalha trabalhava como corretora de imóveis
Polícia
Corretora foi morta a pauladas por 'amigo' após não entrar em esquema de golpe
Amalha era corretora de imóveis
Polícia
AGORA: Choque prende um dos autores do assassinato da corretora Amalha Mariano
Amalha foi vítima de três sessões de espancamento antes de ser morta em Porto Seco
Polícia
Amalha foi vítima de três sessões de espancamento antes de ser morta em Porto Seco
O caso foi registrado na Depac Cepol em Campo Grande
Polícia
Mulher é ameaçada de morte por agiota na Capital: 'vai pagar por bem ou por mal'