Menu
Menu
Busca quarta, 19 de junho de 2024
TJMS - Jun24
Geral

STF decide adaptar liminares sobre dívidas dos estados ao acordo com União

01 julho 2016 - 13h56

Os ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) decidiram, por maioria, a adaptação das liminares concedidas aos estados sobre o cálculo da dívida com a União ao acordo firmado entre o governo e os estados.

As liminares concedida aos estados permitiam o pagamento das dívidas com prestações menores, pois autorizava a correção dos débitos por juros simples (que incide somente no capital inicial) e não por juros compostos (juros sobre juros), forma que é adotada atualmente pela União.

No último dia 20, o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, e representantes de 25 estados chegaram a um acordo para refinanciar a dívida. Pelo acordo, os estados e o Distrito Federal terão carência de seis meses nas parcelas até dezembro. A partir de janeiro, as prestações terão descontos, que serão progressivamente reduzidos até julho de 2018.

No julgamento de hoje (1º), os ministros analisaram uma ação de Santa Catarina, o primeiro estado a conseguir uma liminar. Outros estados também recorreram à Corte, como Rio Grande do Sul, Minas Gerais e Mato Grosso do Sul.

A maioria dos ministros seguiu o voto do relator da ação, ministro Edson Fachin, que disse ontem (30) ter recebido da União informações sobre o acordo firmado com os estados. A União pediu que as liminares fossem revistas para que fossem aplicados os termos do acordo debatido.

“Proponho ao colegiado que seja deferido [aceito] o pedido formulado pela União nesses termos a fim de que sejam aplicados cautelarmente aos autos e às liminares os exatos termos dos ajustes negociados com os estados, a partir do dia primeiro de julho de 2016, conforme a ata da reunião realizada no dia 20 de junho passado”, disse Fachin.

Julgamento

Em abril, o Supremo colocou o tema na pauta, mas decidiu suspender por 60 dias o julgamento das ações sobre o cálculo das dívidas dos estados com a União. A decisão da Corte atendeu a uma proposta do ministro Luís Roberto Barroso. Segundo o ministro, a questão não deveria ser judicializada e, durante o período de suspensão, deveria ser decidida pelas partes e o Congresso Nacional.

Reportar Erro

Deixe seu Comentário

Leia Também

Juiz Fábio Possik Salamene -
Justiça
TJ designa 'desembargador substituto'
Leonildo Herrero atuou por 38 anos na Santa Casa da Capital
Geral
Morre o médico Leonildo Herrero
Prime Video anuncia série inspirada na penitenciária de Tremembé
Geral
Prime Video anuncia série inspirada na penitenciária de Tremembé
Escola Municipal na Vila Nasser ganha ponto de coleta de óleo usado
Geral
Escola Municipal na Vila Nasser ganha ponto de coleta de óleo usado
Jamil Name Filho, também conhecido como
Justiça
Caso Playboy da Mansão: juiz autoriza Jamilzinho ser julgado por videoconferência
Bilhete de aposta da Mega-Sena
Geral
Sem acertos, prêmio da Mega-Sena sobe para R$ 60 milhões
Aparecida Graciano de Souza é acusada de homicídio qualificado -
Interior
Idosa acusada de matar e esquartejar marido em MS pede liberdade à Justiça
Segmento receberá ajuda financeira
Geral
Governo anunciará medidas para o setor audiovisual brasileiro
Jamil Name Filho, também conhecido como
Justiça
TJMS aumenta pena de Jamilzinho para 15 anos por extorsão com taco de beisebol e armas
Coronel Nivaldo de Pádua assume Subcomando-Geral da PM
Geral
Coronel Nivaldo de Pádua assume Subcomando-Geral da PM

Mais Lidas

Inverno 2024
Clima
Inverno começa nesta semana e deve ter temperaturas acima da média em 2024
Menina fez o jogo e guardou o bilhete em casa
Geral
50 milhões! Criança acerta números da Mega-Sena, mas pais esquecem de pagar aposta
Sol raiou em Campo Grande
Clima
Tempo seco breca chegada de frente fria e calor se mantém nesta terça em MS
Breno Souza Firmino, de apenas 16 anos, atuava como volante na equipe SUB-17 da Portuguesa
Polícia
Adolescente de time de MS morre na Capital