Menu
Busca segunda, 21 de setembro de 2020
(67) 99647-9098
TJMS setembro20
Geral

Tufão: governo filipino confirma 1.744 mortes; ONU estima em mais de 10 mil

12 novembro 2013 - 11h57Via Terra
Pelo menos 1.744 pessoas morreram nas Filipinas durante a passagem do tufão Haiyan, informaram nesta terça-feira os órgãos oficiais do país, enquanto os dados extraoficiais falam de dezenas de milhares de mortos.

As Nações Unidas, por outro lado, estimou em mais de 10 mil o número de mortes provocadas pelo tufão que há quatro dias arrasou as províncias centrais do arquipélago.

O Conselho para a Gestão e Redução de Desastres do país prossegue com uma lenta apuração oficial e, em seu último relatório, também fala de 2.487 feridos.

Cerca de 10 milhões de filipinos foram afetados pelos estragos causados pelo tufão "Haiyan", batizado como "Yolanda" pelas autoridades locais. Pelo menos 660 mil pessoas estão desalojadas, segundo estimativa do órgão governamental.

O último relatório oficial, que datava de segunda-feira, cifrava os mortos em 255.

Além de Tacloban, a capital da ilha de Leyte, onde são estimados uns 10 mil mortos apenas na cidade, existem muitos povoados pequenos pela região que estão totalmente isolados e nos quais a ajuda humanitária ainda não chegou.

"À medida que temos mais acesso (a outras regiões) encontramos mais e mais gente morta pelo tufão", declarou John Ging, membro do departamento humanitário das Nações Unidas, na sede da organização.

As equipes de limpeza estão tendo trabalho para retirar os montes de cabos, árvores e toneladas de escombros das estradas para liberar a passagem dos caminhões com comida, água potável e tendas de campanha.

Precisamente, a escassez de bens de necessidade primária criou um clima de histeria entre os sobreviventes, que estão famintos e sem nada para beber e perambulam pelas estradas da região.

O porta-voz da Defesa Civil do país, Reynaldo Balido, declarou que o restabelecimento da ordem em Tacloban e em outras áreas é uma das "principais prioridades", enquanto a Polícia Nacional e o Exército enviaram reforços ao local para garantir a paz e a ordem na região.

Antes da chegada deste último tufão às Filipinas, o 24º do ano, os meteorologistas tinham alertado que ele poderia ter um efeito ainda mais devastador que o tufão Bopha, que em 2012 deixou quase 2 mil de mortos e desaparecidos.

O desmatamento, a proliferação de jazidas de mineração ilegal, a infraestrutura deficiente e a urbanização desordenada aumentam os efeitos devastadores das chuvas e dos frequentes tufões que atingem as Filipinas durante o período das monções.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Geral
MS aumenta rigor e autuações contra queimadas já superam ano de 2019
Geral
Pré-candidato na capital, Renato Branco morre em decorrência da Covid-19
Geral
Mega-Sena acumula e deve pagar R$ 43 milhões na quarta-feira
Geral
Fernando e Sorocaba fazem live neste domingo; confira outros artistas
Geral
Na pandemia, Thomaz Lanches descobre evasão de 20%
Geral
Luísa Sonza está sendo processada por suposto ato racista
Geral
Live com presidente do TRE abre cobertura das eleições no JD1
Geral
Morador de MS recebe sementes misteriosas da China e governo emite alerta
Geral
Mariano e Jake protagonizam beijo "morno" durante festa em "A Fazenda"
Geral
Prêmio acumulado de R$ 36 mi da Mega-Sena será sorteado neste sábado

Mais Lidas

Geral
MS aumenta rigor e autuações contra queimadas já superam ano de 2019
Polícia
Queda de árvore queimada em rodovia causa acidente que deixa 12 mortos
Clima
Chuva foi pequena, mas ocorreu em 21 municípios de MS
Vídeos
AO VIVO: Acompanhe a 1ª Parada online da Cidadania e do Orgulho LGBTQIA+/MS