Menu
Busca domingo, 19 de setembro de 2021
(67) 99647-9098
Gov - Estado que Cresce (set21)
Geral

Tufão: governo filipino confirma 1.744 mortes; ONU estima em mais de 10 mil

12 novembro 2013 - 11h57Via Terra
Pelo menos 1.744 pessoas morreram nas Filipinas durante a passagem do tufão Haiyan, informaram nesta terça-feira os órgãos oficiais do país, enquanto os dados extraoficiais falam de dezenas de milhares de mortos.

As Nações Unidas, por outro lado, estimou em mais de 10 mil o número de mortes provocadas pelo tufão que há quatro dias arrasou as províncias centrais do arquipélago.

O Conselho para a Gestão e Redução de Desastres do país prossegue com uma lenta apuração oficial e, em seu último relatório, também fala de 2.487 feridos.

Cerca de 10 milhões de filipinos foram afetados pelos estragos causados pelo tufão "Haiyan", batizado como "Yolanda" pelas autoridades locais. Pelo menos 660 mil pessoas estão desalojadas, segundo estimativa do órgão governamental.

O último relatório oficial, que datava de segunda-feira, cifrava os mortos em 255.

Além de Tacloban, a capital da ilha de Leyte, onde são estimados uns 10 mil mortos apenas na cidade, existem muitos povoados pequenos pela região que estão totalmente isolados e nos quais a ajuda humanitária ainda não chegou.

"À medida que temos mais acesso (a outras regiões) encontramos mais e mais gente morta pelo tufão", declarou John Ging, membro do departamento humanitário das Nações Unidas, na sede da organização.

As equipes de limpeza estão tendo trabalho para retirar os montes de cabos, árvores e toneladas de escombros das estradas para liberar a passagem dos caminhões com comida, água potável e tendas de campanha.

Precisamente, a escassez de bens de necessidade primária criou um clima de histeria entre os sobreviventes, que estão famintos e sem nada para beber e perambulam pelas estradas da região.

O porta-voz da Defesa Civil do país, Reynaldo Balido, declarou que o restabelecimento da ordem em Tacloban e em outras áreas é uma das "principais prioridades", enquanto a Polícia Nacional e o Exército enviaram reforços ao local para garantir a paz e a ordem na região.

Antes da chegada deste último tufão às Filipinas, o 24º do ano, os meteorologistas tinham alertado que ele poderia ter um efeito ainda mais devastador que o tufão Bopha, que em 2012 deixou quase 2 mil de mortos e desaparecidos.

O desmatamento, a proliferação de jazidas de mineração ilegal, a infraestrutura deficiente e a urbanização desordenada aumentam os efeitos devastadores das chuvas e dos frequentes tufões que atingem as Filipinas durante o período das monções.
Unica - inverno

Deixe seu Comentário

Leia Também

Geral
Neto de Luciano do Valle morre após ser baleado em assalto
Geral
Prefeitura lança 1º campeonato público de Free fire e Clash royale em Campo Grande
Vídeos
'Cai devagarinho até embaixo': Funkeira leva tombo ao dançar em cima de carro
Geral
Corre que ainda da tempo! Mega-Sena sorteia prêmio de R$ 23,5 milhões hoje
Oportunidade
'Domingo em família' terá 2.128 oportunidades de emprego na Afonso Pena
Geral
Criança tem cabelo cortado em escola e pai entra com processo por discriminação
Geral
Após notícia que Pelé voltou à UTI, filha do craque nega e tranquiliza ‘se recuperando bem’
Entrevista
Agora: Valério Azambuja fala sobre concurso da GCM
Geral
Abandonada por amigos em deserto, brasileira morre de fome e sede
Geral
“Meu filho me sustentava, agora o Thales faz tudo por mim”, diz mãe de Paulo Gustavo

Mais Lidas

Polícia
Homem encontra pênis decepado dentro de pote no jardim da casa da mãe
Saúde
Com 8 meses de vacinação, MS é o 1º Estado a atingir imunidade coletiva
Polícia
Homem encontra o pai morto em avançado estado de decomposição na Vila Carvalho
Brasil
Homem coloca fogo em casa com ex-mulher e filhos dentro