Menu
Busca terça, 29 de setembro de 2020
(67) 99647-9098
Geral

Turistas pagavam até US$ 40 mil por caça ilegal no Pantanal, diz Ibama

07 maio 2011 - 06h19Ibama

Turistas estrangeiros pagavam de 30 a 40 mil dólares para caçar ilegalmente no Pantanal de Mato Grosso do Sul e participavam de safáris, que eram feitos em uma fazenda no município de Aquidauana, localizada a 130 quilômetros de Campo Grande. De acordo com o superintendente do Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e Recursos Renováveis (Ibama/MS), David Lourenço, esses valores incluíam passagens aéreas, hospedagem e todo o tipo de munições e armamentos usados para a caça.

(Correção: a primeira versão desta reportagem afirmava que os turistas pagavam até 40 mil reias. Na verdade, o valor era pago em dólar. A reportagem foi corrigida às 14h26.)

A denúncia do esquema partiu de um vídeo anônimo encaminhado para a Polícia Federal (PF) e foi feito por um norte-americano. Segundo David, as imagens mostram que a principal atração era a matança de onças. “Isso é uma evidência clara de que os safáris eram feitos em Mato Grosso do Sul e por isso precisam ser investigados mais profundamente”, disse o superintendente.

Policiais federais e agentes do Ibama apreenderam na última quinta-feira (5) várias peles e partes de animais abatidos além de armas, algumas delas, de uso restrito às forças policiais.

Isso é uma evidência clara de que os safáris eram feitos em Mato Grosso do Sul e por isso precisam ser investigados"David Lourenço, superintendente do IbamaForam encontrados 12 galhadas de cervo, dois crânios de onça, uma mandíbula de porco monteiro, uma pele de sucuri com 3,5 metros, cinco revólveres calibre 38, uma pistola 357 (de uso restrito), uma carabina, dois fuzis, 17 caixas de munições de diversos calibres, dois alforjes (bolsas usadas durante a caça) e dois tubos de turro, que quando soprados emitem um som para atrair onças.

O Ibama esclareceu ainda que os primeiros indícios de que na propriedade eram realizados abates clandestinos de animais surgiram durante a operação Jaguar, realizada em junho de 2010, quando a PF prendeu integrantes de organização que agia em Mato Grosso do Sul, Mato Grosso e Paraná na caça de animais como onças pintadas, onças pardas e jacarés.

As investigações da operação começaram no ano passado em Corumbá, município pantaneiro distante 426 quilômetros de Campo Grande.

Segundo informações da PF, as ações criminosas dos grupos eram feitas com a participação de caçadores brasileiros e estrangeiros que visitavam o Pantanal apenas para a realização das atividades predatórias.

Com informações do portal G1.

Rota do Pantanal

Deixe seu Comentário

Leia Também

Geral
Corumbá recebe duas aeronaves para auxiliar as equipes nos combates a incêndio
Geral
Antecipação do INSS poderá ser pedida sem limitação de distância
Geral
Nota MS Premiada terá o 8° sorteio de R$ 300 mil nesta quarta
Geral
Outubro pode começar sem toque de recolher
Geral
Vídeo: "Homem enfiando no c* do outro não é de Deus”, diz mulher ao ameaçar casal gay
Geral
Capital perde Pierre Adri
Geral
Super salário é a "cruz" para Harfouche na campanha
Geral
Empresa cria aplicativo para detectar incêndios e desmatamento
Geral
Homem visita academia, passa mal e morre em Campo Grande
Geral
MP e Fiems unem-se contra compra de votos

Mais Lidas

Cidade
Lei que prevê multas e punições para quem passar trote no 190 e 193 foi sancionada hoje
Justiça
Bolsonaro sanciona lei sobre maus-tratos a animais acompanhado do pitbull Sansão em Brasília
Polícia
Jovem é assassinada com oito tiros na Capital
Cidade
Funsat Itinerante vai atender na Vila Popular nos dias 01 e 02 de outubro