Menu
Busca domingo, 26 de janeiro de 2020
(67) 99647-9098
Perkal Topo - janeiro-20
Justiça

“Desvios foram praticados por ex-diretor”, diz Odilon em nota

“Eu próprio dei início às apurações", disse o ex-juiz

12 setembro 2019 - 18h10Joilson Francelino

O juiz aposentado, Odilon de Oliveira, manifestou-se nesta quinta-feira (12) a respeito do procedimento instaurado contra ele pelo Tribunal Regional Federal da 3ª Região (TRF-3), por suposta omissão ao crime praticado pelo ex-diretor da secretaria da 3ª Vara Criminal de Campo Grande, Jedeão de Oliveira.

Por nota, Odilon relatou detalhes do caso envolvendo seu ex-diretor e esclareceu pontos importantes do processo administrativo. Confira na íntegra:

“O fato diz respeito, não aos desvios praticados pelo ex-diretor de secretaria, mas a uma trituração de papéis em seu último dia de trabalho. Certamente o fez para tentar encobrir falcatruas. Seis dias depois, a pedido meu, o Tribunal o exonerou. Depois, no final de 2018, foi condenado, pelos desvios, a 41 anos de prisão.

O Tribunal isentou de culpa todos os servidores da vara e os juízes. Lembro que, na época, comuniquei os fatos ao Tribunal e pedi uma correição extraordinária na vara. Veio uma equipe da Corregedoria do TRF-3. Eu próprio já havia formado uma força-tarefa com integrantes também da polícia federal. Mandei desarquivar todos os processos desde o ano de 2.000.

Quatro meses depois, encaminhei o resultado ao Corregedor do Tribunal. Todas as apurações das falcatruas do ex-diretor foram feitas por mim, também porque a corregedoria não tinha como permanecer todo esse tempo em Campo Grande.

Trata- se de matéria administrativa. Não é denúncia do MPF. Eu próprio dei início a todas as apurações. No dia 25 de julho de 2016, dois meses depois de eu começar as apurações auxiliado pela força-tarefa, encaminhei a Corregedoria do TRF o ofício n.330/16, solicitando que fizesse uma correição extraordinária na vara, para apurar eventuais responsabilidades de qualquer servidor da vara, incluindo do próprio juiz. Foi daí, de requerimento meu, que nasceu tudo, inclusive esses penduricalhos (trituração de papéis, que diz respeito a este procedimento)

É um expediente meramente administrativo. O MPF atuou na esfera penal oferecendo denúncia somente contra o ex-diretor. As investigações da polícia federal, requeridas por mim mesmo, através do ofício 285, de 30/06/16, não encontrou envolvimento de mais ninguém. Igualmente, só contra o ex-diretor o MPF ofereceu denúncia. O processo penal está em grau de recurso, no TRF.

Em síntese, tudo nasceu de pedidos meu mesmo, para que, final, embora isto seja demorado, não reste qualquer dúvida sobre o juiz da vara, que já foi exonerado de qualquer responsabilidade pessoal pelas falcatruas do ex-diretor de secretaria”.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Justiça
Internos farão manutenção de espaços públicos de Campo Grande
Justiça
STJ nega HC e Jamil segue preso em Mossoró
Justiça
Lei anticrime entra em vigor nesta quinta-feira
Justiça
MP acusa ex-presidente da Vale e outras 15 pessoas por 270 homicídios
Justiça
OAB quer esclarecimento do BNDES sobre auditoria de R$ 48 milhões
Justiça
Defesa diz que Valler não usou cocaína e que droga era de veterinária morta
Justiça
Em nota, MPF justifica mudança para Dourados, mas não responde sobre diárias
Justiça
Depois da “fuga” de Ponta Porã, MPF evita responder sobre diárias para idas à fronteira
Justiça
Brasil fecha fronteira com Paraguai após fuga de presos neste domingo
Justiça
Prazo de juiz de garantias pode mudar investigação de Flávio e Lula

Mais Lidas

Polícia
Homem é encontrado morto com sinais de espancamento em terreno
Esportes
Internacional vence Grêmio nos pênaltis e ganha Copa São Paulo de Juniores
Geral
Bruno Covas recebe alta após 7ª sessão de quimioterapia
Polícia
Casal é preso com mais de R$ 400 mil em celulares e relógios