Menu
Menu
Busca domingo, 19 de maio de 2024
TJMS Maio24
Justiça

Juiz pede ajuda federal para julgar Jamilsinho

Aluizio Pereira do Tribunal do Júri quer garantir julgamento dia 15 deste mês

08 fevereiro 2023 - 17h14Gabrielly Gonzalez    atualizado em 08/02/2023 às 17h44

Aguardado por muitos, o júri popular de Jamil Name Filho e de outros dois deve começar dia 15 deste mês e durar três dias. Eles respondem por matar o jovem Matheus Coutinho Xavier, de 20 anos, por engano no lugar do pai. Mas a defesa do trio tem tentado suspender o júri por meio de habeas corpus. Com isso, o juiz Aluizio Pereira dos Santos, da 2ª Vara do Tribunal do Júri, enviou ofício ao ministro da Justiça e Segurança Pública, Flávio Dino, pedindo com urgência um "esforço" para que os réus sejam transferidos a Campo Grande.

"O motivo prende-se ao fato de que se encontram no presídio federal de Mossoró, RN, os quais são oriundos desta capital. Outrossim, alguns deles também foram pronunciados por outro homicídio qualificado [...], em coautoria, que se encontram pendentes de recurso no TJ/MS para irem novamente a júri (vítima Marcel Costa Hernandes Colombo), salientando, por oportuno, que respondem mais processos na vara criminal residual, inclusive, organização criminosa", diz parte do ofício.

Segundo os advogados de defesa o júri popular - pela execução do estudante Matheus deve ser suspenso por "plenitude da defesa", uma vez que a participação dos réus deve ser presencial e não por videoconferência. Jamilzinho reforçou seu time de defesa com o ministro aposentado do Superior Tribunal de Justiça Nefi Cordeiro.

Em contrapartida, o juiz Aluizio Pereira reforçou que o julgamento ocorrerá de qualquer forma. "É indiferente estarem presentes na sessão ou por videoconferência até porque será realizado de qualquer forma, lembrando que pelo tempo que se encontram presos e se eventualmente conseguir adiar o júri, abre frestas para a liberdade diante de um caso de repercussão pública", afirma em documento assinado nesta quarta-feira (8).

Em 1º de fevereiro, o juiz já havia manifestado a importância da manutenção do julgamento, como satisfação para os familiares da vítima e da sociedade. Como medida de urgência, o magistrado tenta viabilizar a vinda dos réus para a Capital.

Ainda em documento expedido com urgência, o juiz ressalta que "Diante de interpretações diversas que eventualmente sejam dadas ao caso, correr-se-á o risco de se anular um júri numa das instâncias superiores, quiçá pelo STJ ou STF, que, de antemão, envolverá vários dias o julgamento, daí o prejuízo tomará proporção o que, à toda evidência, de bom alvitre evitar, mormente se há ainda tempo suficiente para escoltá-los, minando assim qualquer argumento nesse sentido", completou a preocupação em ofício.

Veja o Ofício na íntegra: 

 

Caso

O empresário Jamil Name Filho, o guarda municipal Marcelo Rios e o policial civil Vladenilson Daniel Olmedo respondem pela morte de Matheus Coutinho Xavier, morto aos 20 anos, em abril de 2019, por engano no lugar do pai, o capitão da Polícia Militar, Paulo Roberto Teixeira Xavier.

A defesa tenta suspender o júri popular no Tribunal de Justiça, no Superior Tribunal de Justiça e poderá recorrer até o Supremo Tribunal Federal. No próximo dia 12 de fevereiro, o ministro Rogério Schietti Cruz, do STJ, analisa um pedido com esta finalidade.

Reportar Erro

Deixe seu Comentário

Leia Também

Urna eleitoral eletrônica
Justiça
Concluído: testes em urnas eletrônicas reiteram que sistema de votação é seguro
O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Cristiano Zanin
Justiça
Zanin suspende por 60 dias decisão de reoneração da folha de pagamentos
Prédio do Fórum de Campo Grande passa por reformas e contará com novo monumento
Justiça
Concurso escolherá monumento do Fórum da Capital
STF; justiça
Justiça
STF julga assédio judicial contra jornalistas
STJ decide que demora em fila de banco não gera dano moral presumido
Justiça
STJ decide que demora em fila de banco não gera dano moral presumido
Imagem: Arquivo/
Justiça
MPMS se posiciona contra anulação de acordo para desmatamento no Parque dos Poderes
Tiago Vargas e Lívio Viana Leite -
Justiça
Tiago Vargas é condenado por coação contra médico da Ageprev
TSE começa a julgar recursos para cassação de Moro
Justiça
TSE começa a julgar recursos para cassação de Moro
Treta no estabelecimento terminou com um homem ferido e um PM preso
Justiça
PM que atirou em homem em bar na Capital tem acusação 'aliviada' pelo MPMS
A condenação se deu por lesão corporal leve e injúria estando em serviço
Justiça
Juiz manda prender homem acusado de matar mulher queimada em MS

Mais Lidas

Recurso financeiro "deixou de ser problema", diz Puccinelli sobre campanha
Política
Recurso financeiro "deixou de ser problema", diz Puccinelli sobre campanha
Sem vergonha, homem se esfrega em mulher durante show evangélico; vídeo
Polícia
Sem vergonha, homem se esfrega em mulher durante show evangélico; vídeo
Ele estava levando um passageiro quando o acidente aconteceu; os dois foram socorridos pelo SAMU
Polícia
JD1TV AGORA: Motoqueiro de aplicativo acerta árvore em rua do Centenário
Baderneiro morre ao ser baleado por sargento da PM a paisana na Lord Pub
Polícia
Baderneiro morre ao ser baleado por sargento da PM a paisana na Lord Pub