Menu
Busca quarta, 20 de fevereiro de 2019
(67) 99647-9098
Justiça

Justiça condena ex-secretário de Estado e servidoras por improbidade

Os acusados de fraude foram condenados a pagar R$ 3.696,00; mas MPF recorre por sentença mais rigorosa

29 janeiro 2019 - 17h16Rayani Santa Cruz, com assessoria

O ex-secretário de Trabalho, Emprego e Renda de MS, Agamenon Rodrigues do Prado, duas servidoras públicas e o Colégio Vanguarda, acusados de fraude no valor de R$ 41,6 mil, foram condenados pelo Tribunal Regional Federal da 3ª Região (TRF-3) a pagarem o valor de R$ 3.696,00 à União pela atestação da execução de serviços não prestados pelo Colégio no âmbito do Plano Nacional de Qualificação Profissional (Planfor).

Mas, diante da condenação o Ministério Público Federal em Mato Grosso do Sul (MPF/MS) recorreu ao TRF-3, e pediu sentença mais rigorosa.  O MPF quer que a condenação inclua outras acusações de fraude nas próprias contratações do Colégio Vanguarda com prejuízos estimados em R$ 37.925,62 (valor de 2005) e o envolvimento de outras quatro pessoas, integrantes das Comissões Especiais de Licitação à época.

De acordo com o MPF, a ação de improbidade, ajuizada por ele em 2005, diz respeito a fraude em contratações para a oferta de cursos profissionalizantes pelo Governo de Mato Grosso do Sul no ano de 2000, no valor total de R$ 76,3 mil. Os recursos federais foram utilizados irregularmente através de dois contratos. A Justiça Federal, porém, reconheceu improbidade em apenas um dos contratos e condenou três servidores – entre eles o ex-secretário de Estado do Trabalho, Emprego e Renda de Mato Grosso do Sul (Seter), Agamenon Rodrigues do Prado – e o Colégio Vanguarda, tendo excluído da condenação outros quatro servidores. Além do ressarcimento de R$ 3.969,00, a condenação incluiu multa variável de R$ 1.440,00 a R$ 7.392,00, perda dos direitos políticos e da possibilidade de contratar com o poder público por cinco anos e, no caso das servidoras, a perda da função pública.

Para o MPF, houve improbidade nas duas contratações, que foram realizadas na mesma época, sendo que o ex-secretário acabou reconhecendo a sentença, e agiu com o intuito de beneficiar indevidamente o Colégio Vanguarda. Além disso, o recurso sustenta que os integrantes das Comissões Especiais de Licitação aderiram às contratações indevidas ao terem admitido uma série de graves ilegalidades nos processos. Inclusive, porque o Colégio Vanguarda sequer preenchia os requisitos mínimos exigidos para as contratações de acordo com as normas do programa.

Com a reforma da decisão, o MPF pretende que os réus sejam condenados ao ressarcimento do total de RS 41.621,62 (atualizado em valores de hoje, mais de R$ 126 mil) e ao pagamento de multa proporcional à gravidade dos fatos.

Entenda o caso

Em 2003, o Ministério Público Federal em Mato Grosso do Sul (MPF/MS), a partir dos resultados de Tomada de Contas Especial do Ministério do Trabalho e Emprego, instaurou investigação para apurar irregularidades relativas à contratação e execução de ações de qualificação profissional no âmbito do Plano Nacional de Qualificação Profissional (PLANFOR), que recebia recursos federais da União. Essas irregularidades estavam ligadas a dois contratos, entre outros – SETER/MS n. 04/00 (Processo Licitatório n. 16/000411/2000) e n. 58/00 (Processo Licitatório n. 16/000307/2000) – firmados entre o Governo do Estado e o Colégio Vanguarda. O direcionamento da contratação envolveu a dispensa de licitação, não cumprimento de requisitos dos editais e até falta de documentos relacionados à habilitação e qualificação do Colégio.

Na execução do projeto, foi constatado que R$ 41,6 mil da verba disponibilizada pelos contratos (cerca de R$ 76,3 mil) não foi utilizada, inclusive não tendo sido ministrada a totalidade das aulas e treinamentos contratados.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Justiça
Juízes tomam posse como membros efetivos do TRE-MS
Justiça
Nando e comparsa serão julgados na quarta-feira, pela morte de "Larissa"
Justiça
STF volta a julgar criminalização da homofobia
Justiça
STF debate amanhã criminalização da homofobia
Justiça
Escola Judicial de MS capacitou servidores do Judiciário
Justiça
Justiça aceita denúncia de associação criminosa e fraude em aeroporto
Justiça
STJ nega pedido de prisão domiciliar do médium João de Deus
Justiça
Nando pega mais dois anos de prisão por ocultação de cadáver
Justiça
Vínculo afetivo supera laços biológicos, decide TJ
Justiça
Paschoal Leandro dá posse à magistrados no TJ-MS

Mais Lidas

Geral
Imagens fortes: Mulher perde 80% do lábio inferior após ser mordida em briga
Polícia
No centro, homem tenta fotografar partes íntimas de mulher
Polícia
Mulher é espancada após negar manter relações sexuais com marido
Polícia
Em briga na cela, presidiário fura olho de outro