Menu
Busca segunda, 26 de fevereiro de 2024
(67) 99647-9098
Justiça

STF deve julgar amanhã pedido de Aras contra resolução sobre fake news

Procuradoria-Geral da República considera que medida promove censura prévia

24 outubro 2022 - 14h31Brenda Leitte, com Agência Brasil

O plenário do Supremo Tribunal Federal (STF) vai julgar amanhã (25) recurso da Procuradoria-Geral da República (PGR) para suspender trechos de nova resolução do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) sobre combate à desinformação e notícias falsas (fake news) nas eleições. 

No sábado (22), o ministro Edson Fachin, do Supremo, negou o primeiro pedido do procurador-geral da República, Augusto Aras, que vê risco de censura em trechos da resolução aprovada na quinta-feira (20) pelo TSE. 

Aras recorreu ontem (23) da decisão de Fachin e reiterou o entendimento de que a nova resolução promove “censura prévia”. Após liberação rápida pelo relator, a presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Rosa Weber, decidiu marcar para amanhã (25) uma sessão extraordinária do plenário virtual, com duração de 24 horas, para julgar o agravo da PGR. 

O julgamento começa a 0h e se encerra às 23h59 de terça-feira (25). No plenário virtual, os ministros do Supremo depositam seus votos em um ambiente digital, sem debate em tempo real. 

Argumentos

A resolução do TSE foi aprovada por unanimidade e amplia o poder de polícia do tribunal para, por exemplo, derrubar posts e perfis em redes sociais que repliquem conteúdos já julgados falsos pela Justiça Eleitoral. Pela norma, o tempo dado às plataformas para cumprir as decisões foi reduzido para duas horas. 

O texto é uma tentativa do TSE de controlar a viralização de informações falsas ou descontextualizadas, que pretendam influenciar o processo eleitoral e a corrida presidencial. Segundo o presidente da Corte, ministro Alexandre de Moraes, as denúncias sobre informações falsas recebidas pelas principais plataformas subiram 1.600% no segundo turno. 

Para a PGR, os poderes previstos na norma são ineficazes para controlar a disseminação de informações falsas na internet, ao mesmo tempo em que representariam “inegável limitação da liberdade de expressão”, violando a Constituição.  

Fachin rejeitou o argumento, afirmando que liberdade de expressão não pode ser utilizada para, por exemplo, atacar a própria democracia. O ministro afirmou ser legítimo e previsto na lei que o TSE decida e exerça poder de polícia sobre assuntos relativos à propaganda eleitoral. 

“A liberdade de expressão não pode ser exercida a partir de mentiras e realidade não partilhável, pois assim ela se constitui em óbice ao direito coletivo e individual de terceiros à informação verdadeira”, escreveu Fachin. 

Reportar Erro

Deixe seu Comentário

Leia Também

Política
TSE manda oficiar TRE-MS sobre cassação de Rafael Tavares
Justiça
TSE vota amanhã as regras para uso de inteligência artificial nas eleições
Justiça
Fórum de Rio Brilhante abre inscrições para estagiários de Direito
Justiça
Veja a agenda de atendimento da Justiça Itinerante nesta semana
Justiça
Ex-secretários de saúde de Glória de Dourados são condenados pelo TCE-MS
Brasil
Filho de desembargadora de MS preso em SP começa cumprir pena de 8 anos de prisão
Educação
Riedel sanciona lei que assegura matrícula de irmãos na mesma escola em MS
Justiça
Justiça mantém preso homem que cometeu duplo homicídio por ciúmes em Campo Grande
Justiça
STF irá julgar na terça-feira recursos de anulação de provas da Odebrecht
Justiça
STF forma maioria e condena mais 15 pelos ataques do 8 de janeiro

Mais Lidas

Polícia
AGORA: Casal morre após carro bater em carreta na BR-163, em Campo Grande
Polícia
Corpo é encontrado em pesqueiro no Jardim Pênfigo
Polícia
Cantor apanha após dançar com mulher durante baile em chácara do Bonança
Polícia
Cadeirante é encontrado morto em avançado estado de decomposição