Menu
Busca quarta, 02 de dezembro de 2020
(67) 99647-9098
Sesi - Geração de Empregos
Política

Câmara questiona decisões do Senado junto ao STF

Casa diz que medidas foram alteradas pelos senadores e seguiram para sanção sem nova análise pelos deputados

29 junho 2020 - 17h51Flávio Veras, com informações do G1

A Câmara dos Deputados pediu nesta segunda-feira (29) ao Supremo Tribunal Federal (STF) que determine uma nova votação, pelos deputados, de duas medidas provisórias (MPs) aprovadas pelo Senado e que seguiram para sanção presidencial.

As MPs tratam da redução da jornada de trabalho durante a pandemia do coronavírus e da contribuição empresarial para o Sistema S.

Os textos foram aprovados pela Câmara e seguiram para o Senado, onde também foram aprovadas, mas com modificações na redação (leia detalhes mais abaixo).

A Câmara alega que, como os senadores modificaram os textos, as duas MPs deveriam ter retornado para nova análise dos deputados, e não seguido para sanção.

Argumenta, ainda, que identificou outras nove situações, entre 2016 e 2019, em que MPs foram enviadas pelo Senado para a sanção nas mesmas circunstâncias. Para a Câmara, a Constituição tem sido violada de forma "reiterada" por parte do Senado.

"A violação à Constituição Federal tem se tornado reiterada. Há a necessidade de intervenção do Supremo Tribunal Federal para assegurar as competências atribuídas à Câmara dos Deputados pela Carta da República", argumentou a Câmara.

"Arrisca-se, de outra maneira, à instauração de contexto de grave insegurança jurídica a decorrer da presença de vício insanável no processo legislativo constitucional, afetando potencialmente a validade de normas que já foram aprovadas, bem como proposições que estão sendo ou que virão a ser apreciadas pelo Congresso Nacional", acrescentou.

As medidas provisórias

MP 936: Permite às empresas reduzir a jornada de trabalho dos funcionários, diminuindo proporcionalmente os salários. O texto também autoriza a suspensão temporária de contratos de trabalho. Antes de votarem a MP aprovada pela Câmara, os senadores excluíram trechos considerados estranhos ao objetivo inicial da proposta, entre os quais o que tratava de empréstimos consignados. Outro artigo retirado pelos senadores mudavam a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT).

MP 932: Reduz as contribuições obrigatórias de empresas para o financiamento dos serviços sociais autônomos, o Sistema S. Os senadores retiraram trechos considerados por eles estranhos ao assunto original da MP.

Teia - Agronomia

Deixe seu Comentário

Leia Também

Política
Justiça homologa acordo e Contar e PSL selam paz
Política
Riedel, um gestor a caminho da política
Política
Presidente da CPI da Energisa lamenta bandeira vermelha: “Cliente nunca é favorecido”
Política
Sul-mato-grossense é primeira mulher eleita prefeita em cidade no interior de SP
Política
PT não tem prefeitos eleitos em capitais pela 1ª vez desde a redemocratização
Política
Ponta Grossa é a única cidade do Brasil a ter duas mulheres disputando o 2º turno
Política
Marquinhos anuncia 45 obras e prevê gastos de R$ 1,3 bilhão
Política
TRE-MS conquista pela primeira vez selo diamante do Conselho Nacional de Justiça
Política
Cinco cidades do Estado adquirem “Castramóvel”
Política
Bolsonaro estima que país possa encerrar 2020 com mais empregos do que em 2019

Mais Lidas

Internacional
Inglaterra inicia vacinação contra Covid-19 na próxima semana
Polícia
Soldado e motorista trafegavam em faixa exclusiva para ônibus
Geral
Vídeo: Jaime Verruk fala sobre relicitação da ferrovia Malha Oeste
Geral
AGORA: homem é baleado depois de deixar presídio, no Noroeste