Menu
Busca sábado, 19 de outubro de 2019
(67) 99647-9098
Governo vitimas
Política

Fábio Trad é eleito presidente da comissão especial da Câmara

Fabio Trad passa a ser o primeiro deputado do Brasil a comandar duas comissões de reforma de códigos de leis

12 julho 2019 - 09h15Sarah Chaves, com informações da assessoria

O deputado federal Fábio Trad (PSD/MS) foi eleito por unanimidade  presidente da comissão especial da Câmara dos Deputados que reformará o Código de Processo Penal (CPP), a cerimônia de eleição e posse de Fábio Trad e do relator-geral, o deputado João Campos (PRB/GO), foi realizada nesta quinta-feira (11),a partir da análise de um Projeto de Lei, o atual código possui 811 artigos e está em vigor desde 1942, época do Governo Getúlio Vargas.

Em sua fala inicial, Trad destacou a importância do País ter um conjunto de normas legais condizente com os desafios e demandas atuais da justiça penal sociedade.“Temos de aprovar o novo CPP, se possível, ainda este ano, pois o atual, data de uma época anterior à chegada da televisão no Brasil, portanto é um código pré-analógico que precisamos modernizar para a satisfação da sociedade brasileira”, disse o presidente da comissão.

“Minha missão é a de fazer um trabalho isento, dando oportunidade e espaço para que todos os membros titulares e suplentes possam ter voz, promover audiências públicas em seus estados e municípios, mesmo aqui em Brasília, convidando especialistas no assunto”, disse o parlamentar.

Trad disse ainda que o Código de Processo Penal (CPP) deve ser democrático.“Que procure equacionar a difícil convivência entre a necessidade de mais celeridade do procedimento penal com a preservação das garantias individuais do devido processo penal, do contraditório e da defesa”.

Célere e constitucional

A proposta do novo CPP foi discutida na legislatura passada, mas o substitutivo apresentado pelo deputado João Campos não chegou a ser votado. Entre os principais pontos desse texto estão o estímulo à cooperação do Brasil com outros países para investigar criminosos e a maior possibilidade de uso de mecanismos como as prisões temporárias e preventivas. Além disso, o parecer colocará em debate os embargos de declaração, recursos usados pela defesa para impedir o início do cumprimento de penas.

Outro ponto que será discutido é a criação do “juiz das garantias”, que seria responsável apenas pela análise do processo, enquanto a condenação seria imposta por um juiz diferente, como já ocorre em países de primeiro mundo com democracias mais maduras. Atualmente, o mesmo juiz que dirige o processo é responsável pela sentença, exceto em casos julgados pelo Tribunal do Júri.

Os vice-presidentes e relatores parciais serão designados pelo presidente nas próximas reuniões.

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

Política
Solidariedade faz convenção dia 26
Política
Coronel David solicita agilidade na pavimentação das ruas do Nova Campo Grande
Política
Universidades tem orçamentos descontingenciados
Política
Vereadores querem mais investimentos na infraestrutura da capital
Política
Joice perde a liderança do governo no Congresso para o MDB
Política
BR-262 receberá investimentos de R$ 22 mi do Ministério da Infraestrutura
Política
Grupo argentino investirá R$ 120 mi em porto de Murtinho
Política
Juiz entende que MPF adulterou diálogos de Temer e Joesley e absolve ex-presidente
Política
Senado aprova indicação de Carlos Ceglia para embaixada na Turquia
Política
MS define áreas que receberão as emendas de 2020 que totalizam R$ 247,6 mi

Mais Lidas

Justiça
Name já driblou a Justiça alegando problemas de saúde
Internacional
Mulher mata e esquarteja amigo que teria matado seu gato
Brasil
Vídeo - Câmeras mostram funcionário quebrando coluna de prédio antes de desabar
Geral
Prefeitura abre processo seletivo para entrevistador social