Menu
Busca sexta, 19 de julho de 2019
(67) 99647-9098
Política

Fábio Trad é eleito presidente da comissão especial da Câmara

Fabio Trad passa a ser o primeiro deputado do Brasil a comandar duas comissões de reforma de códigos de leis

12 julho 2019 - 09h15Sarah Chaves, com informações da assessoria

O deputado federal Fábio Trad (PSD/MS) foi eleito por unanimidade  presidente da comissão especial da Câmara dos Deputados que reformará o Código de Processo Penal (CPP), a cerimônia de eleição e posse de Fábio Trad e do relator-geral, o deputado João Campos (PRB/GO), foi realizada nesta quinta-feira (11),a partir da análise de um Projeto de Lei, o atual código possui 811 artigos e está em vigor desde 1942, época do Governo Getúlio Vargas.

Em sua fala inicial, Trad destacou a importância do País ter um conjunto de normas legais condizente com os desafios e demandas atuais da justiça penal sociedade.“Temos de aprovar o novo CPP, se possível, ainda este ano, pois o atual, data de uma época anterior à chegada da televisão no Brasil, portanto é um código pré-analógico que precisamos modernizar para a satisfação da sociedade brasileira”, disse o presidente da comissão.

“Minha missão é a de fazer um trabalho isento, dando oportunidade e espaço para que todos os membros titulares e suplentes possam ter voz, promover audiências públicas em seus estados e municípios, mesmo aqui em Brasília, convidando especialistas no assunto”, disse o parlamentar.

Trad disse ainda que o Código de Processo Penal (CPP) deve ser democrático.“Que procure equacionar a difícil convivência entre a necessidade de mais celeridade do procedimento penal com a preservação das garantias individuais do devido processo penal, do contraditório e da defesa”.

Célere e constitucional

A proposta do novo CPP foi discutida na legislatura passada, mas o substitutivo apresentado pelo deputado João Campos não chegou a ser votado. Entre os principais pontos desse texto estão o estímulo à cooperação do Brasil com outros países para investigar criminosos e a maior possibilidade de uso de mecanismos como as prisões temporárias e preventivas. Além disso, o parecer colocará em debate os embargos de declaração, recursos usados pela defesa para impedir o início do cumprimento de penas.

Outro ponto que será discutido é a criação do “juiz das garantias”, que seria responsável apenas pela análise do processo, enquanto a condenação seria imposta por um juiz diferente, como já ocorre em países de primeiro mundo com democracias mais maduras. Atualmente, o mesmo juiz que dirige o processo é responsável pela sentença, exceto em casos julgados pelo Tribunal do Júri.

Os vice-presidentes e relatores parciais serão designados pelo presidente nas próximas reuniões.

 

1/4 colchões

Deixe seu Comentário

Leia Também

Política
"Governo não vai criar novos impostos", diz Bolsonaro
Política
Câmara define comissão para atuar durante o recesso
Política
Delegado da PF assume presidência da Funai, com apoio de ruralistas
Política
Tucanos discutirão estratégias para 2020 neste sábado
Política
Marun fala sobre “overdose de política” e André no governo
Política
“Aviação é pauta prioritária e MS está incluso”, diz secretário nacional
Política
Após pedido de Marquinhos, ministro investe na saúde da capital
Política
Câmara e Assembleia divulgam balanço do primeiro semestre
Política
Fábio solicita inclusão do exame de câncer colorretal no SUS
Política
Suspeito de tentar roubar fio de energia, é encontrado morto

Mais Lidas

Justiça
Rigo entra com recurso baseado em decisão de Toffoli
Geral
Jovem perde perna em acidente e pede ajuda em "Vaquinha Solidária"
Geral
Quatro capivaras amanhecem mortas próximo ao shopping
Polícia
Incêndio criminoso deixa pelo menos 16 mortos